Brasil

Fora de viagem para a Argentina, Rubão está por um triz no Corinthians

Diretor de futebol do Timão é considerado "elo fraco" nos bastidores do clube após declarar guerra ao presidente do Conselho

A situação de Rubão, diretor de futebol do Corinthians, está por um fio. Na última semana, o dirigente declarou guerra contra Romeu Tuma Jr, presidente do Conselho Deliberativo, e o caso tomou proporções muito maiores do que a diretoria poderia imaginar. Segundo apurou a Trivela, são altas as chances do cartola não resistir até a próxima quarta-feira (24) no cargo, independentemente do resultado na Copa Sul-Americana.

No panorama de crise política, a queda de Rubão parece quase certa, principalmente pelo afastamento que ele teve do presidente Augusto Melo nos últimos meses. Atualmente, o homem que comanda o departamento de futebol é considerado o “elo fraco” nos bastidores.

Nesta terça-feira (23), o Timão enfrenta o Argentinos Juniors, pela terceira rodada da Sul-Americana, em Buenos Aires, e Rubão está fora da viagem após ter sido diagnosticado com dengue. Ele já não havia viajado com a delegação alvinegra para o jogo contra o Bragantino, no interior paulista, pelo Campeonato Brasileiro.

Augusto Melo indica saídas

Após a derrota ter sido sacramentada em Bragança Paulista, Augusto Melo deu declarações no mínimo polêmicas. Além de criticar a postura dos mandachuvas pela troca de farpas por meio de notas oficiais, o mandatário pontuou que a atitude pode gerar mudanças drásticas na configuração de sua diretoria.

— Isso é Corinthians. Brincadeira isso aí. As pessoas que dizem que são corintianos tem que trabalhar para o Corinthians, fazer o que nós estamos fazendo, trabalhando 24 horas pelo Corinthians, largando família, largando finais de semana, largando tudo em prol do Corinthians. Estamos trabalhando dia e noite para tentar arrumar isso, dia e noite para buscar bons parceiros, de repente acontece tudo isso aí e atrapalha. Essa semana vamos corrigir isso, pode ter certeza — afirmou Augusto Melo.

— Mudança em tudo, pode ter certeza — disparou o presidente.

Desempenho da equipe em momento de crise

Obviamente que o desempenho da equipe também deve ter alto impacto nas decisões atuais de Augusto. Aliás, a pressão sobre os ombros do presidente é grande, principalmente pela péssima sequência do Brasileirão: duas derrotas e um empate em três jogos.

— A gente conversou no vestiário o que vem conversando no dia a dia, o que vem trabalhando no dia a dia, não dá mais para esperar. Eu falei agora, chega, tem que dar um basta nisso. Tem que começar a fazer o que realmente tem que ser feito. Aos pouquinhos vai… A gente ainda tem muita fé nisso, está trabalhando forte para isso, tenho certeza que vai acertar — analisou Augusto.

Por outro lado, jogadores mais experientes do elenco, como Cássio e Paulinho, tentaram acalmar os ânimos e colocar panos quentes na discussão. Na visão do goleiro, por exemplo, há a necessidade de todas as áreas “falarem a mesma língua” para tirar o time da atual situação.

— Não atrapalha, mas é sempre legal as coisas estarem em sintonia. Nunca é legal… É difícil falar sobre isso, eu não sei o que está acontecendo, pode ser que eu esteja falando uma bobagem, eu vejo o que está saindo. Para as coisas acontecerem bem, tem que estar tudo em sintonia, fluindo. Não sei o que está acontecendo. Nesse momento, que o Corinthians vem de derrotas, precisamos estar ainda mais unidos, juntos para sairmos dessas situações — afirmou Cássio a jornalistas na zona mista.

Foto de Livia Camillo

Livia Camillo

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário FIAM-FAAM, escreve sobre futebol há cinco anos e também fala sobre games e cultura pop por aí. Antes, passou por Terra, UOL, Riot Games Brasil e por agências de assessoria de imprensa e criação de conteúdo online.
Botão Voltar ao topo