Europa

Atentado do Estado Islâmico causou adiamento de Galatasaray x Fenerbahçe

Um dos maiores clássicos do mundo e uma rivalidade que é das mais ferozes no mundo. É o clássico intercontinental, que tem o Galatasaray representando a porção europeia turca, enquanto o Fenerbahçe é da parte asiática. Junte tudo isso ao momento político conturbado na Turquia. Faltavam cerca de duas horas para o início do jogo quando a Federação de Futebol Turca anunciou que o jogo não aconteceria. O governo de Istambul decidiu adiar o jogo por “uma séria ameaça à segurança”, em meio a um medo de ações terroristas do Daesh, a forma como são chamados os terroristas do Estado Islâmico (ISIS, como eles preferem ser chamados).

LEIA TAMBÉM: Contra o terrorismo, torcida do Fenerbahçe propõe arquibancada mista com o Galatasaray

O ponto chave para o adiamento do jogo aconteceu no sábado. Um homem-bomba foi o responsável por um atentado na cidade de Istambul, na famosa rua comercial Istiklal. O terrorista é ligado ao Deash, segundo as autoridades. O homem-bomba foi identificado como Mehmet Ozturk, nasceu em Gaziantep, na Turquia, em 1992. Ele foi recrutado pelo Estado Islâmico para cometer o atentado. Quatro pessoas morreram e outras 36 ficaram feridas. Entre as vítimas que morreram, três eram israelenses e um era iraniano.

Foi o quarto atentado na Turquia em 2016. O país luta em duas frentes de guerra neste momento. Uma é contra o Estado Islâmico, na Síria. A outra é contra os curdos, dentro do seu território. Os dois conflitos estão ligados e gera controvérsia com a comunidade internacional.

Os quatro atentados no ano na Turquia teriam sido cometidos por integrantes do Estado Islâmico, embora nenhum deles tenha sido assumido pelo grupo terrorista. Autoridades turcas afirmaram que os ataques passaram a acontecer na Turquia porque o país passou a colaborar com a coalizão liderada pelos Estados Unidos que está atacando o Estado Islâmico na Síria.

O futebol também sofre

Neste domingo, a ideia inicial de jogar sem público era pela ameaça de bomba, mas foi decidido que não era seguro que o jogo fosse levado adiante. Segundo as autoridades turcas, a decisão foi anunciada parcialmente para prevenir que os torcedores que já estavam no estádio se amontoassem nos portões ou nos transportes de massa.

Além do clássico do futebol, uma partida de basquete também foi cancelada. O jogo entre Galatasaray Odeabank e Darussafaka Dogus, que seria neste domingo, também foi adiado. A delegação do Dogus estava em um hotel próximo ao local do atentado, no sábado, no distrito de Taksim.

Os dias estão tensos na Turquia. No dia 13 de março, a capital do país, Ankara, foi vítima de um atentado de carro-bomba, que matou 37 civis. O atentado foi assumido pelo PPK, um grupo separatista turco. O pai do atacante Umut Bolut, do Galatasaray, Kemal Bulut, foi uma das vítimas. O atacante estava nas prévias para ser escalado como titular do time no jogo deste domingo.

O Galatasaray, mandante do jogo, vive uma crise em campo. É só o quinto colocado, 24 pontos atrás do líder Besiktas, já sem brigar peço título. Vencer o Fenerbahçe seria apenas pela honra, uma forma de ganhar moral. O clube foi punido pela Uefa com o banimento por um ano fora de competições europeias que se classificar por não cumprir as exigências do Fair Play Financeiro.

Além disso, o time já tem o quinto técnico na temporada, Jan Olde Riekerink, que comandava os times de base do clube e é o treinador interino até o fim da temporada 2015/16. O Fenerbahçe, por sua vez, está em segundo lugar, quatro pontos atrás do Besiktas.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo