Brasil

Quem é e por que o Vasco escolheu Pedro Martins para comandar o futebol do clube

Ex-Cruzeiro, Pedro Martins será o novo diretor executivo de futebol do Vasco, que escolheu o dirigente por seu perfil e projetos já desenvolvidos no futebol brasileiro

Depois de mais 30 dias sem um diretor de futebol, o Vasco, enfim, tem um novo nome para o cargo. Vago desde a demissão de Alexandre Mattos, em março, o posto será ocupado por Pedro Martins, que já se despediu do Cruzeiro e vai assinar o contrato com o Cruz-Maltino para iniciar o trabalho nos próximos dias. E a Trivela aproveita para apresentar mais sobre o trabalho de Pedro Martins e mostrar o que levou o Vasco a escolher seu nome para comandar o futebol do clube.

Formado em administração de empresas, Pedro iniciou a carreira no futebol no Athletico-PR. Ainda como estagiário, ele passou por diversas áreas do clube, como sócio-torcedor e marketing. Depois, teve uma rápida passagem pelo Olé Brasil, clube do interior de São Paulo administrado por uma empresa.

No fim de 2009, Martins foi para a Inglaterra para se especializar no futebol. Ele fez um MBA em Indústria do Futebol na Universidade de Liverpool. Lá, também passou por um estágio no Queens Park Rangers, que também era administrado por um grupo de empresários ligador à Fórmula 1. Na sequência, em 2013, de volta ao Athletico-PR, ajudou na criação do Departamento de Informação do Futebol (DIF), junto de Willian Thoms, hoje no Coritiba.

– Crio ali junto com o Willian Thomas a concepção, que inicialmente foi compreendida como um departamento de análise de mercado, mas que, na realidade, a gente centralizava todo o norte conceitual de futebol do clube dentro de um único setor. Assim, a gente conseguiria proteger o planejamento estratégico do clube – disse Pedro Martins, em 2020, em entrevista ao podcast “The Pitch Invaders”.

Apesar de ter uma atuação discreta e longe dos holofotes, Pedro, de fato, ajudou na profissionalização do setor no Athletico-PR. No entanto, mesmo fortalecendo o departamento, ele não tomava as decisões. As análises do DIF serviam como base, por exemplo, para contratações. Uma fonte ouvida pela Trivela citou Pedro como a “engrenagem” do DIF, mas não a “cabeça”.

Após o fim da sua segunda passagem pelo Athletico-PR, em 2017, o executivo passou a trabalhar pela Ferroviária, de Araraquara, sua cidade natal. No interior de São Paulo, o dirigente trabalhou em mais um clube administrado por empresa, mesma situação que encontrará no Vasco, com a 777 Partners. Antes disso, é claro, passou pela SAF do Cruzeiro. No clube desde 2022, ele participou da montagem do elenco que ganhou com facilidade a Série B daquele ano. No entanto, desde então as críticas aumentaram e viraram crise em 2024, com um início muito ruim de temporada.

Por que o Vasco escolheu Pedro Martins para o futebol?

Depois de um 36 dias sem diretor de futebol, o Vasco viu em Martins uma boa alternativa para substituir o renomado Alexandre Mattos, que ficou apenas 100 dias no clube e não deixou saudades. Alguns dos fatores que chamaram a atenção da diretoria da SAF, são justamente os que fizeram com que trabalho de Mattos não desse liga. A Trivela apurou e aponta o que levou o Vasco a contratá-lo.

  • Visão estruturada do planejamento e responsabilidade financeira;
  • Carreira sustentada no desenvolvimento de projetos esportivos sustentáveis;
  • Low-profile, discreto, colocando os clubes em que trabalha em primeiro lugar;
  • Reconhecido pela boa condução e relação com jogadores;
  • Passagens por Athletico-PR, FPF e Cruzeiro;

A passagem de Alexandre Mattos pelo Vasco ficou marcada por turbulências internas, causadas principalmente por uma falta de entendimento sobre os processos do clube. O ex-dirigente chegou a reclamar publicamente sobre os processos da 777 Partners para a aprovação e contratação de um jogador. Dessa forma, agora o Vasco aposta em um profissional que já passou por outra SAF, além de ter trabalhado em clubes que também eram administrados por empresas.

Inspiração em clubes médios da Europa

Em entrevista ao “Footure” no fim de 2023, Pedro Martins citou dois clubes europeus que admira. E chamou a atenção ao falar sobre projetos menos valorizados da Inglaterra e da Espanha: o Brighton e o Athletic Bilbao.

— Sempre me encantei por projetos com alguma característica e uma cultura bem estabelecida. Isso faz com que você desenvolva referencial competitivo. Estudei durante muito tempo o Athletic Bilbao. O que eles desenvolvem de atleta, o modelo de desenvolvimento, a cultura estabelecida, acho que é isso que faz com que sejam extremamente competitivos. E, agora, o que o Brighton tem feito na Inglaterra também é extremamente interessante. (…) Estou falando dos “underdogs”, dos que têm menos dinheiro que os outros e que conseguem apresentar uma performance superior a sua capacidade financeira — disse.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor de Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo