Europa

Citando “impacto destrutivo ao futebol de clubes”, ECA se posiciona contra Copa do Mundo bienal

A entidade que representa mais de 230 clubes da Europa reclamou que a Fifa está tentando forçar as suas propostas por meio de uma campanha de RP, sem consultas adequadas

As mudanças ao calendário internacional propostas pela Fifa, em especial a realização da Copa do Mundo a cada dois anos, teriam um impacto destrutivo ao futebol de clubes, colocariam a saúde e o bem estar dos jogadores em risco, diluiriam o valor e o significado das competições de clubes e seleções e prejudicariam o futebol feminino e de categorias de base, afirmou a Associação dos Clubes Europeus (ECA, na sigla em inglês), entidade que representa mais de 230 clubes ao redor do continente.

Em comunicado publicado nesta sexta-feira, a entidade liderada pelo presidente do Paris Saint-Germain, Nasser Al-Khelaifi, alegou que as propostas apresentadas pela Fifa ao Calendário de Jogos Internacionais (IMC, na sigla em inglês) são “violações diretas e unilaterais de certas obrigações legais” e estão sendo avançadas sem uma consulta adequada – ou sem qualquer tipo de consulta mesmo.

No centro da proposta que a Fifa vem gestando sob o comando de Arsène Wenger, seu chefe de desenvolvimento global, está a realização da Copa do Mundo a cada dois anos. Haveria outras mudanças importantes ao calendário, como a redução das janelas para partidas internacionais a apenas duas por temporadas, embora mais longas. A Fifa tem realizado uma forte campanha de Relações Públicas, convocando lendas como Ronaldo Fenômeno e outros grandes nomes do futebol para defender o seu projeto.

A Uefa ameaçou boicotar a Copa do Mundo, caso ela seja realizada a cada dois anos, e a Conmebol também se posicionou contra. A principal crítica é que a frequência maior diminuiria o valor da competição e também aumentaria o risco à saúde física dos jogadores, em um calendário que já é bastante exigente.

“Os clubes de futebol sempre foram uma voz fundamental e respeitada na moldagem do futuro do Calendário de Jogos Internacionais. Eles são a pedra angular do futebol, os condutores das competições; o pólo primário e a casa do desenvolvimento dos jogadores e investimentos; o pilar dos torcedores e de suas comunidades locais”, começou.

“A ECA tem sido clara em sua posição de que mudanças são necessárias ao Calendário. Um Calendário modernizado e mais simples precisa ser encontrado, com menos janelas de partidas; mais proteção aos jogadores e à saúde; e uma abordagem equilibrada entre clube e futebol internacional. Por isso, a ECA deixou claro – em público, no privado e repetidas vezes – que está disponível para discutir com a Fifa e chegar a um acordo em relação a quais deveriam ser essas mudanças”.

“A ECA, portanto, acompanha com muita preocupação e alarme o lançamento pela Fifa de campanhas ativas de Relações Públicas e muita pretensão, aparentemente tentando forçar reformas ao Calendário, especialmente a introdução da Copa do Mundo bienal”, disse.

A ECA então cita suas principais preocupações: “Além da falta de uma consulta genuína (ou de qualquer consulta), e como muitas partes interessadas pontuaram nos últimos dias, as propostas da Fifa levariam a um impacto direto e destrutivo ao futebol de clubes, doméstico e internacional. Além disso, as propostas colocariam a saúde e o bem-estar dos jogadores em risco. Elas diluiriam o valor e o significado das competições de clube e seleções. Elas prejudicariam e entrariam em conflito com o futebol feminino e de categorias de base – por serem áreas sub-representadas do jogo, às quais a ECA e outros estão dedicando tempo, talento e recursos significativos -, subordinando outros torneios esportivos e interesses em todos os níveis mundialmente”.

A ECA deixou claro que reformas ao calendário internacional precisam acontecer mediante acordo conjuntos, “equilibrando os interesses de todos, seguindo consultas honestas e detalhadas – e não simplesmente forçadas pelos interesses da Fifa e com base em uma série de campanhas de Relações Públicas”.

“Dada a centralidade do Calendário de Jogos Internacionais ao futebol de clubes, e do futebol de clubes ao Calendário, a ECA reitera nos termos mais inequívocos possíveis que qualquer decisão em relação ao seu futuro pode ser realizada com o consensos dos clubes de futebol, com o bem-estar dos jogadores em seu coração – e mantendo as obrigações legais vinculantes que, normalmente, não precisariam ser reafirmadas”, completou.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo