Champions League

Mesmo jogando mal, o Real Madrid deu um jeito de vencer. E o Sporting, de perder

O Real Madrid, mesmo no Santiago Bernabéu, jogou mal na sua estreia da Champions League. Mas deu um jeito de vencer. O Sporting, por outro lado, fez uma grande partida nesta quarta-feira. E deu um jeito de perder. A primeira rodada do atual campeão da Champions League foi abaixo do que se esperava, mas os merengues, com gols de Cristiano Ronaldo e Morata, no final da partida, concretizaram a virada para 2 a 1, depois de saírem atrás em gol de Bruno César.

LEIA MAIS: C. Ronaldo precisou de apenas seis minutos de temporada para deixar sua marca

O Sporting passou quatro anos sem disputar a Champions League e, desde que retornou, na temporada 2014/15, não fez nada além de figuração. Nesta quarta, porém, esboçou um resultado significativo: bater o maior campeão da Europa na casa dele. E fez quase tudo direitinho, até os 44 minutos do segundo tempo.

Os portugueses de Jorge Jesus foram corajosos. Não foi um daqueles casos em que o time visitante apenas se defende. No primeiro tempo, por exemplo, quase dividiram a posse de bola com o Real Madrid e trocaram finalizações. Nos números finais, os espanhóis levaram vantagem (60% de posse e 15 finalizações a sete), mas o Sporting deu um chute certo a mais que os donos da casa.

A primeira etapa não teve grandes emoções. Em cruzamento rasteiro de Gelson, Bas Dost chegou um pouco atrasado para abrir o placar. Ronaldo tentou duas vezes, com um chute de fora da área e em cobrança de falta. Rui Patrício defendeu a primeira, e a segunda foi para fora.

Aos 3 minutos do segundo tempo, um velho conhecido dos brasileiros surpreendeu o Santiago Bernabéu. A jogada começou com um lindo drible de Adrien Silva sobre Toni Kross, ainda no campo de defesa. O Sporting foi tocando a bola até que ela sobrasse para Bruno César, na entrada da área. O canhoto, que muitas vezes vem atuando até de lateral esquerdo nos Leões, bateu com curva, no canto de Casilla.

O gol sofrido acordou o Real Madrid, que passou a pressionar o Sporting, mas o meio-campo de Zidane não estava em dia inspirado. Não faltou qualidade a Modric. Faltaram mais movimentação e agressividade para infligir danos a um time bem organizado. O que mais mudou o panorama da partida foi a entrada de Lucas Vázquez, aos 22 da etapa final. O jovem criou muito perigo pela ponta direita. Na melhor dessas chances, Carvajal completou com perigo, perto da trave.

A oportunidade mais clara, porém, foi de Cristiano Ronaldo. A bola caiu aos seus pés, a centímetros da linha de meta, e o português conseguiu acertar a trave. Sorte dele que ganhou a chance de se redimir poucos minutos depois, quando Elias cometeu uma falta boba na entrada da área. Na cobrança, o português acertou o ângulo de Rui Patrício. Não comemorou. Apenas abriu os braços e afastou os companheiros, em respeito ao clube que o revelou.

O empate já parecia um castigo para o Sporting, diante das pretensões das duas equipes e do que elas apresentaram em campo. Imagina a virada? Já nos acréscimos, James Rodríguez cruzou da esquerda para Morata, entre os zagueiros, fazer 2 a   1.

O Real Madrid não jogou bem. Conseguiu a vitória mais na base da insistência e da qualidade do seu grande craque. O Sporting, por outro lado, fez uma boa partida no Bernabéu. Mas dois vacilos nos minutos finais custaram os três pontos. O futebol consegue ser cruel.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo