Concacaf

Problemas com visto e testagem para Covid-19 tiraram Cuba da Copa Ouro, diz Concacaf

Cuba não conseguiu vistos para entrar nos Estados Unidos a tempo de enfrentar a Guiana Francesa na fase preliminar da competição no último sábado

Problemas com visto e testes para Covid-19 impediram a participação da seleção cubana na preliminar da Copa Ouro contra a Guiana Francesa no último sábado, afirmou a Concacaf em uma nota oficial, enquanto Cuba dá mais peso à demora do governo norte-americano para emitir os vistos necessários para que a delegação entrasse no país. Cuba levou WO e está fora do torneio.

A Concacaf organizou uma fase classificatória da Copa Ouro em Fort Lauderdale, na Flórida, com 12 seleções divididas em três chaves. O vencedor de cada quadrangular, com semifinais e finais, terminará de compor os quatro grupos da competição. Cuba deveria ter enfrentado a Guiana Francesa no último sábado, mas não conseguiu deixar a Nicarágua, onde havia passado a semana treinando.

Mesmo sob o embargo imposto pelos Estados Unidos há 59 anos, Cuba disputou nove edições da Copa Ouro em solo norte-americano. “Infelizmente, devido a desafios de viagem e visto relacionados à Covid-19, e o regime exigido de testagem, a partida de Cuba contra Guiana Francesa não acontecerá. Dada a atual situação de saúde pública e a necessidade corrente para que os protocolos sejam seguidos, a saúde e a segurança dos times participantes não podem ser comprometida”, afirmou a Concacaf em uma nota oficial.

Não entrou em detalhes sobre quais foram esses “desafios”. Pelo Twitter, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, afirmou que os Estados Unidos não têm como justificar a demora da emissão dos vistos ao time cubano, “que se preparava para participar da Copa Ouro e havia tramitado o pedido com antecedência em um terceiro país”. “O bloqueio fere o povo cubano, a Concacaf e frustra os sonhos esportivos”, escreveu.

Havia expectativa em torno da campanha de Cuba, que na era Copa Ouro nunca passou das quartas de final, porque pela primeira vez o país passou a convocar jogadores que atuam no exterior para a campanha das Eliminatórias da Copa do Mundo, em março. Entre eles, o ponta Onel Hernández, do Norwich, da Premier League, que já marcou duas vezes contra Curaçau e Ilhas Virgens Britânicas.

“Dia triste para o futebol cubano. Nunca vi meus companheiros choraram daquele jeito. Eles sacrificaram tanto”, escreveu Hernández no Twitter, ainda no sábado. “Treinamos o mês inteiro nos preparando para a Copa Ouro nos Estados Unidos. O jogo é hoje, às 19h, e ainda estamos no hotel na Nicarágua esperando o visto para alguns jogadores. Como é possível que todos nossos competidores estão lá e nós não estamos Concacaf?”.

Com a exclusão de Cuba, a Guiana Francesa avançou para enfrentar Trinidad e Tobago, que goleou Montserrat por 6 a 1 na fase anterior, por vaga na fase de grupos.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo