Europa

Indo pela contramão

A diferença entre a Liga dos Campeões e a Liga Europa é visível. Enquanto a primeira conta com o glamour de Barcelona, Real Madrid, Milan, Manchester e tantas potências endinheiradas do continente, a outra é vista como penitência pelos grandes que não tiveram grande desempenho na última temporada. É o prêmio de consolação para Liverpool e Juventus, por exemplo. Para gregos e turcos, no entanto, a Liga Europa tem um sabor muitíssimo especial.

Como destacado neste mesmo espaço durante a última semana, as campanhas de Panathinaikos e Bursaspor na Champions foram algo a se esquecer completamente. Se nos campeonatos nacionais ambos brigam pelo topo da tabela, na principal competição continental não deixar por um único momento de segurar a lanterna. Nem mesmo conseguirão alcançar o terceiro lugar de suas chaves.

E se a vida é ruim na Liga dos Campeões, tudo está azul na UEFA Europa League. São quatro clubes da região que chegaram até a fase de grupos: AEK, Aris, PAOK e Besiktas. Todos eles com um pé na próxima etapa da competição, os dezesseis-avos-de-final.

A situação era cômoda para a maioria dos clubes na última semana, quando aconteceu a penúltima rodada da atual fase. Dentre os quatro times, apenas o Aris é quem tinha o caminho mais complicado, tendo pela frente o Atlético de Madrid, atual campeão do certame, em pleno Vicente Calderón. E foi exatamente neste jogo que ocorreu a maior surpresa da rodada.

Com bem definiu o colega Felipe dos Santos Souza em sua coluna sobre Copas Europeias, a dedicação em campo do time de Héctor Cúper foi cabal para a vitória. Assim como fez na primeira partida contra os Colchoneros, o Aris estava bastante empenhado em busca da vitória. Ao todo, foram nove chutes contra o gol defendidos pelo inspirado Michalis Sifakis, além de outros 13 mandados para fora. A defesa, apesar de demonstrar a sua fragilidade especialmente no gol de Agüero, fez o possível para se segurar.

Já na frente, o ataque, além de mais eficiente que o dos adversários, soube aproveitar muito bem uma noite de desencontros dos zagueiros do Atlético. O bom De Gea falhou feio em dois tentos, o primeiro e o terceiro, ambos anotados após a insistência dos gregos. E como era de se esperar do melhor jogador da equipe, Koke soube muito bem liderar os seus companheiros. O capitão jogou com naturalidade em seu país natal e balançou as redes por duas vezes, suficientes para concretizar o milagre. Curiosamente estes foram os primeiros gols do atacante na temporada.

Agora, na próxima semana, basta que o Aris bata o já eliminado Rosenborg em casa para conseguir a mais que merecida classificação. Além, o adversário direto pela vaga, o Atlético de Madrid, tem um confronto difícil pela frente: pega o líder Bayer Leverkusen na Alemanha. Como ambos os clubes estão empatados em pontos, o Aris se dá melhor em caso de resultados iguais em ambas as partidas, já que possui vantagem no confronto direto.

Quanto às outras partidas, o AEK não venceu adversário tão notável, mas ficou com uma situação tão tranqüila quanto à de seus conterrâneos. O grande feito, no jogo dos Dikefalos, foi ter vencido o Hajduk Split na Croácia por um placar amplo. Mesmo desfalcados do artilheiro Rafik Djebbour e de Pantelis Kafes, os atenienses conseguiram segurar a pressão dos donos da casa no primeiro tempo e abriram ampla vantagem na etapa complementar. Nacho Scocco, Kostas Manolas e Ismael Blanco anotaram, com o Hajduk descontando já no fim após bola mal afastada pela zaga.

De qualquer forma, este gol tomado não fará diferença para o AEK. Com três pontos de vantagem sobre o Anderlecht, o que vale é o confronto direto com os belgas. No último jogo, os Dikefalos recebem o classificado Zenit no Spiros Louis, em Atenas. Para carimbarem a vaga, um simples empate já basta.

Dos gregos, o único a dar uma vacilada maior foi o PAOK, que empatou em casa contra o eliminado Club Brugge. Quem mais uma vez contribuiu com gols foi Vieirinha, que acertou belo chute de longa distância. E apesar de incomodarem mais a meta adversária, com Salpingidis perdendo gol feito na linha da pequena área, os tessalonicenses permitiram o empate. Aos 44 do segundo tempo, Stefan Š?epovi? cabeceou para as redes bola cruzada no segundo pau.

O PAOK, assim como os outros dois, depende de si mesmo. Mas o confronto na última rodada é direto, ante o Dinamo Zagreb, um ponto atrás na tabela. Na viagem até a Croácia, o empate vale a classificação. E, não só isso, caso passe de fase, o interino Ioakim Havos tem grandes chances de ser efetivado no cargo.

Por fim, o Besiktas, que já estava praticamente garantido nos mata-matas, fez o necessário contra o CSKA em Sofia. Com um time misto, sem alguns jogadores importantes como Mehmet Aurélio, Bobô, Quaresma e o capitão ?brahim Üzülmez, ainda assim os turcos abriram 2 a 0 no marcador. Zápotocny fez de cabeça, enquanto Holosko aproveitou falha bisonha do goleiro M’Bolhi. Nem mesmo o gol dos búlgaros tirou a festa dos Kara Kartallar, que cumprem tabela na última rodada, já que não têm mais chances de ultrapassarem o Porto.

Um fato interessante une as campanhas dos quatro clubes no ano: apesar de estarem bem na Liga Europa, nenhum deles briga pela ponta nos campeonatos nacionais. O mais próximo da liderança é o Besiktas, com nove pontos de desvantagem na Super Lig. Já o PAOK não passa da terceira posição na Super League.

A distância do topo foi um dos fatores que contribuíram para as boas campanhas. Sem preocupações em suas ligas, os clubes puderam se dedicar muito mais à Liga Europa. É só perceber o empenho do Aris, que, bem diferente no Campeonato Grego, nem ao mesmo está na zona dos playoffs. A tranqüilidade foi decisiva para que as equipes concentrassem as suas forças.

Assim, faltando uma rodada para o fim da fase de grupos, todos os clubes da região estão praticamente classificados na competição continental. Souberam combinar a calma e o esforço que faltaram ao Bursaspor e ao Panathinaikos, cujas eliminações na Champions, independentemente dos resultados no nacional, tornaram desastrosos os primeiros meses da temporada. A UEFA Europa League pode até ser desprezada pelas grandes ligas, mas ainda possui grande valia em outros cantos do continente.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo