Eliminatórias da Copa

Jogo de empurra: CBF diz que ‘organização cuidadosa e estratégica’ no Maracanã foi feita ’em conjunto’ com o Poder Público

Torcedores e jogadores da Argentina repudiam violência no Maracanã e atacam a CBF e polícia após o jogo

A noite de 21 de novembro de 2023 está marcada negativamente na história do futebol internacional. As cenas lamentáveis de violência registrada nas arquibancadas do setor sul do Maracanã escancararam a falta de competência da CBF em organizar o espetáculo entre Brasil e Argentina, jogo válido pela 6ª rodada das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2026, de maneira eficiente e ocasionou, além da briga entre argentinos e policiais, um atraso de quase 20 minutos no clássico vencido pela Albiceleste pelo placar de 1 x 0.

Horas depois da confusão, ainda na madrugada desta quarta-feira (22), a entidade máxima do futebol brasileiro emitiu uma nota oficial prestando esclarecimentos sobre os fatos ocorridos no Maracanã.

No texto, a CBF tenta dividir responsabilidades, afirmando que o planejamento da partida foi realizado de forma cuidadosa e estratégica pela entidade, em conjunto com outros órgãos competentes, principalmente a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. A nota ainda afirma que toda a estratégia em torno do plano de ação e de segurança da partida foi debatida com as autoridades públicas cariocas em reuniões realizadas entre as partes.

O documento ainda declara que as repartições responsáveis por garantir a segurança de todos dentro do Maracanã (Polícia Militar RJ, SEPOL, Ministério Público, Juizado do Torcedor, Guarda Municipal, CET-RIO, Subprefeitura, Concessionária Maracanã, SEOP, etc.), aprovaram os planos de ação e segurança sem nenhuma ressalva. Um dia antes da realização da partida, na segunda-feira (20), o mesmo plano operacional para o jogo foi igualmente aprovado em reunião realizada no próprio estádio, com a presença da CBF, representantes da Conmebol, da Polícia Militar e das empresas que trabalham na operação do Maracanã

O que aconteceu no Maracanã antes de Brasil x Argentina?

Antes mesmo da bola rolar, uma vergonhosa confusão ocorreu no setor sul do estádio. Ao fim da execução do hino nacional brasileiro, foi possível observar uma movimentação anormal. Os torcedores da Argentina estavam furiosos com a superlotação do setor, o que ocasionou depredação do local. Há também a versão de que eles se irritaram com vaias ao hino argentino. Encostos de cadeiras foram atiradas contra os brasileiros, e uma confusão generalizada entre torcedores e Polícia Militar tomou conta da arquibancada.

Os policiais chegaram ao local momentos depois do início da confusão, já que em um primeiro momento, os torcedores da Argentina entraram em forte confronto com a equipe de segurança do Maracanã, os chamados ‘stewards'. A PM subiu às arquibancadas para tentar reprimir as agressões e possibilitar o início da partida. Como alguns familiares de jogadores da Albiceleste estavam no mesmo setor onde se iniciou a briga, os próprios jogadores argentinos, temendo pelo pior, se direcionaram ao local para tentar apaziguar a confusão.

O cenário de guerra observado nas arquibancadas fez com que os jogadores da Argentina se direcionassem aos vestiários. Puxados por Messi, que foi flagrado fazendo gestos de que poderia não jogar por conta dos fatos ocorridos, os atletas ficaram alguns minutos nos vestiários e chegaram a tirar seus pertences do banco de reservas até tomar uma decisão definitiva em relação à partida. A comissão técnica e jogadores do Brasil permaneceram no gramado.

Após oito minutos, a seleção da Argentina voltou ao campo e cerca de 30 minutos após o horário previsto para começar o jogo, finalmente a partida começou. O caso envolvendo os torcedores nas arquibancadas foi parar no Juizado Especial Criminal (Jecrim), com sete torcedores autuados e detidos de forma temporária. Após uma transação penal, os argentinos foram soltos. Cada indivíduo punido teve de pagar uma quantia de R$200, em multa que será revertida em benefícios para a Pró Criança Cardíaca, instituição filantrópica localizada em Botafogo.

