Europa

De virtual campeão, o Brondby protagonizou a maior refugada da temporada europeia

O Brondby tinha tudo para eternizar uma das melhores temporadas de sua história. Liderou o Campeonato Dinamarquês ao longo de quase toda a campanha, vislumbrando o fim do jejum que dura desde 2005. Já em 10 de maio, esboçou a dobradinha ao conquistar a Copa da Dinamarca, taça que não vinha desde 2008. A festa que desatou depois do primeiro título no ano, entretanto, parece ter criado uma confiança excessiva sobre os auriazuis. E a liga, que estava em suas mãos, se transformou em uma grande frustração. O clube não ganhou uma partida sequer nas três rodadas a partir de então. Permitiu que o Midtjylland tomasse a ponta e, nesta segunda, ficasse com a taça. Decepção tremenda que certamente os torcedores querem apagar de sua memória.

Líder durante boa parte da temporada regular, o Brondby entrou no hexagonal final com a mesma pontuação do Midtjylland. No entanto, o momento dos auriazuis era irretocável. Foram seis vitórias consecutivas no início da fase decisiva do Campeonato Dinamarquês, que garantiram uma vantagem de cinco pontos a quatro rodadas do fim. O empate no clássico contra o Copenhague interrompeu a sequência positiva, mas quatro dias depois, os líderes da liga conquistaram a Copa da Dinamarca, em meio à erupção de sua torcida nas ruas. O problema viria depois, mesmo que a tabela parecesse bastante favorável para a dobradinha.

A derrocada começou na segunda-feira passada, com o confronto direto com o Midtjylland. Dentro de casa, se empatasse com os principais perseguidores, o Brondby manteria os três pontos de vantagem naquele momento e precisaria apenas de uma vitória em seus dois últimos compromissos para se sagrar campeão. Acabou entristecendo a sua torcida, com a derrota por 1 a 0, causada por um gol sofrido aos 38 do segundo tempo. Mas tudo bem, nada estava perdido ainda. Os sete gols de vantagem no saldo mantinham os auriazuis na liderança. E a tabela nas duas rodadas finais parecia mais fácil, pegando os dois piores times do hexagonal final, sem pretensões às competições continentais. Só parecia mais fácil.

A grande derrapada do Brondby aconteceu na penúltima rodada. Os auriazuis enfrentavam o Horsens fora de casa e abriram dois gols de vantagem no primeiro tempo. Pois tomaram um gol aos 44 da etapa final e, aos 51, o islandês Kjartan Finnbogason se transformou no grande carrasco, determinando o empate por 2 a 2. A torcida visitante, que lotou o setor principal do estádio adversário, invadiu o campo para cobrar e atacar os jogadores. No centro do gramado, o elenco inteiro se manteve abraçado. Enquanto isso, o Midtjylland vencia o Copenhague (rival ferrenho do Brondby) por 2 a 0 no Estádio Parken e tomava a liderança.

Na rodada final, nesta segunda, os auriazuis necessitavam de uma reviravolta. Teriam que vencer seu jogo e torcer ao menos por um empate dos concorrentes. Diante da torcida no Estádio Brondby, sequer sua parte fizeram, só empatando com o Aalborg. Tomaram um gol aos 45 do primeiro tempo e só foram arrancar a igualdade por 1 a 1 aos 43 da etapa final. A surpreendente comemoração foi mesmo do Midtjylland, que venceu o Horsens por 1 a 0 e terminou a campanha quatro pontos à frente.

Frustração é o que fica ao Brondby. A torcida ainda acreditou e lotou as arquibancadas nesta segunda, mas não viu o milagre. Numa temporada em que puderam desfrutar o declínio do Copenhague, apenas o quarto colocado, não puderam dar risada dos rivais. A gargalhada final é mesmo dos Leões. E os auriazuis nem possuem as preliminares da Champions como prêmio de consolação. Vão mesmo à Liga Europa, entrando na segunda fase qualificatória.

O Midtjylland, por sua vez, ri à roa. Fundado em 1999, por um empresário local, o clube se estabeleceu como uma força no Campeonato Dinamarquês ao longo da última década e conquista o seu segundo título nacional. É um clube que constrói o seu sucesso apostando principalmente em jogadores jovens, embora o elenco atual possua os seus medalhões. O capitão é Jakob Poulsen, meio-campista rodado inclusive na seleção dinamarquesa. O goleiro Jesper Hansen foi pré-convocado à Copa do Mundo de 2018. Já o nome mais famoso é o de Rafael van der Vaart, no clube desde 2016, mas que pouco jogou, diante de seus insistentes problemas físicos.

Com a conquista, o Midtjylland entrará na segunda fase preliminar da Liga dos Campeões. A história a se acompanhar na próxima temporada, de qualquer forma, será mesmo a do Brondby. O clube quebrou um jejum de 10 anos sem títulos, mas deixa uma ferida profunda em sua fanática torcida. Os auriazuis possuem um time relativamente jovem, com várias adições recentes e que pode se afirmar um pouco mais nos próximos meses. O problema estará em superar o trauma, diante dos atritos que uma derrocada nestas proporções gera. Em suas páginas oficiais, o clube agradece os torcedores e lamenta o vice, apaziguando a crítica sobre os últimos compromissos. Mas só o tempo para mostrar o real impacto da decepção destas últimas duas semanas.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo