Eurocopa

Inglaterra superou seu maior fantasma, venceu a Alemanha e segue firme na Eurocopa

Foi a primeira vitória inglesa em um jogo decisivo contra a Alemanha desde a final da Copa do Mundo de 1966

Não importa que a Alemanha não esteja em sua melhor fase. Ou que tenha feito uma campanha irregular na Eurocopa. Continua sendo o grande fantasma da Inglaterra. Desde a final da Copa do Mundo de 1966, derrotou os ingleses em todos os jogos decisivos. Mas como outros tabus que caíram desde que Gareth Southgate assumiu a seleção, esse também caiu. Nesta terça-feira, com gols de Raheem Sterling e Harry Kane, a Inglaterra venceu a Alemanha por 2 a 0, em um Wembley vibrante, e avançou às quartas de final da Euro 2020.

A partida, equilibrada, sem grande brilho de nenhum dos lados, acabou decidida pelos dois principais jogadores da Inglaterra, um prêmio à insistência de Southgate que não recuou na escalação de Sterling, apesar da temporada oscilante, nem na de Kane, uma sombra do jogador que é até agora na Eurocopa.

Avança para enfrentar Ucrânia ou Suécia em Roma nas quartas de final e, se superar um confronto para o qual será favorita, a Inglaterra retornará a Wembley para tentar o título inédito da Eurocopa nas semifinais e depois talvez na grande final.

Escalações

Joachim Löw manteve a mesma formação que vinha utilizando na Eurocopa, mas com Leon Goretzka no lugar de Gündogan no meio-campo. Timo Werner foi titular pela primeira vez, ao lado de Thomas Müller e Kai Havertz. Southgate recorreu ao esquema com três zagueiros, espelhando o sistema alemão, com Kyle Walker pela direita da defesa, Kieran Trippier e Luke Shaw nas alas. Bukayo Saka ganhou a vaga de titular no trio de ataque ao lado de Sterlign e Kane.

Alemanha começa melhor – Inglaterra ameaça mais

A Alemanha começou no controle da partida, mantendo mais posse de bola, e calculando como faria para superar a defesa inglesa. No entanto, as primeiras chances de perigo foram inglesas. Aos 16 minutos, Sterling arriscou de fora da área, buscando o canto esquerdo de Neuer, que voou para fazer uma grande defesa. Harry Maguire teve um par de cabeçadas sem grande risco, antes de os alemães voltarem a ameaçar um pouco.

O passe de Havertz, aos 33 minutos, gerou a oportunidade mais clara. Ele dominou com liberdade na intermediária e passou na medida certa para Werner receber pela esquerda, dentro da área. Pickford, porém, saiu bem do gol e conseguiu fazer uma boa defesa fechando o ângulo.

A Inglaterra teve mais uma grande chance antes do intervalo. Sterling recolheu um passe ruim de Müller e avançou pelo meio, apesar da legião de jogadores alemães à sua frente. Segurou demais a bola e foi desarmado, mas a sobra ficou com Kane, que dominou tentando tirar de Neuer. Na boca do gol, Hummels fez o corte providencial.

Pickford salva

No começo do segundo tempo, Jordan Pickford, cuja titularidade foi muito contestada ao longo do último ciclo, fez outra grande defesa para salvar a Inglaterra. A Alemanha chegou tocando a bola, cruzou da esquerda e, após uma dividida no meio da área, Havertz encheu o pé de perna esquerda. Foi no meio do gol, mas muito forte e alto. Pickford espalmou com uma mão por cima do travessão.

Pouca coisa aconteceu na meia hora seguinte, com equilíbrio na posse de bola e poucas ações ofensivas. Até Sterling receber a bola pela direita, entre três marcadores, e começar a arrancar.

Garoto de Wembley

Criado nas redondezas do estádio de Wembley, Sterling avançou da direita para o meio em diagonal e tocou para Harry Kane fazer o pivô. Grealish recebeu e soltou na esquerda para Luke Shaw cruzar rasteiro. Sterling desviou às redes e marcou pela terceira vez nesta Eurocopa – a Inglaterra fez apenas quatro gols. E sempre que Sterling marca, a Inglaterra vence.

A defesa inglesa lidou muito bem com as investidas alemãs. Aquela batida de Haver foi a única chance clara de gol até Sterling correr o risco de ir de herói a vilão em questão de minutos. Errou um passe para trás, Havertz recuperou e lançou Müller em velocidade. Avançou livre pelo meio do campo da Inglaterra e, da entrada da área, bateu cruzado na saída de Pickford.

Para fora.

Kane desencanta

Passado aquele susto, a Inglaterra matou o jogo com o primeiro gol de seu principal jogador na Eurocopa. Muitos méritos a Luke Shaw, que recuperou a bola no meio-campo, avançou pelo meio e abriu com Grealish, que cruzou à meia-altura. Kane se abaixou e desviou de cabeça para a levar Wembley à loucura com a primeira vitória relevante da Inglaterra contra a Alemanha em mais de 50 anos.

.

.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo