Concacaf

Jamaica e seu melhor jogador entram em conflito; entenda motivos

Leon Bailey, do Aston Villa, revelou problemas de relacionamento com a Federação Jamaicana de Futebol

Astro da seleção jamaicana e do Aston Villa, o ponteiro Leon Bailey não esteve em campo na derrota de seu país para os Estados Unidos pelo placar de 3 a 1 na semifinal da Liga das Nações da Concacaf. O motivo? O jogador teria se ausentado do hotel onde a equipe estava concentrada antes das quartas de final contra o Canadá.  Como ficou fora do local após o horário estipulado pela comissão técnica da seleção da Jamaica juntamente com o atacante Trivante Stewart, ficou de fora da última convocação de seu país e acompanhou de longe a derrota sofrida para os norte-americanos.

A ausência do melhor jogador da Jamaica foi criticada por torcedores, mas o técnico da seleção, Heimir Hallgrimson foi assertivo ao dizer que existe um acordo entre a comissão técnica e os jogadores para que não se saia da concentração após as 22h, o que não foi cumprido por parte do atacante que atua na Premier League e que nesta temporada marcou 12 gols e deu 11 assistências em 40 jogos. Pela seleção da Jamaica, Bailey tem 28 jogos disputados e fez cinco gols.

— Temos muitos acordos entre o staff, os treinadores e os jogadores, mas temos apenas uma regra: não sair do hotel depois das 22h. Esses jogadores (Bailey e Stewart) nem dormiram no hotel — afirmou o treinador da Jamaica.

Como ficou fora da convocação para o jogo diante dos Estados Unidos, Hallgrimson afirmou que vai chamar Bailey novamente na próxima Data Fifa. A Jamaica encara a seleção do Panamá na disputa do terceiro lugar da Liga das Nações da CONCACAF neste domingo (24), às 19h (horário de Brasília).

Bailey alega falta de profissionalismo e de estrutura

Um dia antes da semifinal contra os Estados Unidos, Bailey concedeu entrevista no podcast Let's Be Honest e criticou duramente a Federação Jamaicana de Futebol, alegando falta de profissionalismo por parte dos seus dirigentes. O jogador do Aston Villa afirmou que reserva um vôo particular para chegar à seleção e que nunca foi ressarcido pela entidade que rege o futebol no país.

— A Federação Jamaicana (JFF) é pouco profissional. Eles me enviam os detalhes do meu voo às 23h para viajar no dia seguinte. Muitas vezes, eu reservo meu voo, mas a seleção não me paga. Não me lembro da última vez que recebi um dólar da seleção — revelou o jogador.

Bailey foi forte em suas declarações, afirmando que a falta de estrutura da entidade que rege o futebol no país é tanta que em alguns casos os jogadores não tem uniforme para treinar, utilizando até camisas femininas durante o período de preparação dos jogos. O ponta do Aston Villa ainda reitera que está exposto a lesões jogando pela seleção e isso pode ser prejudicial a sua carreira no futebol inglês.

— Você aparece e não tem nem equipamento para você. Não tem camisa. Eles nos dizem para encontrar nossos próprios shorts. Às vezes, eles nos fornecem camisas femininas. Não peço dinheiro. Eu só peço um voo adequado e um quarto sozinho, e não consigo isso. Para que estou aqui? Estou exposto a lesões — reclama Bailey.

“Seleção da Jamaica não está fazendo nada por mim”, diz Bailey

Durante a entrevista, o jogador do Aston Villa se mostrou muito mais interessado em manter o foco de sua carreira atuando na Inglaterra do que propriamente jogar pela sua seleção, seja pela falta de estrutura apresentada, ou pela dificuldade de operação durante o período de alojamento da equipe principal do país. O jogador ainda reitera que jogar pela Jamaica não dá a ele a exposição necessária e que jogar no exterior é mais importante, pois é a maneira como ele pode expor positivamente sua nação

— A seleção da Jamaica não está fazendo nada por mim. Eles não podem me dar exposição. Jogar por eles não vai fazer o Real Madrid me chamar. Estou jogando no exterior e representando meu país. Em todos os lugares do mundo, as pessoas conhecem Leon Bailey — afirmou o jogador, que ainda complementa:

— Nunca expressei essas preocupações, porque tento me relacionar com todos. Eu não sou essa pessoa. Quero que a equipe vá bem, então não posso fazer parecer que sou melhor do que ninguém — diz Bailey.

Federação Jamaicana de Futebol rebate críticas

As falas de Bailey sobre a falta de estrutura da JFF foi rebatida pela entidade, descrevendo as falas do jogador como “imprecisas e contraditórias”. Segundo informações da Federação Jamaicana, Bailey teria viajado em voos reservados pela associação em cada uma das três datas internacionais recentes e em cinco de seis viagens teria sido acomodado na classe executiva.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Esse é Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia e da Trivela. Jornalista especializado em Marketing digital é também narrador do Portal Futebol Interior e da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo