Europa

J. Lukaku bate pesado em Wilmots: “Minha única instrução era dar a bola para Hazard”

Entre piadas e cobranças, a seleção belga tem decepcionado em grandes competições. Não tem alcançado o desempenho que se espera de tantos bons jogadores à disposição, nem os resultados. Perdeu para a Argentina nas quartas de final da Copa do Mundo de 2014 e para o País de Gales na mesma fase da última Eurocopa. Para o lateral esquerdo Jordan Lukaku, o responsável tem nome e sobrenome: o técnico Marc Wilmots.

LEIA MAIS: Luc Nilis, o atacante que bajulava a bola com sua técnica e engrandeceu outros gigantes

Ficar entre os oito primeiros do Mundial brasileiro foi o segundo melhor resultado da história da Bélgica em Copas do Mundo, depois do quarto lugar em 1986. Mas, no fundo, o time não fez mais que a sua obrigação: liderou o fácil grupo H, composto por Argélia, Rússia e Coreia do Sul, e derrotou os Estados Unidos nas oitavas de final. Sucumbiu à Argentina no primeiro encontro com uma grande seleção.

A Eurocopa foi ainda mais trágica porque a Bélgica tinha todas as condições de chegar pelo menos até as semifinais, quando encararia Portugal, também com boas possibilidades de avançar. Goleou a Hungria nas oitavas de final e encarou País de Gales na fase seguinte. Foi derrotada por 3 a 1 e encerrou sua campanha sem, mais uma vez, ter conseguido um grande resultado – o único confronto com uma grande seleção foi contra a Itália, na fase de grupos, com derrota por 2 a 0.

“Com todo respeito ao País de Gales, devemos sempre passar por eles. Mas, quando você vai para a Eurocopa mal preparado, é difícil vencer. Não é uma partida de FIFA. Em nenhum momento, eu vi algo parecido com uma preparação de partida. Muitos jogadores disseram que iríamos para a Euro para vencer, mas sabíamos que seria extremamente difícil, dada a preparação”, afirmou o jogador da Lazio, em entrevista à revista Sport/Foot Magazine, segundo o L’Equipe.

Lukaku, irmão mais novo de Romelu, afirmou que recebeu apenas uma instrução em campo: dê a bola para Eden Hazard. “Mas ele por acaso é o Tsubasa? Ele é bom, mas era marcado por três homens o tempo inteiro. Mas, assim que eu pegava na bola, ouvia: ‘dê a Eden’. Não foi difícil nos bloquear, uma vez que não tínhamos um sistema de jogo”, acrescentou.

Wilmots foi demitido, depois da Eurocopa de 2016, substituído pelo espanhol Roberto Martínez, ex-técnico do Everton. Na campanha para a Rússia, a Bélgica lidera o seu grupo, com quatro vitórias e um empate.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo