Espanha

Tribunal anula acusação contra o Barcelona por suposto suborno a ex-árbitro

Conhecido como 'Caso Landeira', caso foi revogado pelo tribunal local; Barcelona se manifesta mostrando satisfação com a decisão

O ambiente do Barcelona está longe de ser considerado calmo. Em meio a um processo de troca de técnico após a saída de Xavi, o clube está cercado de dívidas, e precisa se adequar ao fair play financeiro da La Liga para se reforçar para a nova temporada se quiser brigar por títulos.

Mas nesta sexta-feira (24), ao menos uma notícia deu alívio para ao clube. O Tribunal da cidade de Barcelona revogou a decisão de um juiz local, que acusava o Barça de fazer pagamentos ilegais ao ex-vice-presidente da Comissão Técnica de Árbitros, José María Enríquez Negreira.

Conhecido popularmente na Espanha como ‘Caso Negreira’, em que o ex-árbitro teria recebido propina entre 2018 e 2018 do Barcelona, o imbróglio foi anulado após o Tribunal de Barcelona concordar com a Procuradoria Anticorrupção e com os argumentos dos advogados de defesa do próprio clube e dos outros acusados. Anteriormente, a Promotoria Anticorrupção já havia se oposto à abertura do inquérito contra o clube por subornos realizados a Negreira. O argumento era de que não se tratavam de funcionários públicos.

Clube mostra satisfação com anulação

Pouco depois da decisão, divulgada em um despacho ao qual a agência EFE teve acesso, o Barcelona se emitiu um comunicado mostrando alívio com a decisão, dizendo esperar que a instituição tenha sua inocência ressaltada após as acusações antes realizadas.

– O Futbol Club Barcelona manifesta-se satisfeito com o sentido da resolução hoje emitida pelo Tribunal de Barcelona na medida em que confirma a abordagem defendida pelo Clube e descarta a hipótese do alegado crime de suborno. Os fatos objeto da denúncia poderão ser definitivamente esclarecidos e a absoluta inocência do Clube poderá ser comprovada.

O que foi o ‘Caso Negreira’?

A investigação foi iniciada pelo Ministério Público da Espanha após um aviso da Agência Tributária do país, em maio de 2022, por irregularidades no Imposto de Renda de Negreira. Em resumo, o ex-árbitro caiu na “malha fina” espanhola após um pagamento superior a 1 milhão de euros (aproximadamente R$ 7 milhões na cotação atual) aparecer em um período de três anos sem uma origem convincente.

Com o tempo, o MP encontrou a procedência e descobriu outros 7,6 milhões de euros (R$ 40 milhões), no período entre 2001 e 2018. Por fim, veio a coincidência que encaixou todas as peças do quebra-cabeça: Negreira deixou de receber pagamentos do Barcelona ao mesmo tempo que deixou o cargo no Comitê de Arbitragem.

Foi então que a investigação alcançou o clube catalão. Os pagamentos começaram durante a presidência de Joan Gaspart, que durou de 2000 a 2003, e foram sendo mantidos ano após ano com Laporta, Rosell e Bartomeu. No momento, apenas os dois últimos são acusados, já que os atos cometidos sob a presidência de Gaspart e Laporta já teriam caducado.

Segundo a investigação, já está provado que o Barça enviou cerca de 7,2 milhões de euros a Negreira ao seu filho, Javier Enríquez, através de empresas familiares, ao longo de 17 anos. No entanto, Joan Laporta chegou a dar explicações, dizendo que ‘Barcelona não cometeu nenhum crime’ e que ‘não é um crime de corrupção esportiva’. Como o Tribunal não aceitou o pedido, nem o clube e nem Laporta, presidente do Barcelona, serão acusados de suborno.

Foto de Vanderson Pimentel

Vanderson Pimentel

Jornalista formado em 2013, e apaixonado por futebol desde a infância. Em redações, também passou por Estadão e UOL.
Botão Voltar ao topo