Copa do Mundo

Conmebol surpreende e anuncia jogos da Copa do Mundo 2030 na América do Sul

Depois, competição seguirá para Portugal, Espanha e Marrocos, as demais sedes já confirmadas da edição que homenageará os 100 anos da Copa do Mundo

A Copa do Mundo de 2030 será disputado em três continentes diferentes. Em entrevista coletiva concedida na manhã desta quarta-feira (4), o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, revelou que o Mundial de 2030, edição que vai comemorar os 100 anos da primeira edição da competição, ocorrido em 1930, será iniciado na América do Sul, com três países diferentes, e três partidas de abertura. Os jogos de abertura acontecerão no Uruguai, Argentina e Paraguai.

O presidente da entidade máxima do futebol Sul-Americano publicou em seu Twitter mais cedo enfatizando sobre a alegria de ter alcançado o objetivo de levar a abertura da Copa do Mundo de 2030 para a América do Sul, afirmando que o jogo de abertura vai acontecer no Uruguai, e as outras duas sedes dos jogos iniciais do Mundial serão definidas pela FIFA em breve.

De forma inédita, o próximo Mundial de Seleções terá mais de um jogo de abertura, e depois seguirá seu curso para a Europa, com Portugal e Espanha como países sede, e também o Marrocos. Para Alejandro Domínguez, esta será a maior representação de que o futebol é um esporte de todos, com  o maior evento da modalidade sendo realizada em mais de um continente pela primeira vez na história.

 A Copa do Mundo do Centenário, 100 anos depois da primeira, não poderia ficar longe da América do Sul, onde tudo começou. A Copa do Mundo de 2030 será disputada em três continentes – declarou o dirigente máximo do futebol na América do Sul.

Anteriormente, a Conmebol e a Uefa estavam de lados opostos na tentativa de organizar a edição de 2030 da Copa do Mundo, com Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile do lado Sul-Americano, e Portugal, Espanha e Marrocos liderando a candidatura pelo lado europeu. Nos últimos anos, as principais confederações da América do Sul e da Europa se uniram na organização de alguns torneios, como o Intercontinental Sub-20, e a Finalíssima, e aproveitaram o ensejo para estender a quantidade de países-sede de uma Copa do Mundo

Alejandro Domínguez se ateve em dizer que estava muito feliz com a decisão de trazer a Copa do Mundo de 2030 para a América do Sul, e algumas dúvidas sobre a organização do evento ainda não foram respondidas neste momento. Um dos principais questionamentos dos jornalistas presentes era se os seis países que sediarão o Mundial já estariam classificados automaticamente para a Copa do Mundo de 2030, o que não foi confirmado pelo dirigente, mas respondido por Ignacio Alonso, membro do Conselho da FIFA.

Por enquanto, o que está definido é que o Mundial de 2030 será disputado por 48 seleções, assim como em 2026, e que Argentina, Uruguai e Paraguai serão os responsáveis por sediar os três primeiros jogos da 100ª edição da Copa do Mundo.

Por que o Chile não está no grupo dos países-sede para o Mundial de 2030?

Questionado sobre a ausência do Chile no grupo dos países da América do Sul para sediar a Copa do Mundo de 2030, Alejandro Domínguez afirmou que, anteriormente, somente Argentina e Uruguai seriam os países do continente a se candidatar para o Mundial.

Com a ampliação no número de seleções participantes da competição de 32 para 48, entendeu-se a necessidade de aumentar um país na quantidade de sedes, e que por uma questão de logística, o Paraguai seria um local mais adequado para receber os jogos.

– A ideia inicial era ter apenas dois países, Argentina e Uruguai, depois nós agregamos o Paraguai e mais tarde o Chile. A decisão da Fifa, não da Conmebol, foi fazer em três países. Mas vamos trabalhar para que de alguma maneira o Chile seja contemplado, afirmou Alejandro Domínguez

Os países que sediarão a Copa do Mundo de 2030, estão garantidos na 100ª edição do Mundial?

Portugal, Espanha, Marrocos, Paraguai, Argentina e Uruguai já estão classificados para a Copa do Mundo de 2030. A 100ª edição da competição terá 104 partidas, e 48 seleções, assim como o Mundial de 2026, que pela primeira vez terá este contingente de equipes. A ideia da FIFA é democratizar o futebol e possibilitar que cada vez mais nações possam participar do maior campeonato de futebol do mundo.

Além da definição das sedes da Copa do Mundo de 2030, a reunião desta quarta-feira serviu para definir que o Mundial de 2034 será disputado na Ásia e na Oceania. Na última vez que o continente asiático recebeu o Mundial, há 21 anos, em 2002, Coreia do Sul e Japão sediaram os jogos de forma inédita. Foi também a primeira vez que dois países sediaram um Mundial de seleções.

Com a escolha das sedes, a Copa do Mundo vai voltar ao seu ponto de origem, já que a primeira edição da competição foi realizada há 100 anos no Uruguai, sede do jogo de abertura em 2030. Além disso, será a primeira vez que o Paraguai vai receber os jogos da competição, e a 2ª vez da Argentina como país-sede. Em 1978, os argentinos receberam os jogos do Mundial pela 1ª vez, e levantaram o caneco ao bater a Holanda na final por 3 x 1.

A última vez em que a competição foi sediada no continente Sul-Americano foi em 2014, no Brasil, com a Alemanha sendo campeã, ao derrotar a Argentina na decisão pelo placar de 1 x 0.

No continente africano, o Marrocos vai de forma inédita sediar parte da Copa do Mundo, e o continente receberá os jogos pela 2ª vez na história. Em 2010, a África do Sul foi a nação representante, na edição que terminou com a Espanha como campeã mundial de forma inédita.

Quais países poderão sediar a Copa do Mundo de 2034?

Com o advento do futebol árabe, que investiu pesado na contratação de vários craques, entre eles, Sadio Mané, Cristiano Ronaldo e Neymar, um dos fortes candidatos a sediar o Mundial de 2034 é a Arábia Saudita. Outros dois países que aparecem como possíveis candidatos é a Austrália e a Nova Zelândia, que juntos, foram responsáveis por abrigar a Copa do Mundo Feminina deste ano, vencida pela Espanha.

 

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Esse é Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia e da Trivela. Jornalista especializado em Marketing digital é também narrador do Portal Futebol Interior e da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo