Copa do Rei

Tenerife domina reservas do Las Palmas, vence Dérbi Canário com autoridade e se classifica para as oitavas da Copa do Rei

Em clássico das Ilhas Canárias pela Copa do Rei, Tenerife foi amplamente superior aos reservas do Las Palmas e venceu por 2 a 0, garantindo vaga nas oitavas de final

Depois de 27 anos, os rivais das Ilhas Canárias voltaram a se encontrar pela Copa do Rei. Mas só uma das equipes encarou o clássico, válido pela terceira fase, com a importância devida. Jogando em casa, no Estádio Heliodoro Rodriguez Lopez, o Tenerife foi amplamente superior e venceu por 2 a 0 o Las Palmas, que iniciou a partida com somente dois titulares

Em forte início de jogo, Amo e Luismi Cruz marcaram os gols da vitória, que garantiram a classificação do Tenerife para as oitavas de final. No segundo tempo, o próprio Amo, dos Azulillos, e Julián Araújo, do Las Palmas, foram expulsos.

No ritmo de Luismi Cruz, Tenerife amassa Las Palmas e abre 2 a 0 com apenas 20 minutos

Empurrado por sua torcida, o Tenerife começou o jogo amassando o Las Palmas. Com menos de 10 segundos, Ángel pressionou a saída de bola. Aarón chutou em cima do camisa 9 blanquiazul, e acompanhou a bola saindo perigosamente à direita do gol. Aos três minutos, Luismi Cruz fez a primeira de várias jogadas que incomodaram o Las Palmas. O camisa 27, que está emprestado pelo Sevilla, cruzou da direita, e López cabeceou para grande defesa de Aarón, que mandou para escanteio. Na cobrança ensaiada, Nacho cruzou rasteiro para Luismi Cruz, que chegou batendo cruzado, de canhota. Amo infiltrou e mandou para o fundo do gol.

Aos seis minutos, a partida foi paralisada rapidamente para atendimento de um torcedor que passava mal. Quando o jogo foi restabelecido, o Tenerife deu sequência ao seu domínio regido por Luismi Cruz, que não sentia a pressão do clássico, dando até toque de letra. Aos 14, ele fez fila e rolou para López que, em posição de impedimento, marcou o gol, anulado pela arbitragem. Aos 20, os Azulillos chegaram mais uma vez com facilidade na área rival. Após chute cruzado de López, Luismi Cruz apareceu sozinho na segunda trave para mandar para as redes e ampliar.

Primeira finalização do Las Palmas acontece só nos acréscimos do primeiro tempo

Parecia que só um time tinha entendido o significado do clássico. Mais do que isso, os papéis aparentavam estarem invertidos, com o Tenerife jogando futebol de primeira divisão, e o Las Palmas de segunda. O placar quase virou goleada ainda no primeiro tempo, e não seria injustiça, tamanha a superioridade dos Blanquiazules. Aos 31, Luismi Cruz arrancou e a bola sobrou para López, que, como de praxe, chegou batendo. O chute desviado passou com perigo, à direita do gol de Aarón.

Mesmo que tivesse mais posse de bola — 69% a 31% no primeiro tempo —, o Las Palmas não conseguia chegar com contundência no campo de ataque e levar perigo ao gol do Tenerife. A primeira finalização dos Amarillos saiu só nos acréscimos, aos 47 minutos. Sory Kaba abriu na direita para Pejiño, que bateu rasteiro, no canto direito de Nadal, que caiu para encaixar.

Las Palmas melhora um pouco com Benito, mas apresenta dificuldade para reagir

Na volta do intervalo, García Pimenta promoveu a primeira troca do Las Palmas, com a saída do estreante Bassinga, de 18 anos, para a entrada de Benito. O camisa deu mais agressividade pelo lado esquerdo aos Amarillos, que melhoraram levemente na partida. Aos cinco minutos, o capitão Mfulu pegou sobra na intermediária e arriscou em bola que passou alta, à esquerda do gol.

À medida que precisava se arriscar mais para buscar a reação, o Las Palmas seguia dando espaço para os contra-ataques. Aos nove, Angel ganhou forte disputa, de carrinho, com Herzog, e cruzou rasteiro para a área. Nacho apareceu como elemento surpresa e chegou batendo, mas isolou. Cinco minutos depois, o lateral esquerdo do Tenerife cometeu falta forte e recebeu cartão amarelo. Benito cobrou bem, em bola que passou muito perto do ângulo esquerdo de Nadal.

Duas expulsões: uma para cada lado

Aos 17, o Tenerife perdeu Amo, autor do primeiro gol, expulso. Em disputa aérea, o zagueiro ergueu demais o braço e recebeu o cartão amarelo. O episódio obrigou o técnico Asier Garitano a recompor o sistema defensivo, quatro minutos depois, com a entrada de Sergio Glez no lugar de Luismi Cruz, nome do jogo.

A posse de bola, que já era dominada pelo Las Palmas, ficou quase totalmente no controle dos visitantes. Mas os Amarillos tinham dificuldade para furar as duas linhas de quatro do Tenerife. Aos 27, Pejiño trouxe da direita para dentro e chutou. Mas o chute saiu torto, à esquerda do gol de Nadal. Dois minutos depois, a igualdade numérica voltou foi retomada após expulsão infantil de Julián Araújo. O lateral mexicano, que está emprestado pelo Barcelona, invadiu a grande área pela direita e pediu pênalti após Aitor Sanz travá-lo na bola. Nacho foi tirar satisfação e provocou Araújo, que deu uma cabeçada no lateral do Tenerife e recebeu o segundo cartão amarelo.

Um dos jogadores que entraram no Las Palmas, Kirian arriscou chute colocado, de fora da área, aos 31. A bola passou com perigo, à esquerda do gol. Mas a criação dos Amarillos não foi muito além disso. Com muita entrega e apoio da torcida, que vibrava a cada bola afastada, o Tenerife sustentou bem o resultado. No final, em contra-ataque, os Azulillos quase marcaram o terceiro, mas Aarón fez espetacular em chute colocado, no ângulo, de Enric Gallego.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho. Formado em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Antes de escrever pela Trivela, esteve na Rádio Grenal e na RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo