Europa

Olympiacos passou por crise, mas confirmou sua primazia com o hepta na Grécia

É possível um triunfo ter seus pontos baixos? Nesta temporada, o Olympiacos mostrou que sim. No último fim de semana, o time que detém a hegemonia no Campeonato Grego sagrou-se campeão nacional pela sétima vez consecutiva. E se não fosse o Panathinaikos surpreendendo o rival em 2004 e 2010, quando a equipe de Atenas terminou com a taça, a Thrylos teria enfileirado 20 troféus seguidos. Mesmo diante de uma crise que se acentuou na reta final da temporada, entre fevereiro e o final de março, o Olympiacos conseguiu manter sua hegemonia dentro do país faltando uma rodada para o fim da Super League. Pela 44ª vez na história, a Grécia é alvirrubra. Reflexo da estabilidade econômica do clube, rara em um país com sérios problemas nos últimos anos – por mais que a situação do dono Evangelos Marinakis, magnata da navegação, também já tenha sido melhor.

VEJA TAMBÉM: [Vídeo] A torcida do Olympiacos fez um recebimento impressionante para o clássico grego

Foi na partida contra o PAS Giannina que o time de Pireu dilatou seu histórico de grandes feitos. Em casa, o Olympiacos bateu o oponente por 5 a 0. Uma goleada para espantar de vez a crise que atormentou os alvirrubros nos últimos meses e oferecer mais um caneco a eles. Assim, os campeões somaram 64 pontos até a penúltima rodada do campeonato, seis a mais do que o vice-líder, o PAOK. Apesar de mais um êxito confirmado, é importante recordar o número de pontos do Olympiacos na temporada passada. A equipe de Pireu terminou 2015/16 com 85 pontos, fazendo 30 a mais do que o Panathinaikos. Foi campeã com antecedência bem maior. Nesta campanha, todavia, desperdiçou pontos especialmente nos clássicos. A referida crise entre fevereiro e março guardou três derrotas contra os principais rivais: Panathinaikos, AEK e PAOK.

Contratado após o fracasso de Víctor Sánchez nas preliminares da Liga dos Campeões, Paulo Bento não participou da pré-temporada, mas esteve no comando técnico do time alvirrubro das primeiras rodadas do Campeonato Grego até março, quando a crise dentro de campo se acentuou e ele foi demitido. Os últimos resultados da equipe com o português, que anteriormente teve passagem pelo Cruzeiro, foram para lá de insatisfatórios: três derrotas seguidas, algo incomum para uma equipe tão acostumada a vencer. A relação áspera do treinador com alguns jogadores do elenco, entre eles estrelas do time, como Alejandro Domínguez, também foi um fator determinante para a sua demissão. Por conta de desavenças, o português barrou atletas que estavam acostumados a ter um lugar no time titular. Pior, ainda perdera na janela de transferências de inverno alguns de seus protagonistas, como Luka Milivojevic e Brown Ideye, vendidos pela diretoria.

Técnico das categorias de base do Olympiacos, Vasilis Vouzas assumiu interinamente. Mas não demorou muito tempo até que o clube anunciasse a contratação de Takis Lemonis, nome já bem conhecido na casa, conquistando o Campeonato Grego com os alvirrubros em 2001, 2002, 2007 e 2008. Por mais que tenha chegado apenas na reta final, o título desta temporada representa um grande feito individual ao treinador, pentacampeão nacional. Resta saber por quanto tempo o veterano terá tranquilidade à frente do Olympiacos, que se tornou uma máquina de triturar técnicos.

Os alvirrubros ainda podem faturar mais uma taça nesta empreitada com Takis Lemonis no comando. Eles estão disputando a semifinal da Copa da Grécia com o AEK. Embora tenham perdido o primeiro jogo por 2 a 1, agora que o título do Campeonato Grego está garantido, dá para focar em tentar reverter o resultado na partida de volta, nesta quarta-feira, fora de casa. Panathinaikos e PAOK fazem a outra semifinal.

Mostrar mais

Nathalia Perez

Jornalista em formação trabalhando a favor de um meio esportivo mais humano. Meus heróis sempre foram jogadores de futebol, mas hoje em dia são muito mais heroínas.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo