Brasil

Vitória com V maiúsculo e o resgate da confiança do elenco do Atlético-MG com Milito

Com Gabriel Milito, vários jogadores voltaram (ou começaram) a jogar muito no Atlético, com clara retomada de confiança

Gabriel Milito chegou ao Atlético-MG há menos de um mês, mas já realizou sete jogos e, mesmo com esse pouco tempo (de clube e de trabalho), já conseguiu recuperar a confiança de muita gente, sejam eles os jogadores ou os torcedores, e o ponto que carimbou isso foi a “vitória com V maiúsculo” que aplicou no clássico contra o Cruzeiro no sábado (20).

Milito chegou ao Atlético com a missão de fazer o qualificado elenco jogar um bom e bonito futebol, algo que não se via com Felipão. Em pouco tempo ele já conseguiu isso. Muito por conta do seu estilo (de jogo e de ser), que ajudou a evoluir o futebol de muitos jogadores, que retomaram a confiança desde que ele chegou.

Essa vitória com V maiúsculo, vamos levar como referência para fazer mais partidas assim — disse Igor Gomes após o clássico.

Gustavo Scarpa (finalmente) chegou

O mais notório dos jogadores que Milito resgatou no Atlético é Gustavo Scarpa. O meia foi a principal contratação do Galo para a temporada, mas teve um início de temporada bem ruim com Felipão, principalmente por atuar do lado esquerdo, sendo que sempre se saiu melhor no direito, e ainda ter que ser uma espécie de assistente de lateral, sem muita liberdade para atacar.

Com Milito, Scarpa é um ala pela direita, que tem sim suas obrigações defensivas (e as cumpre muito bem), mas que tem liberdade para atacar. Com o treinador argentino, são sete jogos (titular em três) para o camisa 6, que somam três gols e duas assistências. A primeira participação em gol veio na final do Mineiro, com o gol que fechou a conta e garantiu o título do Galo, e ele fez toda a diferença. Depois disso, ele marcou mais duas vezes até alcançar também suas primeira assistência, também contra o Cruzeiro, mas pelo Brasileirão.

— O futebol é um jogo de muitos detalhes, e um dos mais importantes é o gol. Acredito que o gol na final, pela forma que foi, me deu muita confiança. E, no jogo seguinte, outro gol, volto a confiar mais no meu potencial. Acredito que o posicionamento seja importante, mas, quando a equipe cresce como um todo, começam a aparecer destaques individuais — disse Scarpa.

Scarpa entende que os jogadores estão assimilando cada vez mais as ideias de Milito, e isso faz com que o time cresça a cada partida. Vencer com autoridade era algo não muito comum com Felipão, mas já aconteceu algumas vezes com o argentino, e isso faz diferença, principalmente se for em um clássico.

Arana de ala = show de participações em gols

Outro jogador que está tendo evolução notória é Guilherme Arana. Com Felipão, ele, que é um lateral com características mais ofensivas, ficava muito preso na defesa. Com Milito, ele é o ala esquerdo e tem muito mais liberdade para ir ao ataque, não à toa, soma quase uma participação a gol por jogo desde que o argentino assumiu: 7 jogos, 2 gols e 4 assistências.

No clássico, ele deixou mais uma vez sua marca com um belo gol de fora da área, que ele afirmou treinar sempre no dia a dia na Cidade do Galo. A meta dele é voltar a Seleção Brasileira e disputar uma Copa do Mundo, que lhe foi tirada com uma grave lesão em 2022. Para isso, sabe que precisa brilhar no Atlético — e vem fazendo isso.

Saravia virou zagueiro de elite?

Dentre todos os que demonstram retomar a confiança e o futebol com Milito, o que mais surpreende o torcedor é Saravia. Tido como um jogo “8 ou 80”, que pode jogar bem ou mal, nunca se sabe, o lateral-direito, até então, foi só “80” desde que Milito chegou. E mais: como zagueiro. O lateral argentino tem sido um dos principais nomes do time nos últimos jogos e marcou até gol (algo bem raro em sua carreira) na final do Mineiro, iniciando a remontada atleticana.

Dupla Hulk-Paulinho de volta é sinônimo de gol

Uma das grandes críticas de Felipão era por afastar Hulk e Paulinho, jogadores que, atuando mais próximos, carregaram o time em 2023 com mais de 60 gols. Com Milito, eles voltaram a atuar mais perto, e isso faz toda diferença. O camisa 10 tem uma assistência e quatro gols sob o comando do argentino, incluindo marcando pela 1ª vez (em 10 jogos) contra o Cruzeiro: “Estava esperando bastante esse gol no clássico. Fico feliz e aliviado, principalmente pelo time e a vitória maiúscula que tivemos aqui”, afirmou.

Já Hulk soma dois gols e três assistências. Mais livre no campo, ele fica mais participativo e apto para usar sua qualidade não só para finalizar, mas também para criar jogadas. Foi ele quem assistiu (mesmo que sem querer) Paulinho, e se diz empolgado com a volta da parceria.

Jemerson, Otávio, Franco e outros

Além dos citados, Milito também conseguiu dar confiança a praticamente todos os jogadores do elenco. A maioria cita a importância dele trabalhar com o elenco todo e não só com um ou outro jogador. O fato de todos terem que estar preparados para jogar, pois o treinador roda muito o time, deixa todos eles alerta e mais focados, como citou Alan Franco na última semana. O mesmo disse Otávio, titular nos últimos jogos depois de não ter ido tão bem com Felipão em 2024.

Jemerson, perseguido desde o fim de 2023 pelo gol contra a favor do Cruzeiro no primeiro clássico da Arena MRV, viveu altos e baixos desde então, mas saiu de campo contra o mesmo rival, neste sábado, aplaudido e ovacionado também no mesmo estádio. Zaracho é outro que está cada vez melhor.

Aos poucos, cada jogador que vai ganhando sua chance se encaixa no esquema e no time de Milito, que parece ter a fórmula perfeita para o elenco que tem nas mãos. O fato dele gostar de explicar (para os atletas e para a imprensa) cada detalhe do seu jogo e detalhar exatamente o que pensa, pode ser o diferencial que faz a equipe crescer em tão pouco tempo.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo