Eurocopa

Cortado da Euro após testar positivo para Covid, Cillessen manifesta insatisfação com atitude de Frank de Boer

Cillessen disse que o treinador já sabia de suas condições antes da convocação e não escondeu como ficou chateado

A seleção de Países Baixos / Holanda realizou um corte importante às vésperas da Eurocopa: o goleiro Jasper Cillessen foi tirado da lista, após ser infectado com a COVID-19. O camisa 1 já cumpria o isolamento obrigatório e o técnico Frank de Boer preferiu sacá-lo do time, diante da falta de previsões sobre quando ele poderia se juntar ao restante do elenco. E a situação não agradou Cillessen. Em entrevista à imprensa local, o arqueiro indicou a insatisfação e botou em xeque até mesmo a atitude do treinador.

“É um duro golpe”, declarou Cillessen ao jornalista Mike Verweij, conforme a tradução feita pelo excelente Espreme a Laranja. “Antes mesmo da convocação ele já sabia que eu tinha testado positivo. Mas no domingo ele disse que eu seria integrado assim que meu teste rápido desse negativo, e o PCR também. Não faço ideia do que mudou, ninguém me falou nada”. Cillessen negou que tenha se infectado na festa do acesso do NEC Nijmegen, seu clube formador. Ele está na cidade e participou da cerimônia pelo retorno à Eredivisie, após a conquista dos playoffs de promoção.

“De Boer só me ligou na terça [para anunciar o corte]. Isso me deixou ainda mais chateado. Mas tenho de superar. Não quero perder a cabeça, porque meus companheiros estão prestes a jogar a Euro, e só temos uma meta: irmos o mais longe que pudermos”, complementou Cillessen. De qualquer maneira, o incômodo ficou expresso antes da estreia da Oranje na Eurocopa.

Durante coletiva de imprensa, Frank de Boer explicou sua decisão e justificou que preferia não ficar à espera do goleiro, considerando a aproximação da Eurocopa: “ Não sabemos quanto tempo vai levar para ele ficar 100% de novo. Não quero correr riscos. Estamos com a Euro batendo à porta, e eu quero segurança. Mas é claro que deve ser decepcionante para Cillessen”.

Cillessen disputou 60 partidas com a seleção holandesa. O ápice do goleiro aconteceu na Copa do Mundo de 2014, quando foi uma figura importante na campanha até as semifinais. Contudo, as ausências da Oranje na Euro 2016 e na Copa de 2018 o impediram de reaparecer nas grandes competições. Ainda assim, manteve-se como primeira escolha na equipe nacional durante quase todo o tempo. Cillessen, porém, disputou apenas três partidas sob as ordens de Frank de Boer. O goleiro esteve contundido nas Datas Fifa de novembro de 2020 e também de março de 2021. Sua temporada com o Valencia foi um tanto quanto acidentada, com apenas dez jogos disputados por La Liga, mas retomando o posto na reta final da campanha.

O corte de Cillessen garantiu a convocação de Marco Bizot, do AZ. Os outros dois goleiros da Oranje, aliás, são veteraníssimos da seleção: Tim Krul e Maarten Stekelenburg. Durante as últimas partidas, Krul assumiu a titularidade. O arqueiro do Norwich, porém, cometeu algumas falhas que atrapalharam o time. Stekelenburg ainda é candidato a retomar o posto, depois de voltar ao Ajax e se sair bem ao suplantar André Onana emergencialmente na segunda metade da temporada.

Durante a concentração feita em Portugal, parte da seleção da Holanda / Países Baixos foi vacinada contra a COVID-19. Parte, porque seis jogadores não aceitaram a imunização – incluindo Memphis Depay, Wout Weghorst e Matthijs de Ligt. O zagueiro seria o mais criticado do trio, por dizer que “cada um deve ser o senhor do seu corpo”, mas depois se retratou declarando que “não entendeu a pergunta” feita sobre a imunização e que “é a favor da vacina, lógico”. Enquanto isso, Cillessen certamente se lamenta por não ter se vacinado antes disso.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo