Eurocopa

Inglaterra se impõe em Wembley, corre poucos riscos e vence a Croácia na estreia na Euro

Sterling marcou o gol da primeira vitória da história da Inglaterra em uma estreia de Eurocopa

Apesar de o placar não ter passado do 1 a 0, a Inglaterra foi melhor do que a Croácia, vice-campeã mundial, neste domingo, em Wembley, e apresentou as suas credenciais de candidata ao título da Eurocopa. Contou com um gol de Raheem Sterling para, pela primeira vez na história, vencer na estreia da competição da qual nunca foi campeã.

Foi uma partida relativamente controlada do time de Gareth Southgate. Alternou momentos de pressão no campo de ataque, criando chances em sequência, com outros em que ficou mais recuado defendendo a posse de bola da Croácia. Foi superior nas duas situações, e até eficiente, embora pudesse ter marcado no primeiro tempo ou criado um pouco mais para matar o jogo.

De qualquer maneira, foi um bom começo, e ainda com a sensação de que não atingiu todo seu potencial – Jadon Sancho, por exemplo, nem ficou no banco de reservas.

Escalação da Inglaterra

Gareth Southgate tinha dois laterais esquerdos em ótima fase. Logo, naturalmente, escolheu Kieran Trippier para ser titular improvisado por ali. Apesar de uma convocação que favorecia três zagueiros, e de rumores ao longo da semana de que retornaria àquela formação, foi com linha de quatro mesmo, com Kyle Walker pela direita, John Stones e Tyrone Mings como dupla de zagueiros. O meio-campo trouxe uma dupla de volantes, com Declan Rice – que pode fazer o terceiro zagueiro se necessário – e Kalvin Phillips. Na frente, um quarteto de ataque com Sterling e Phil Foden pelos lados, mas com os pés trocados: Foden pela direita, Sterling pela esquerda. Mount mais solto, e Harry Kane no ataque. A maior surpresa foi não ter levado Jadon Sancho nem para o banco de reservas.

Na Croácia, Zlatko Dalic não inventou muito. Linha de quatro na defesa com Vrsaljko, Domagoj Vida, Caleta-Car e Josko Gvardiol, jovem lateral esquerdo do Dínamo Zagreb que se transferirá para o RB Leipzig. O meio-campo foi formado com Brozovic, Modric e Kovacic. No ataque, Dalic preferiu centralizar Ante Rebic, abrindo Kramaric pela direita e Perisic pela esquerda.

Primeiros dez minutos sufocantes da Inglaterra

A Croácia não viu a cor da bola nos primeiros dez minutos. E os ingleses criavam chances. Bem organizados em campo, movimentando-se, com confiança. Logo aos seis minutos, Sterling recebeu um arremesso lateral em velocidade pelo meio, foi até a entrada da área e abriu com Foden. Chute colocado de perna esquerda no pé da trave.

Sterling, após uma temporada fraca em que terminou como reserva do Manchester City, parecia um pouco mais hesitante. Recebeu duas boas bolas pela esquerda, livre de marcação, e demorou para finalizar. A primeira foi resultado de uma bonita troca de passes pela ponta esquerda, que começou com Sterling, passou por Mount e Phillips antes de virar escanteio. Na cobrança, a sobra ficou com Phillips, que mandou da entrada da área para boa defesa de Livakovic.

Croácia equilibra

Depois desse período de domínio, a Inglaterra passou mais um tempo no controle até que a Croácia conseguisse equilibrar o jogo. Subiu a marcação e manteve mais a posse de bola. Isso não se transformou em chances claras de gol, mas foi suficiente para não levar mais nenhum susto na defesa. Como você deve ter imaginado, a segunda metade do primeiro tempo foi bem mais travada e sem muita emoção.

Gol da Inglaterra

O único gol da partida saiu de um dos destaques da partida. O volante Kalvin Phillips recebeu o passe de Kyle Walker, levou a jogada para o meio e soltou no espaço para Sterling. O atacante do City bateu na saída do goleiro Livakovic, que chegou a tocar na bola, mas não evitou o gol da seleção inglesa. Mount cobrou uma falta com perigo, alguns minutos depois, e, de dentro da área, Sterling isolou uma grande chance.

Croácia tenta reagir – mas não consegue

Como no primeiro tempo, a Croácia assumiu o domínio territorial da partida depois de um começo mais forte da Inglaterra. E, também como no primeiro tempo, sofreu demais para criar. A defesa inglesa, liderada por Kalvin Phillips na cabeça de área, conseguiu lidar muito bem com todas as tentativas de Zlatko Dalic. Trocou Brozovic por Nikola Vlasic, um meia-atacante de mais chegada. Depois lançou Josip Brekalo pela direita e trocou Rebic por Bruno Petkovic. A cinco minutos do fim, tirou Kovacic e colocou Mario Pasalic, também um pouco mais ofensivo. Nada funcionou e bastou à Inglaterra controlar os minutos finais para estrear na Eurocopa com vitória.

.

.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo