Brasil

Lado pessoal, falta de chances e parte física: o que levou James a pedir para deixar o São Paulo

Distância da família e a falta de minutos em campo motivaram James Rodríguez a pedir rescisão amigável com São Paulo

O São Paulo venceu o Água Santa por 3 a 0 com autoridade, no MorumBIS, pelo Campeonato Paulista, na noite desta quarta-feira (7), mas a notícia que mais impactou o presente (e o futuro) do Tricolor veio horas antes. Em uma reunião com a diretoria, James Rodríguez manifestou seu desejo de deixar o clube em um acordo de rescisão amigável. Um pedido que até pode parecer repentino, mas que está longe de ter causado surpresa pelo contexto que cercou o colombiano e o ambiente interno no CT da Barra Funda nos últimos dias.

Enquanto o meia cumpria a sua rotina de trabalhos com carga física controlada e sofria com uma lesão na panturrilha, o São Paulo debatia o seu (baixo) aproveitamento nos bastidores já sem a mesma confiança de outros tempos em uma recuperação. O discurso da diretoria em entrevistas servia de termômetro para a inversão de expectativas. Antes, as falas costumavam reiterar que o clube apostava muito que 2024 seria o ano do colombiano. Nos últimos dias, porém, James cada vez mais foi tratado como uma peça descartável nesta temporada.

Até que a situação chegou a um limite no pedido expresso por James. A decisão partiu do próprio meia, motivado por uma série de fatores que, aos poucos, foram pavimentando o caminho para a sua saída. Pouco aproveitado e distante de sua família, James dava sinais de que já não queria fazer parte do projeto do clube. E esses sinais foram captados pela diretoria. Não houve interferência da comissão técnica, justamente porque foi o atleta que tomou a iniciativa.

– O nosso período de convívio foi curto. Não tenho o que falar do atleta e do ser humano. O que atrapalhou um pouquinho foi um incômodo de panturrilha. Foi recorrente, ele já havia tido uma lesão na panturrilha. A gente começou a dar um cuidado especial para tê-lo um pouco antes. Agora, não é da parte técnica, e não é da parte do clube o interesse de não contar com o atleta. É do interesse do próprio atleta. É um assunto da diretoria, institucional. Não técnico. Agora, vamos entender quais serão os processos. Não foi uma decisão técnica, foi uma decisão do clube. Uma decisão do próprio atleta – disse o técnico Thiago Carpini.

Conforme apurado, as duas partes ainda negociarão os termos do acordo rescisório. Mas na conversa, o clube impôs uma condição para liberá-lo. James abrirá mão dos valores que tem a receber do São Paulo para conseguir  antecipar o término do contrato. A diretoria, aliás, tinha uma pendência financeira com o colombiano, que ainda será discutida.

O que motivou James a pedir para deixar o São Paulo

No pedido à diretoria, James afirmou que gostaria de passar mais tempo com a sua família, mas apontou as poucas oportunidades recebidas no clube como principal motivo para a sua saída. O meia sequer atuou nesta temporada devido à questão física – que sempre foi um problema desde sua chegada ao São Paulo. O colombiano abriu a pré-temporada em trabalhos com carga física controlada e nunca igualou os companheiros em termos de intensidade. Até por isso, ele não foi inscrito no Campeonato Paulista.

Trivela ouviu de uma fonte que acompanha o dia a dia de treinamentos que James sempre se destacou pela qualidade técnica, muito acima dos demais companheiros. O problema é que ele não conseguia equiparar o nível de intensidade dos colegas de elenco. A frase dita foi que “ele precisava querer” para render pelo clube.

James Rodríguez pediu para deixar o São Paulo ainda sem jogar em 2024 (Rubens Chiri/saopaulofc.net)

James rendia apenas pela seleção colombiana, e isso foi motivo de debate interno no departamento de futebol. O entendimento é de que o meia só rende pela Colômbia porque é o grande ídolo da nação e tem um time todo armado ao seu redor.

O meia se despede do São Paulo com apenas 14 jogos disputados, um gol marcado e três assistências. Muito pouco para quem chegou com o rótulo de que mudaria o patamar do clube. James foi campeão da Copa do Brasil sem sequer entrar em campo na competição e também ficou fora da Supercopa do Brasil.

Ausência em BH foi “gota d’água”

A ausência do meia em Belo Horizonte no último fim de semana, aliás, causou constrangimento nos bastidores do clube e acabou sendo a gota d’água para a relação entre James e São Paulo. Após vencer o Palmeiras e conquistar o título inédito, a diretoria retornou com a pendência de resolver esta situação a partir da retomada dos trabalhos na Barra Funda.

Na entrevista coletiva após a partida, o técnico Thiago Carpini deu detalhes sobre a ausência do colombiano. De acordo com o treinador, James estava relacionado, mas acabou tirado da lista pela comissão técnica. Isso, porque o clube avaliou que seria mais proveitoso que ele ficasse em São Paulo e desse sequência aos trabalhos em campo.

– De ele ser relacionado, foi uma decisão minha. Mas a gente toma as decisões em conjunto. A carreira dele fala por si só. Não teve nada para nós ele não estar aqui. Talvez seja melhor ele ter ficado em São Paulo. Tudo perfeitamente normal. Ele foi relacionado, mas depois entendemos que seria mais proveitoso ele ficar em São Paulo – afirmou o técnico Thiago Carpini.

Mas a verdade é que mesmo fora da lista de relacionados, James poderia ter integrado a delegação em Belo Horizonte. Outros jogadores que não tinham condições de atuar estiveram na viagem. São os casos de Lucas Moura, Rodrigo Nestor e Igor Vinicius. A opção de permanecer em São Paulo foi também de James. Mesmo distante, o colombiano participou da preparação para o jogo e fez uma ligação para companheiros antes do clássico. Nas redes sociais, porém, ele não fez publicações sobre a partida.

– É uma opção. Todos vieram, mas ele não veio. Ele estava torcendo, ligou para o pessoal aí, não veio, mas estava torcendo. Tenho certeza que amanhã ele está treinando com a gente. O que interessa é que o São Paulo foi campeão. Hoje temos que fazer perguntas assim: ‘Quando tempo não ganhava? Como joga esse time? Como está essa torcida que mais cresce no Brasil?’ – disse o presidente Julio Casares.

Próximos jogos do São Paulo

  • Ponte Preta x São Paulo – Campeonato Paulista – sábado, 10 de fevereiro, 18h00 (horário de Brasília)
  • São Paulo x Santos – Campeonato Paulista – quarta-feira, 14 de fevereiro, 19h30 (horário de Brasília)
  • São Paulo x Red Bull Bragantino – Campeonato Paulista – sábado, 17 de fevereiro, 18h00 (horário de Brasília)
Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo