Brasileirão Série B

Para Marcelo Teixeira, Santos parou no tempo em relação às categorias de base

Mandatário também explicou os motivos que fizeram as Sereias da Vila brigarem contra o rebaixamento

Uma das principais cobranças da torcida do Santos em relação ao trabalho do técnico Fábio Carille na Série B do Campeonato Brasileiro envolve o aproveitamento das categorias de base do clube.

Efetivamente, o treinador tem dado oportunidades em sequência para o lateral-direito JP Chermont e o atacante Weslley Patati. E isso, para muitos, é pouco.

Em entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira (21), o presidente do Santos, Marcelo Teixeira, foi questionado sobre a utilização dos Meninos da Vila e foi sincero na sua fala.

— Temos que admitir que os atletas que vem da base não tem a mesma estrutura do início do milênio. A verdade é que o Santos ficou no tempo e espaço. Não evoluímos. Quando o atleta sobe, ele se machuca, fica de forma diferente. É a realidade do Santos. Vai modificar com as mudanças que estamos fazendo — disse o mandatário depois revelar que está modernizando os equipamentos de recuperação e prevenção de lesões do clube.

Sereias da Vila também merecem mais atenção

Ainda durante a entrevista coletiva, Teixeira detalhou os motivos que fizeram as Sereias da Vila brigarem fortemente contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro Feminino.

Com apenas 7 pontos conquistados em 12 partidas, o Santos ocupa a 14ª posição na tabela, com seis a menos do Internacional, primeiro time fora da zona de rebaixamento, mas que tem dois jogos a menos em relação às Sereias. Ou seja, a situação é delicadíssima.

— O futebol feminino é um dos pilares da minha gestão. Quando assumimos, mantivemos a coordenadora e ela me disse que teríamos dificuldades. Dentro de todo o planejamento que ela fez visando 2024, quase todas as jogadoras que tinham verbalmente acertado foram para outros clubes. Perguntei: ‘como você deixou isso acontecer?’ Mas foi vontade das atletas que preferiram não aguardar e ir para outros clubes.

— Diferente do masculino, hoje não temos tantas alternativas no futebol feminino. Fomos ao mercado para buscar outras jogadoras. A coordenação decidiu pela saída do técnico Bruno Silva. Todas as trocas nem sempre vão resultar na melhoria do desempenho da equipe. E é o que aconteceu. Essa troca veio, também, com a opção para o Kleiton Lima numa polêmica já criada — disse Teixeira.

— Houve uma recomposição do grupo com contratações. O Santos mostra uma melhoria com o desempenho no Campeonato Paulista. Estamos com uma dificuldade na classificação do Brasileiro. Algo diferente da tradição do Santos no futebol feminino. Esperamos que o Santos consiga os pontos para permanecer. Mas se não permanecermos na Série A, é um momento do clube repensar o futebol feminino.

— Fomos pioneiros e faremos todas as medidas, independentemente da série disputada, para que o Santos siga protagonista na modalidade. A realidade é que o futebol feminino já parou no Santos por alguns anos, não teve a atenção devida perto do que representa. Queremos valorizar para que o futebol feminino seja um exemplo do que é praticado no Brasil — completou o presidente.

Ameaçadas de queda, as Sereias da Vila voltam a campo pelo Campeonato Brasileiro feminino no próximo domingo (23), às 18 horas (horário de Brasília), para enfrentar o Grêmio, na Vila Belmiro, em confronto adiado da 9ª rodada da competição. A equipe gaúcha é a 9ª colocada com 17 pontos.

Foto de Bruno Lima

Bruno Lima

Jornalista pela UniSantos com passagem pelo Jornal A Tribuna de Santos. Já trabalhou na cobertura de jogos da Libertadores e das Eliminatórias Sul-Americanas no Brasil e no Exterior. Na Trivela, é setorista do Santos.
Botão Voltar ao topo