Brasileirão Série B

Quais lições a suada vitória na estreia da Série B trouxe para o Santos?

O Santos venceu o Paysandu, sábado (20), na Vila Belmiro, mas precisa tirar lições da sua estreia na Série B

Dois dias depois da estreia na Série B do Campeonato Brasileiro, onde o Santos venceu o Paysandu, na Vila Belmiro, por 2 a 0, o torcedor já pode fazer uma pequena análise do que deve ser a competição até as rodadas finais. Diferentemente do que ocorreu em algumas oportunidades do Campeonato Paulista, por exemplo, o Peixe terá que enfrentar adversários muito bem posicionados no campo de defesa, e, quase sempre satisfeitos com a soma de qualquer ponto diante do Alvinegro, exigirão criatividade dos comandados de Fábio Carille.

Contra o Papão da Curuzu, o Santos só foi entender isso na segunda etapa, quando, com o mínimo de agressividade ofensiva e duas jogadas mais agudas de Pedrinho, pelo lado direito do ataque, chegou à vitória.

O Santos já entendeu como será a Série B?

Responsável por conduzir o Peixe no campeonato, Carille fez essa leitura depois dos três pontos na estreia, e avisou ao elenco que todos precisam estar preparados para superar esse roteiro semanalmente, além da gana dos adversários de arrancarem pontos do Santos.

— O Santos é o time a ser batido. Penso que muitas equipes não vão subir, mas se vencerem o Santos vão tratar como título ou como um dia muito importante. Então, temos de estar muito preparados nesta temporada, muito atentos, porque saber entender o campeonato será muito importante — falou o técnico.

Carille pensa em mudanças contra o Avaí?

Depois do domingo (21) de folga, os jogadores do Santos se reapresentam nesta segunda-feira (22), no CT Rei Pelé. A partir de então, Carille começará a pensar na equipe que sexta-feira (26) visita o Avaí, na Ressacada, em Santa Catarina, pela 2ª rodada da Série B.

Incomodado com o primeiro tempo e satisfeito com a segunda etapa contra o Paysandu, o treinador irá analisar se os jogadores que contribuíram para a mudança de postura do Santos merecem permanecer no time titular. Principalmente os laterais JP Chermont e Rodrigo Ferreira, e o atacante Pedrinho, que marcou um dos gols e foi o autor da finalização para que Guilherme aproveitasse o rebote e estufasse as redes paraenses.

— Eles podem, sim, brigar por vaga. O nosso grupo é muito equilibrado em várias posições. O JP Chermont já deu boa resposta, o Rodrigo foi muito bem e o Pedrinho fez gol. Gostei da resposta dele. Então, pode ser. Eles e aqueles que estavam no banco de reservas nos dão opções para escolher bem os 11 que irão iniciar o jogo — concluiu o treinador.

Foto de Bruno Lima

Bruno Lima

Bruno Lima nasceu em Santos (SP) e se formou em Jornalismo na Universidade Católica de Santos (UniSantos) em 2010. Antes de escrever para Trivela, passou por A Tribuna.
Botão Voltar ao topo