Dentro das quatro linhas, o Brasil voltou a decepcionar seu torcedor e conheceu sua primeira derrota nas Eliminatórias para a Copa do Mundo na história. No segundo tempo, aos 18 minutos, Otamendi aproveitou cruzamento na área de Lo Celso, para subir mais do que toda a defesa Canarinho e marcar o único gol do jogo.

Leia na íntegra a nota publicada pela CBF

A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL vem prestar os seguintes esclarecimentos sobre os incidentes ocorridos no jogo Brasil x Argentina, realizado nesta terça-feira 21/11/2023, no Maracanã, válido pelas Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA 2023.

É importante esclarecer que a organização e planejamento da partida foi realizada de forma cuidadosa e estratégica pela CBF, em conjunto e em constante diálogo com todos os órgãos públicos competentes, especialmente a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro.

Todo o planejamento do jogo, em especial o plano de ação e o de segurança, foram sim debatidos com as autoridades públicas do Rio de Janeiro em reuniões realizadas entre as partes.

Os planos de ação e segurança foram aprovados sem qualquer ressalva ou recomendação pelas autoridades de segurança pública presentes (Polícia Militar RJ, SEPOL, Ministério Público, Juizado do Torcedor, Guarda Municipal, CET-RIO, Subprefeitura, Concessionária Maracanã, SEOP, etc.), dentre as quais a Polícia Militar do RJ, na primeira reunião realizada na sede da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), no dia 16 de novembro de 2023, às 11:00h. Além dos planos de ação e segurança, os participantes da reunião trataram também de toda a montagem da operação da partida, contando com a participação de todas as partes diretamente envolvidas e responsáveis pela organização da partida e autoridades públicas.

Na segunda (20), o plano operacional para o jogo foi igualmente aprovado sem qualquer ressalva ou recomendação na reunião realizada no Estádio Maracanã, com a presença da CBF, representantes da CONMEBOL, da Polícia Militar RJ, das empresas responsáveis pela operação do Maracanã, e que operam mais de 70 jogos no estádio por ano, e outras autoridades públicas.

A realização da partida com torcida mista sempre foi de ciência da Polícia Militar do RJ e das demais autoridades públicas, pois é o padrão em competições organizadas pela FIFA e CONMEBOL, como ocorre nas Eliminatórias da Copa do Mundo, na própria Copa do Mundo, Copa América e outras competições. Outros jogos entre Brasil e Argentina, até de maior apelo, como a semifinal da Copa América de 2019, também foram disputados com torcida mista. Não se trata de um modelo inventado ou imposto pela CBF.

Ou seja, todo o plano de ação e segurança foi elaborado e dimensionado já considerando classificação do jogo como vermelha e com a presença de torcida mista, tanto que atuaram na segurança da partida 1050 vigilantes privados e mais de 700 policiais militares da Polícia Militar RJ.

Portanto, a CBF reafirma que foram cumpridos rigorosamente o plano de ação, de segurança e operação da partida, tal qual foram aprovados pela Polícia Militar RJ e demais autoridades.

Por fim, a única recomendação recebida pela CBF de qualquer autoridade pública ao longo de todo o período que antecedeu a partida entre Brasil e Argentina, foi uma recomendação do Ministério Público, da 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Ordem Urbanística da Capital, para que “NÃO realizem partidas de futebol no ano de 2023 com o formato de disponibilização da carga total de ingressos através de um tíquete eletrônico apresentado mediante exibição do aparelho de telefonia celular, tal como ocorrido na partida da final da Copa Libertadores no dia 04 de novembro de 2023” e que “Exijam no ano de 2023 dos torcedores que se aproximem das catracas a exibição de evidência física (tíquete de papel e/ou cartão de sócio torcedores) de que o torcedor possui um tíquete de ingresso para se aproximar das catracas do Estádio Mário Filho – Maracanã, de modo a evitar a invasão de torcedores que não possuam ingressos para assistir à partida.”

 

 

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Existe um ditado que diz que o bom filho a casa retorna não é? Pois bem, sou Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia, de volta ao site após quatro anos, e agora redator do Trivela, um dos maiores portais de futebol do Brasil. Sou jornalista, especializado em Marketing digital e narrador do Portal Futebol Interior e também da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo