Eurocopa 2024

Legado em campo: conheça os pais e filhos que disputaram a Eurocopa

Na edição de 2024, seis filhos de ex-craques de suas seleções dão sequência ao seu legado no esporte

A Eurocopa pode transmitir legados. Nesta edição, ao menos seis jogadores mantém vivo o legado de seus pais, que brilharam na mesma competição entre os anos 90 e 2000.

Alguns exemplos marcantes como Arnór Gudjohnsen e Eidur Gudjonsen, da Islândia, emocionam os fãs pela continuidade da geração que se dedicou ao esporte.

A Trivela vasculhou seus arquivos, e construiu uma lista com alguns pais que trilharam um caminho brilhante por suas seleções, e seus respectivos filhos que agora brilham por seus países nesta edição da Euro.

Pais que disputaram a Eurocopa e seus filhos na edição 2024

  • Peter Schmeichel e Kasper Schmeichel (Dinamarca);
  • Gheorghe Hagi e Ianis Hagi (Romênia);
  • Enrico Chiesa e Federico Chiesa (Itália)
  • Danny Blind e Daley Blind (Holanda);
  • Sérgio Conceição e Francisco Conceição (Portugal);
  • Lilian Thuram e Marcus Thuram (França).

Peter e Kasper Schmeichel

Dois dos maiores goleiros da história do futebol dinamarquês. O pai, Peter, é sem dúvidas o maior nome da posição no país, presente quatro edições da Eurocopa entre 1988 e 2000, campeão diante da Alemanha em 1992.

Peter Schmeichel fez parte de uma das maiores gerações do país. Ao lado de nomes como Helveg, Jorgensen, os irmãos Laudrup, entre outros, em uma equipe que encantou o mundo com um futebol ofensivo e envolvente.

Seu filho segue os mesmos passos e é um dos principais nomes da talentosa atual geração do futebol dinamarquês.

Embora ainda não tenha chegado nem perto dos feitos do pai, Kasper disputou a última Euro em 2020, e esteve à frente da meta de sua seleção nas últimas duas Copas do Mundo.

Demonstrando a mesma frieza e técnica herdada de seu progenitor, o filho do lendário goleiro é uma figura de liderança da seleção da Dinamarca no presente.

Foto: Trivela

Gheorghe e Ianis Hagi

Georghe é o grande nome do futebol romeno na era contemporânea. Craque da Copa de 1994, o ex-jogador do Real Madrid, Brescia e Barcelona tem em seu filho Ianis a confiança na continuidade do seu legado futebolístico.

Há quem diga que o filho de Georghe não tem a mesma habilidade do pai. Mas acontece que no auge dos seus 25 anos, o meia do Alavés pode superar seu pai caso marque ao menos um gol nesta Eurocopa.

Georghe Hagi ajudou a Romênia a participar de uma competição internacional na Euro de 1984, 14 anos após a Copa do Mundo de 1970.

Além desta, o jogador esteve presente nas Euros de 1996 e 2000. Contudo, nem mesmo sua genialidade foi suficiente para conseguir marcar um gol no torneio continental.

Já seu filho, Ianis, terá a chance de levar a Romênia até a segunda fase e quem sabe, alcançar a marca que seu pai não conseguiu durante sua trajetória.

Foto: Trivela

Enrico e Federico Chiesa

O pai do destaque da Juventus brilhou com a camisa da Sampdoria nos anos 90, e fez parte da geração italiana que disputou a Euro de 1996, na Inglaterra.

Naquela edição, o time italiano decepcionou e ficou pelo caminho em uma chave com Alemanha, Rússia e República Tcheca.

Artilheiro, Enrico Chiesa marcou mais de 200 gols em quase 600 jogos na carreira, e faturou por duas vezes a Copa da Itália, sendo uma pela Fiorentina e outra pelo Parma, além de uma Copa da Uefa (antiga Liga Europa), também com o Parma.

Já seu filho pode dizer que, em termos de conquistas, está um passo à frente de seu pai. Campeão da última edição da Eurocopa, Federico Chiesa é um dos principais nomes da geração atual.

As ausências nas Copas do Mundo de 2018 e 2022 são um peso grande para o jogador de 26 anos, mas o legado de seu pai pode fazer o meia atacante quebrar a tal maldição da tetracampeã do mundo.

Foto: Trivela

Danny e Daley Blind

Se tem um aspecto no qual esta dupla se assemelha é a visão de jogo e classe em campo. Danny Blind esteve no elenco holandês que disputou a Euro de 1996, na Inglaterra.

Embora não tenha chegado longe nesta edição, parando nas quartas de final para a França, Daley Blind, seu filho, segue à risca os passos de seu pai, hoje como um dos nomes mais experientes do time holandês.

Em seu currículo as disputas das Copas de 2014, 2018 e 2022, sendo terceiro lugar no Mundial do Brasil, com direito a gol contra a seleção brasileira.

No mais, o atual defensor do Girona da Espanha segue o mesmo legado vitorioso de seu pai, que fez parte de um dos esquadrões mais temido da Europa, o Ajax dos anos 90.

Foto: Trivela

Sérgio e Francisco Conceição

Sérgio Conceição ganhou sua primeira oportunidade na seleção portuguesa em 1996, mas só foi disputar sua primeira Eurocopa em 2000.

Curiosamente, em um jogo contra a Alemanha na primeira fase, o ex-atacante marcou um hat-trick na vitória do time lusitano pelo placar de 3 a 0.

Tal derrota culminou na eliminação alemã do torneio. Apesar do feito, Conceição acabou marcado pela eliminação portuguesa na primeira fase da Copa do Mundo em 2002.

Seu filho, Francisco, foi o nome da vitória portuguesa sobre a República Tcheca na estreia da Eurocopa deste ano, e com 21 anos, desponta como novo grande personagem desta geração.

Foto: Trivela

Lilian Thuram e Marcus Thuram

Lendário defensor francês, o campeão Mundial em 1998 marcou época vencendo a Eurocopa de 2000, e liderando uma das mais talentosas gerações da França.

Lilian Thuram passou a seu filho, Marcus, o mesmo DNA vencedor. O jogador da Internazionale continua o legado de seu pai, mas jogando no ataque.

Vice-campeão mundial em 2022, o atacante é o centroavante da atual geração francesa, e esteve na última Eurocopa em 2020.

Na edição deste ano, o jogador tem mais uma chance de se consolidar como titular, e quem sabe, brigar por um lugar na Copa do Mundo de 2026.

Foto: Trivela
Foto de Lucas de Souza

Lucas de SouzaRedator

Lucas de Souza é jornalista formado pela Universidade São Judas em São Paulo. Possui especialização em Marketing Digital pela Digital House, e passagens pelos sites Futebol na Veia e Futebol Interior.
Botão Voltar ao topo