Champions LeagueEuropa

Grupo F: Arsenal, Dortmund, Marseille, Napoli

Se algum dos grupos pode ser chamado de grupo da morte, é este. O curioso é que nenhum dos times é campeão no seu país, mas justamente por isso que o grupo é forte: todos vem de ligas mais conhecidas. O Arsenal é o cabeça de chave, mas tem ao seu lado o vice-campeão da Liga dos Campeões na temporada passada, o rápido e mortal Borussia Dortmund. Como se não bastassem esses dois, o Napoli, vice-campeão italiano, chega com seus reforços para tentar o sucesso na liga. O Olympique de Marseille completa o grupo espinhoso, com capacidade para causar problemas. Tem tudo para ser uma briga de foice no escuro.

Arsenal

Como chegou à Liga dos Campeões: quarto colocado Campeonato Inglês
Melhor campanha: vice-campeão (2005/06) 

O cara

Mesut Özil acabou de chegar, mas o Arsenal gastou € 50 milhões para levá-lo do Real Madrid. Arsène Wenger não tiraria tanto dinheiro no bolso se não acreditasse que ele pode mudar a cara do time. Todo o jogo dos Gunners deve circular pelo alemão.

Papo de bar

Um time que poderia ser uma potência continental, mas se satisfaz apenas desenvolvendo jogadores jovens e nunca conquista nenhum título porque, quando essas promessas explodem, o clube vende. 

A realidade

Falta ousadia no mercado, mas é notável que, mesmo assim, o Arsenal consegue terminar nas quatro primeiras posições da Premier League há 17 temporadas. Isso mostra como o time consegue manter o nível de competitividade mesmo com a rotação de jogadores. Ou seja, dá para esperar uma campanha semelhante à dos últimos anos: oitavas de final, talvez quartas. 

Lições do passado

Ter um espírito mais copeiro, ficar acordado no jogo de ida das oitavas de final, quando a LC retoma após meses de intervalo. Nos dois últimos anos, o Arsenal perdeu de forma contundente na ida, e, ainda que tenha feito grandes atuações na partida de volta, não conseguiu evitar a eliminação.

Ponto forte

Não falta talento e velocidade a um meio-campo com Wilshere, Ramsey, Cazorla, Özil e Walcott. Wenger pode montar um time que se movimenta muito, abrindo espaços nas defesas adversárias. 

Ponto fraco

Há muitos bons jogadores no Arsenal, mas falta “o cara”, o craque de altíssimo nível que coloca a bola debaixo do braço e chama a responsabilidade nos momentos complicados. Um grande atacante de referência também ajudaria, já que a torcida não confia em Giroud. 

Curiosidade

Somente dois jogadores do atual elenco do Arsenal conquistaram títulos continentais por clubes. Nem tente adivinhar, porque você não adivinhará. São Mikel Arteta (Paris Saint-Germain, 2001) e Bacary Sagna (Auxerre, 2006), campeões da finada Copa Intertoto. 

Elenco (clique para ver)

*****

Borussia Dortmund

Como chegou à Liga dos Campeões: vice-campeão alemão
Melhor campanha: campeão (1996/97) 

Marco Reus se tornou o regente de um Dortmund que joga em velocidade alucinante (AP Photo/Frank Augstein)
Marco Reus se tornou o regente de um Dortmund que joga em velocidade alucinante (AP Photo/Frank Augstein)
O cara

Marco Reus foi contratado para suprir a ausência de Kagawa, mas em um ano já é obrigado a fazer o papel de cérebro da equipe que era de Mario Götze. Mesmo na temporada passada, com Götze ainda por perto, ele já foi o termômetro do Dortmund. Agora, terá de fazer isso praticamente todo jogo. 

Papo de bar

É uma equipe que simboliza a nova fase do futebol alemão: investimento nas categorias de base, jogadores de talento e futebol ofensivo. 

A realidade

O Dortmund soube trabalhar com calma até desenvolver seus jogadores a ponto de ter uma força continental. Na temporada retrasada, deu vexame na Champions, mas ganhou a experiência necessária para aprender a se portar nos jogos grandes e, no ano seguinte, só perdeu o título para o Bayern de Munique nos minutos finais. 

Lições do passado

O principal problema da Champions passada não será resolvido nessa. Em 2012/13, parte do foco da final se perdeu com o anúncio que Mario Götze trocaria o Borussia pelo Bayern de Munique. Nesta temporada, há um potencial de ocorrer o mesmo, já que Lewandowski fica sem contrato no final da temporada e especula-se que já esteja acertado com os bávaros. 

Ponto forte

O ataque passa pelos adversários como um trator. Lewandowski continua oportunista, e recebeu a companhia de Mkhtaryan e Aubameyang. Em cinco jogos da Bundesliga, já foram 15 gols. 

Ponto fraco

Apesar da campanha excelente na temporada passada, ainda é um time jovem, dá seus sustos. O Dortmund passou aperto desnecessário contra o Málaga e quase perdeu uma classificação ganha e controlada contra o Real Madrid. 

Curiosidade

Borussia significa Prússia em latim, e é um termo muito usado por instituições na Alemanha. Mas o Borussia do Dortmund tem um motivo bem mais boêmio: era o nome de uma cervejaria próxima a onde se reuniam os fundadores do clube. 

Elenco (clique para ver)

*****

Napoli

Como chegou à Liga dos Campeões: vice-campeão do Campeonato Italiano
Melhor campanha: Oitavas de final (1990/91 e 2011/12)

Hamsik tem sido o principal jogador do Napoli (AP Photo/Felice Calabro)
Hamsik tem sido o principal jogador do Napoli (AP Photo/Felice Calabro)
O cara

Com as saídas de Lavezzi (já na temporada passada) e Cavani, Hamsik ficou como grande referência ofensiva da equipe.

Papo de bar

É um time muito bom, mas jamais repetirá os momentos de glória da dupla Maradona-Careca. 

A realidade

Os investimentos da diretoria são sólidos, repondo bem os jogadores que saíram e montando uma base interessante. Vai dar muito trabalho a Arsenal e Borussia Dortmund. 

Lições do passado

Conquistar espaço na Europa não é fácil. O Napoli teve uma boa campanha em 2011/12, mas foi mal na última Liga Europa e acabou ficando no pote 4 no sorteio da Champions. Isso coloca a equipe celeste em grupos complicados, e sempre é mais difícil avançar desse modo. 

Ponto forte

O clube buscou algumas figuras com bastante experiência internacional, como o técnico Rafa Benítez, o goleiro Pepe Reina, o zagueiro Raúl Albiol e o atacante Gonzalo Higuaín. Pode ser importante para lidar com a intensidade do grupo mais forte da Liga dos Campeões. 

Ponto fraco

O time tem muitas alterações em relação à temporada passada, incluindo o técnico. Ainda que tenham chegado jogadores experientes, pode levar um tempo para o conjunto se formar, e tempo é uma coisa que essa chave não oferece. 

Curiosidade

Mesmo tendo contado com Maradona em duas Copas dos Campeões, a melhor campanha do Napoli no torneio foi sem o argentino. Em 2011/12, os napolitanos eliminaram Manchester City e Villarreal antes de serem eliminados pelo Chelsea. Em 1987, o Napoli caiu logo na primeira fase, contra o Real Madrid. Em 1990, passaram pelo Újpest antes de cair para o Spartak Moscou. 

Elenco (clique para ver)

*****

Olympique de Marseille

Por Fernando Moreira

Como chegou à Liga dos Campeões: Vice-campeão da Ligue 1 em 2012/13
Melhor campanha: Campeão (1992/93)

Dmitri Payet, principal reforço do Marseille
Dmitri Payet, principal reforço do Marseille
O cara

O OM desembolsou algo em torno de € 10 milhões para tirar Dmitri Payet do Lille e reforçar seu elenco. O meia chegou ao clube com crédito por seu ótimo desempenho na temporada anterior: foram 13 gols e 13 assistências. O camisa 17 tem a missão de aumentar o poder de fogo da equipe, apenas o 14º ataque mais positivo do Francês em 2012/13, com 42 gols marcados em 38 partidas.

Papo de bar

Para começar, todo mundo sabe que esse Olympique de Marselha não foi campeão continental porque teve aquele escândalo de suborno lá. Quer a prova de que eles não foram campeões porcaria nenhuma? É só ver quem o São Paulo enfrentou no Mundial de 1993. Foi o Milan, oras! E nessa Champions eles vão apanhar de todo mundo no grupo da morte. Quem perder pontos contra eles será eliminado.

A realidade

O Olympique de Marselha deu muito azar no sorteio das chaves da Champions. O time não tem potencial para ir muito longe na competição, mas não seria exagero dizer que ele avançaria sem grandes problemas para as oitavas. A vida real, porém, reservou duelos indigestos contra um renovado Arsenal, o atual vice-campeão continental Borussia Dortmund e um emergente Napoli. Sua briga será mesmo para se classificar para a Liga Europa.

Lições do passado

Há duas temporadas, o OM enfrentou Arsenal e Borussia Dortmund na fase de grupos e se deu bem: segundo colocado da chave, o time avançou às oitavas. Ficaram duas lições desta campanha: não se intimidar e manter o bom desempenho como visitante (ganhou do BVB e empatou com o Arsenal), mas fazer o dever de casa com mais afinco (já que perdeu para o fraco Olympiacos e para o Arsenal).

Ponto forte

O meio-campo do Olympique de Marseille está tinindo. Se Mathieu Valbuena jogava praticamente sozinho, agora ele tem a valiosa companhia de Dimitri Payet para ajudá-lo a levar o time à frente. A dupla aproveitou o entrosamento na seleção francesa para elevar a qualidade técnico do setor no OM. Para completar, o clube ainda trouxe uma das maiores revelações dos últimos anos do futebol francês: Florian Thauvin, campeão mundial sub-20 e que acertou com os marselheses após longa polêmica com o Lille.

Ponto fraco

A lesão de Souleymane Diawara permitiu a Lucas Mendes ganhar uma chance entre os titulares. O lateral esquerdo brasileiro, porém, tem demonstrado certa fragilidade defensiva, que contrasta com suas boas subidas ao ataque.

Curiosidade

O estádio Vélodrome, como o próprio nome indica, já recebeu provas de ciclismo, mas várias outras modalidades já usaram o local como palco de disputas: futebol americano, hóquei sobre a grama, tênis, petanca (uma espécie de bocha), boxe, handebol (com onze jogadores em cada time), beisebol, rúgbi, corridas de moto e de cachorro.

Elenco (clique para ver)

Mostrar mais

Ubiratan Leal

Ubiratan Leal formou-se em jornalismo na PUC-SP. Está na Trivela desde 2005, passando por reportagem e edição em site e revista, pelas colunas de América Latina, Espanha, Brasil e Inglaterra. Atualmente, comenta futebol e beisebol na ESPN e é comandante-em-chefe do site Balipodo.com.br. Cria teorias complexas para tudo (até como ajeitar a feijoada no prato) é mais que lazer, é quase obsessão. Azar dos outros, que precisam aguentar e, agora, dos leitores da Trivela, que terão de lê-las.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo