Champions LeagueInglaterra

Guardiola: “Fizemos tudo que podíamos. Ficamos muito, muito perto”.

O técnico catalão admitiu que seus jogadores precisarão de um ou dois dias para se recuperar de uma derrota pesada para o Real Madrid na semifinal da Champions League

O Manchester City chegou aos 45 minutos do segundo tempo da partida de volta da semifinal da Champions League em vantagem de dois gols contra o Real Madrid no placar agregado, mas Rodrygo marcou um par de tentos em sequência e levou o jogo à prorrogação, na qual Karim Benzema sofreu e converteu um pênalti para causar mais uma frustração ao projeto europeu do atual campeão inglês.

E essa vai ser dura de assimilar, segundo o seu técnico Pep Guardiola. “Vamos precisar um ou dois dias, mas vamos nos reerguer. Temos que fazer isso. Fizemos tudo que podíamos. Ficamos muito, muito perto, mas, no fim, não conseguimos”, disse o catalão, que ficou próximo de classificar esta derrota como a pior da sua carreira na história da Champions League.

Ele também citou a semifinal de 2012 contra o Chelsea, quando era técnico do Barcelona. “Eu tive derrotas pesadas na Champions League antes. Pelo Barcelona contra o Chelsea, fizemos dois jogos excepcionais e não conseguimos chegar à final. Mas, sim, foi difícil. Não posso negar. Ficamos próximos de chegar à final da Champions League”, disse.

Na avaliação de Guardiola, o primeiro tempo do Manchester City não foi tão bom, mas o segundo foi controlado. E depois do gol, os visitantes tiveram outras chances de marcar, especialmente com Jack Grealish, e não se sentiram acuados pelo Real Madrid. “Aquele sentimento no futebol às vezes, quando você está na frente, mas chega no fim e você está sendo dominado: isso não aconteceu conosco”, afirmou.

“Nós não nos sentimos acuados. Estávamos na frente, fizemos um bom segundo tempo e tivemos mais duas boas chances, uma delas clara com Jack. Eles atacaram com cinco: quatro atacantes e Militão. Mas naquele momento não sentíamos que estávamos com problemas pela maneira como eles atacaram. E justamente no momento em que estávamos no nosso melhor, eles encontraram o gol. Então um minuto depois, encontraram outro”, disse.

O Real Madrid conseguiu recuperações parecidas nas outras fases do mata-mata desta temporada – e de outras temporadas -, mas, segundo Guardiola, isso não estava na cabeça dos jogadores do City. “Eles fizeram isso no passado, então poderia acontecer conosco. Pode ser que estava na mente deles, mas não na nossa porque não passamos por isso antes. Mas pode acontecer. Durante 180 minutos, fomos brilhantes, mas é sobre quem faz mais gols e eles fizeram um a mais do que a gente”, encerrou.

Brigando ponto a ponto com o Liverpool pelo título do Campeonato Inglês, o Manchester City volta a campo no próximo domingo, contra o Newcastle, no Etihad Stadium.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo