Europa

Empresários, técnico e árbitros são presos na Bélgica suspeitos de fraude e manipulação de resultados

Um escândalo sacudiu a Bélgica nesta quarta-feira. O técnico do Brugge, Ivan Leko, e outros dirigentes e árbitros foram presos em uma investigação da promotoria federal belga. As acusações são de fraude fiscal, lavagem de dinheiro e possível manipulação de resultados, conforme divulgado pela promotoria em comunicado à imprensa.

LEIA TAMBÉM: Valcke usou jatinhos pagos pela Fifa para evitar ser preso e ajudou filho a ter contrato na Copa 2014

Entre os principais investigados estão os empresários de jogadores Mogi Bayat e Dejan Vejkovic. Bayat é um empresário de futebol influente na Bélgica e fez negócios com muitos clubes da primeira divisão do país. O empresário tinha boas relações com a antiga diretoria do Anderlecht, especialmente com o ex-técnico do clube, Herman Van Holsbeeck.

Já Vejkovic colocou muitos jogadores no Mechelen e no Lokeren, mas também tem boas relações com outros clubes. O técnico Ivan Leko, do Brugge, tem boas relações com Vejkovic e também foi detido para depoimento na polícia. Os árbitros Bart Vertentene e Sebasien Delferière, que tem boas relações com Vejkovic, também foram detidos para prestar esclarecimentos sobre suspeitas de manipulação de resultados.

“A investigação federal foi lançada no fim de 2017, em resposta ao relatório da Unidade de Fraude no Esporte da Polícia Federal, que indiciou transações financeiras suspeitas no futebol profissional”, afirma o comunicado divulgado pela promotoria, que fez 44 buscas em casas e fez várias prisões.

“Alguns empresários de jogadores, independentemente um do outro, arranjaram essas transações, deixando de fora comissões de transferências de jogadores, remuneração de jogadores e técnicos e outros pagamentos para o governo belga e outras partes envolvidas nas transações”.

Na investigação, surgiram provas de influência nas competições em 20107/18, o que levou o promotor federal a abrir investigação judicial em organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção, segundo informação divulgada pelas autoridades. Na quarta-feira pela manhã, 184 policiais belgas fizeram 44 buscas em domicílios por todo o país, enquanto 36 investigadores estrangeiros da polícia fizeram 13 buscas na França, Luxemburgo, Chipre, Montenegro, Sérvia e Macedônia, em operação conjunta.

“Nesta manhã foram feitas buscas nas sedes de vários clubes de futebol da Jupiler Pro League [a liga belga da primeira divisão]”, diz o promotor federal. “Vários documentos e arquivos foram confiscados e as buscas nas casas foram feitas com membros da diretoria de clubes de futebol, empresários de jogadores, árbitros, um ex-advogado, uma empresa de contabilidade, joalheiros, jornalistas e um número de possíveis cúmplices. Um grande número de pessoas teve a sua liberdade e levadas para um depoimento completo. O juiz responsável pelo caso decidirá sobre qualquer liminar ou prisão”.

As buscas em casas foram feitas principalmente nos executivos de entidades legais estrangeiras que teriam sido usadas em transações financeiras suspeitas. Documentos e créditos em contas de banco e em cofres foram apreendidos.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo