La Liga

Mais um catalão no Espanhol: Girona jogará La Liga pela primeira vez em 87 anos de história

Uma espera de muitos anos acabou. O Girona está na primeira divisão da Espanha pela primeira vez na sua longa história. Prestes a completar 87 anos, o clube da Catalunha garantiu o acesso neste domingo com um empate por 0 a 0 com o Zaragoza, que se beneficiou do resultado se salvando do rebaixamento. Será o oitavo time da região a jogar a primeira divisão da Espanha. E olha que esta promoção parecia amaldiçoada. Depois de bater na trave em três das últimas quatro temporadas, finalmente o Girona chega em La Liga.

LEIA TAMBÉM: O espírito do Calderón: não morreu um estádio, nasceu uma lenda

O Girona está na segunda divisão desde a temporada 2008/09. Naquele ano, ficou em 16º, escapando do rebaixamento. Em 2012/13, terminou a temporada regular em quarto lugar e foi para os playoffs. Passou pelo Alcorcón e na decisão do acesso com o Almería, foi atropelado: duas derrotas, 1 a 0 em casa, 4 a 0 fora. Ficou no quase.

Na temporada seguinte, 2013/14, o time foi mal e ficou em 16º, perto do rebaixamento. Mas voltou à carga em 2014/15, ficando em terceiro lugar. No playoff, caiu diante do Zaragoza em uma dramática eliminatória: ganhou por 3 a 0 a ida, fora de casa. Mas perdeu por 4 a 1 em casa e foi eliminado nos gols fora. Mais uma frustração.

A temporada 2015/16 trouxe uma nova oportunidade. Mais uma vez, o time ficou em quarto na tabela da temporada. Passou pelo Córdoba na primeira eliminatória e enfrentou o Osasuna. Acabou derrotado nos dois jogos. O time não subiu, mais uma vez.

Há dias, porém, que parece que há uma redenção. Este dia chegou. O dia 4 de junho de 2017 marca o dia que a maldição acabou. Já que a maldição são os playoffs, então o time conseguiu dar um passo adiante. O Girona fez uma campanha irrepreensível. Assumiu a segunda posição na tabela na 15ª rodada. Não perdeu mais. Termina a temporada com 70 pontos em 41 jogos disputados.

O clube tem sete mil sócios e viu a torcida comparecer nos últimos 10 jogos da campanha. O estádio passou a ter um pouco mais de público. O jogo do acesso teve 9.082, ainda menos que os 9.286 lugares do Estádio Motivili. Será o oitavo clube da Catalunha a jogar a primeira divisão da Espanha. Além do Barcelona, clube que jamais foi rebaixado, o Espanyol é uma presença constante, ficando fora da primeira divisão apenas quatro temporadas. os outros que passaram pela primeira divisão foram Sabadell, CE Europa, Gimnàstic de Tarragona, Lleida e Condal.

Girona fica a cerca de 100 quilômetros de Barcelona e tem como seu principal acionista a TVSE, uma empresa francesa. Há rumores que o Mediapro, grupo de mídia espanhol que é de Barcelona, é quem está por trás do clube. É dono, por exemplo, do canal beIN Sports, que transmite muitos torneios de futebol, como o Campeonato Brasileiro, por exemplo.

Há também uma boa relação com o Manchester City. O clube espanhol é usado como uma espécie de satélite da equipe do técnico Pep Guardiola. Dois dos cinco jogadores que atuaram emprestados nesta temporada são do City: Pablo Maffeo e Pablo Mari. Outros emprestados são Samuele Longo, da Internazionale, Cifu, do Málaga, e Juan Cámara, do Barcelona. Longo, aliás, foi o artilheiro do time na campanha, com 14 gols. “Falo com Txiki [Begiristian] quase todas as semanas. É muito importante contar com o City. É um clube muito grande”, afirmou Quique Cárcel, diretor esportivo do Girona.

A grande campanha não terá este último capítulo como uma página de glória. O 0 a 0 foi horroroso, com um chute que acertou o gol e um escanteio que nem teve tanto perigo. O empate era bom para os dois e se sabia disso antes do jogo. Algumas casas de apostas chegaram a tirar este jogo dos seus quadros, pela alta probabilidade de um empate. O que importa para o clube é que os comandados do técnico Pablo Machín estarão em La Liga. A torcida, muito feliz, entrou em campo para comemorar o acesso. Abaixo você também assista à festa dos jogadores do Girona no vestiário.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo