Europa

A Noruega ganhou um campeão inédito: o Bodo/Glimt, também prestes a pulverizar o recorde de pontos da liga

O Campeonato Norueguês consagrou um campeão inédito neste domingo. O Bodo/Glimt fez uma campanha arrasadora na Eliteserien e confirmou a conquista restando ainda cinco rodadas para o término da competição. Os aurinegros ganharam destaque há algumas semanas quando deram trabalho ao Milan nas preliminares da Liga Europa. Aquela foi só uma mostra do alto nível atingido pelo clube nos últimos tempos. O Bodo/Glimt venceu 22 das 25 partidas disputadas pela liga nacional até o momento, com uma mísera derrota. Mais impressionante, contabiliza 85 gols anotados, com uma média superior a três por partida. Dentre os times que já faturaram o título norueguês, é aquele localizado mais ao norte no mapa do país.

Fundado em 1916, o Bodo/Glimt é um clube tradicional da Noruega, situado em uma cidade de 50 mil habitantes. Apesar da história centenária, suas principais glórias na liga eram limitadas a títulos regionais e de divisões de acesso. Até a década de 1970, os times do norte do país não disputavam a elite nacional e os aurinegros foram um dos pioneiros neste sentido. Naquele período, registraram sua maior conquista até então: a Copa da Noruega, faturada pela primeira vez em 1975, em feito depois repetido em 1993. Mas ainda que mantivesse o jejum na primeira divisão, o título não era um sonho tão distante à torcida. Foram quatro vices no Campeonato Norueguês, até finalmente quebrarem o tabu nesta temporada.

Neste século, o Bodo/Glimt atravessou períodos relativamente grandes na segunda divisão, subindo e descendo entre os dois principais níveis do campeonato. A última passagem pela segundona aconteceu em 2017, com o acesso imediato após a queda. Desde então, o crescimento é paulatino. A equipe terminou no 11° lugar da Eliteserien em 2018, evitando o descenso, antes de surpreender e alcançar o vice em 2019. Apesar da distância na tabela ao campeão Molde, os sinais positivos eram evidentes a uma equipe com jovens valores. Até que o time vivesse seu grande salto em 2020, para levar a taça da liga pela primeira vez.

Por conta da pandemia, o Campeonato Norueguês só começou em junho. E o Bodo/Glimt se aproximou da conquista por seu planejamento, após o atraso no início da competição. Enquanto muitos clubes locais suspenderam os contratos de seus jogadores, temendo o impacto financeiro da quarentena, os aurinegros decidiram preservar a situação de todos os seus empregados. Além disso, o elenco seguiu treinando mesmo diante da incerteza sobre a volta do futebol. Isso permitiu que o time iniciasse a campanha em condições físicas melhores que os seus adversários e aplicasse muita intensidade dentro de campo.

O Bodo/Glimt mostrou suas credenciais ao título desde a largada, com dez vitórias nas dez primeiras rodadas. Em metade dos jogos, os aurinegros anotaram pelo menos quatro gols. Além disso, destronaram o Molde com a vitória por 3 a 1 na décima rodada, em confronto direto que valia a liderança. Depois disso, o Bodo/Glimt até empatou dois jogos no fim do primeiro turno. Ainda assim, não deixaria a ponta em nenhum momento e pegaria embalo na maratona de agosto, com uma nova série de sete vitórias.

A única derrota aconteceu na visita ao Molde, num momento em que não fazia grande diferença perder, com o Bodo/Glimt acumulando uma vantagem de 19 pontos sobre os campeões do ano anterior. Depois disso, foram mais quatro triunfos consecutivos até a confirmação do título neste final de semana. Os aurinegros aplicaram sua maior goleada na rodada anterior, com os 7 a 0 sobre o Aalesund. Já neste domingo, a façanha foi ratificada fora de casa, com os 2 a 1 sobre o Strömsgodset. São 18 pontos de diferença em relação ao Molde, atual segundo colocado.

Treinador do Bodo/Glimt, Kjetil Knutsen era o assistente e assumiu a equipe logo após o último acesso, no cargo desde janeiro de 2018. A partir de então, participou ativamente da montagem da equipe e ajudou a lapidar jovens talentos. O Bodo/Glimt possui famosas categorias de base, que costumam reunir valores de todo o norte da Noruega. Além disso, o técnico passou a aplicar um futebol agressivo, pouco imaginado a um time antes cotado ao rebaixamento. Os aurinegros costumam pressionar alto e atacar com velocidade, moldados num 4-3-3. Isso não se perdeu mesmo com a venda de jogadores importantes depois do vice em 2019, incluindo Hakon Evjen, negociado com o AZ após ser eleito a revelação da Eliteserien.

O artilheiro da equipe é o centroavante dinamarquês Kasper Junker, de 25 anos, autor de 19 gols. Ainda assim, o também dinamarquês Philip Zinckernagel tem contribuição maior ao sucesso. O ponta direita de 26 anos balançou as redes 15 vezes e ainda serviu 19 assistências. Seus números acabam superando os de Jens Petter Hauge, outro protagonista da campanha, que acabou assinando com o Milan após a boa atuação na Liga Europa. O ponta rossoneri contribuiu com 14 gols e 10 assistências antes de sair. Neste domingo em que balançou as redes pela Serie A contra o Napoli, o prodígio também foi campeão da Eliteserien.

Além do trio de ataque, vale destacar o meia Ulrik Saltnes. O camisa 14 também foi responsável pelos abastados números ofensivos, com 11 gols e 13 assistências. Mais atrás, o protagonismo fica ao volante Patrick Berg, capitão da equipe aos 22 anos e convocado à seleção norueguesa durante a Liga das Nações. Armando a equipe de trás, é parte de uma dinastia familiar de jogadores históricos do clube – na qual avô, pai e tio também vestiram a camisa da Noruega. Já na lateral direita, Alfons Sampsted costuma figurar nas listas da seleção islandesa. Todos jovens, prontos a dar saltos a ligas mais importantes em breve, como fez o próprio Hauge.

Em entrevista à Associated Press, o presidente Henning Andersen ainda credita o sucesso do Bodo/Glimt a uma mudança de mentalidade: “Tomamos ótimas decisões nos últimos três ou quatro anos. Eles decidiram deixar tudo para trás e parar de almejar um resultado como terminar entre os dez ou os três primeiros. Apenas se concentraram no desenvolvimento dos jogadores, para que se tornassem a melhor versão possível – e voltassem como uma pessoa melhor amanhã. Talvez algo tenha deixado de pesar sobre os ombros”. O clube chegou a contratar um ex-piloto de caças para trabalhar com o mental dos atletas, algo que também contribuiu à evolução do time, aumentando a autoconfiança e diminuindo o estresse.

Com 68 pontos e mais 15 em disputa, o Bodo/Glimt fica só a quatro de quebrar o recorde histórico do Campeonato Norueguês, estabelecido pelo Molde em 2014. E o interessante será observar não apenas uma possível hegemonia dos aurinegros, depois de tamanha imposição, mas também o desempenho do clube quando voltar ao cenário continental em 2021/22. Vender os destaques não deve ser problema, à medida que o Bodo espera atrair novos talentos com as boas perspectivas e com sua capacidade de desenvolver jovens. O clube terá a chance de estrear na Champions League. Pela maneira como se portou diante do Milan, pode muito bem deslanchar na Rota dos Campeões, mirando uma aparição na fase de grupos – repetindo o que apenas Rosenborg e Molde conseguiram na história do futebol norueguês.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo