Brasil

Venda de Welington cai, e São Paulo vê por dois lados: ruim no financeiro, boa para o time

CSKA tem até a noite desta quinta-feira para concluir negócio com o São Paulo por Welington, que ficaria fora da final da Copa do Brasil

O São Paulo negociou por longos dias a saída do lateral-esquerdo Welington para o CSKA, da Rússia. Mas isso não vai acontecer. O acordo esteve em fase final de tramitação ao longo desta quinta-feira (14), último dia da janela de transferências para o país europeu. Não houve, porém, tempo hábil para concluir a tratativa. A Trivela noticiou o acerto entre as duas partes mais cedo. Mas para que o acordo virasse oficial era preciso finalizar todos os trâmites necessários até o fim desta quinta-feira (14), data de encerramento da janela de transferências no futebol russo. Em suma: não haveria tempo hábil para registrar a transferência no Transfer Matching System (TMS) da Fifa até esta quinta-feira (14). Este é o mecanismo utilizado pela entidade para registrar negociações internacionais. Só a partir deste registro que Welington poderia ser inscrito pelo CSKA. Welington fica e estará à disposição de Dorival Júnior para a final da Copa do Brasil, neste domingo (17), às 16h (horário de Brasília), contra o Flamengo, no Maracanã. Mas o fracasso na negociação também traz um lado negativo nas finanças do clube.

Venda poderia ser problema

A negociação era justificada pelas dificuldades financeiras e a necessidade de fechar o orçamento em 2023 (leia mais sobre isso abaixo). Mas ela também iria gerar um problema no elenco já a curto prazo. E outro problema ainda maior para 2024. Caso Welington fosse, de fato, negociado, Dorival Júnior teria apenas o titular Caio Paulista e o jovem Patryck como opções na lateral esquerda. Atacante de origem, Caio vivia bom momento antes da lesão muscular, mas apresenta deficiências defensivas. O garoto, por sua vez, ainda precisa evoluir física e tecnicamente para dar conta do recado. Além disso, Caio Paulista tem contrato com o clube apenas até o final do ano, por empréstimo do Fluminense. O contrato prevê opção de compra de um valor próximo a R$ 20 milhões por 80% dos direitos econômicos do atleta. O clube carioca tem 50% dos direitos, enquanto a Tombense tem os outros 50%. Com a permanência de Welington, o Tricolor tem mais tranquilidade para negociar a permanência de Caio e também com as opções à disposição no elenco.

Wellington está em alta no mercado

O lateral-esquerdo perdeu boa parte da temporada devido a uma cirurgia no tornozelo esquerdo. Mesmo assim, seguiu em alta no mercado. O Brentford, da Inglaterra, era outro clube interessado na contratação do lateral. Mas o São Paulo resistiu às investidas do clube britânico. Revelado nas categorias de base do clube, Welington estreou como profissional pelo Tricolor em 2020, quando atuou em duas partidas. Ele ganhou mais espaço em 2021 e virou titular absoluto em 2022. O lateral abriu a temporada atual como dono da posição, mas a lesão no tornozelo esquerdo fez com que perdesse hierarquia.
Recuperado do problema, Welington vinha sendo reserva de Caio Paulista na posição. Ele até ganhou mais espaço, devido à lesão muscular do companheiro, que voltou a atuar na última quarta-feira. Ao todo, o lateral soma 103 jogos pelo São Paulo, com dois gols e nove assistências. Welington foi desfalque do São Paulo na derrota por 2 a 1 para o Inter, na última quarta-feira (13), no Beira-Rio, pelo Brasileirão. Mas o motivo nada teve a ver com a negociação. O lateral estava a serviço da seleção brasileira pré-olímpica para um amistoso em Marrocos. Ele retornou ao Brasil na terça-feira (12).

São Paulo cumpre promessa, mas a preço alto

Como a venda não foi concretizada, o presidente Julio Casares ainda consegue cumprir a promessa que fez no dia do sorteio da Copa do Brasil. O mandatário afirmou três semanas atrás que o São Paulo não venderia jogadores até o final do ano. –  Dinheiro sempre é importante, mas o São Paulo trilha caminho de quem sempre espera legado esportivo. Não vendemos ninguém na janela, não vamos vender ninguém – disse o presidente. Mesmo assim, a venda seria, sim, importante para o clube fechar as contas nesta temporada. É que o orçamento do clube prevê receber R$ 142 milhões em negociações de atletas nesta temporada. E a diretoria realizou apenas um valor próximo a R$ 44 milhões. Ou seja: faltaria completar este valor com mais R$ 98 milhões O São Paulo resistiu ao interesse de clubes da Europa em alguns de seus principais jogadores. Especialmente Lucas Beraldo. O zagueiro esteve na mira de clubes da Premier League, e o Wolverhampton chegou a cogitar uma proposta de 10 milhões de libras (R$ 63,3 milhões) pelo defensor – valores bem abaixo do que o Tricolor pretende receber.
Casares havia garantido que não venderia jogadores em 2023 (Foto: Iconsport)
A venda mais recente foi a do garoto Newerton. Mesmo sem sequer estrear pelo clube, o atacante foi vendido ao Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, por R$ 16,1 milhões. Outros atletas negociados foram Patrick, ao Atlético-MG, por R$ 6 milhões, e Léo, ao Vasco, por R$ 16 milhões. O clube também receberá valores por mecanismo de solidariedade nas negociações envolvendo Luiz Araújo, Brenner e Lyanco. Por tudo isso, o São Paulo conta muito com a premiação da Copa do Brasil para ter fôlego financeiro. Até agora, o clube já faturou $ 48,7 milhões em premiações da CBF. Isso, porque o vice receberá R$ 30 milhões. Em caso de título inédito, o Tricolor levará a bolada de R$ 70 milhões e somará um total de R$ 88,7 milhões apenas em valores recebidos na competição.
Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo