Brasil

Esquema de meio-campo divide opiniões, e Tite e Gerson pedem paciência no Flamengo

Quarteto do meio ainda está em adaptação, e paciência é o discurso adotado tanto por Tite, treinador, quanto por Gerson, capitão do Flamengo

A vitória do Flamengo diante do Botafogo não foi obra do acaso, mas, sem dúvida, o Rubro-Negro não teve atuação brilhante, especialmente no primeiro tempo. Lento, burocrático e pouco produtivo, a equipe só foi melhorar no segundo tempo, quando jogadores de velocidade foram lançados no ataque. Dessa forma, o esquema de Tite com quatro meias entrou em xeque.

Ainda que o comandante tenha pedido paciência para que o time se acerte, as primeiras impressões não foram positivas. Por mais que De La Cruz tenha capacidade de jogar aberto pela direita, a distância do centro do gramado, onde se sente mais à vontade, parece ser um problema. Para isso, Tite terá opções, ou o tempo contará uma história diferente do que o início desenha.

Esquema não funcionou até aqui

O amistoso contra o Orlando City já tinha sido um indicativo de que o esquema ainda tinha lacunas. Na ocasião, o Flamengo sofreu bastante na saída de bola, fazendo com que a defesa tivesse que trabalhar dobrado. Como os defensores não são tão precisos no passe, Pulgar ficou totalmente sobrecarregado para fazer a função, enquanto Gerson, Arrascaeta e De La Cruz se dividiam nas funções de armar.

Contra o Vasco foi ainda pior, já que Gerson e Arrascaeta tiveram atuações apagadas. Quem vinha se salvando era De La Cruz, mas nem mesmo o uruguaio mostrou bom futebol no clássico diante do Botafogo, nesta quarta-feira (07). O duelo, disputado no Maracanã, só escancarou o longo caminho que a equipe de Tite tem a percorrer para ficar “na ponta dos cascos”.

De La Cruz ainda está em período de adaptação no Flamengo (Foto: Divulgação/CRF)

Os adversários souberam jogar fechados, é verdade. O Flamengo é um time que gosta muito de ter a posse de bola, mas a falta de entrosamento e ritmo de jogo atrapalha o bom andamento do time. O tempo até pode ser o senhor da razão, mas, pelo menos nos clássicos, Tite conseguiu encontrar outra solução ao olhar para o banco de reservas.

Flamengo melhora com três atacantes

Com um meio-campo estagnado, dependendo demais das ligações diretas, o ataque com Pedro e Cebolinha não funcionou. A ausência de movimentação mais incisiva do centroavante, que é o artilheiro do time em 2024, atrapalhou ainda mais a saída de bola do Flamengo. Como ganhou pouquíssimo no pivô, seu principal fundamento, deixou muito a desejar. O camisa 11, por sua vez, esteve muito isolado e pouco inspirado na esquerda.

O Flamengo só veio a melhor quando Tite, ciente das dificuldades, utilizou o banco de reservas para voltar ao seu esquema preferido de 2023, com três atacantes, sendo dois extremos e um 9. As entradas de Bruno Henrique, Gabigol e Luiz Araújo deram outra dinâmica ao time e, mesmo que não estejam vivendo seus melhores momentos, são peças importantíssimas para a engrenagem. Como é bom ter um banco.

Gabigol, Bruno Henrique e Luiz Araújo fizeram a diferença para que o Flamengo vencesse o Botafogo (Foto: Thiago Ribeiro/AGIF/Sipa USA)

O trio fez com que o Flamengo ganhasse muito em movimentação no terço final, aparecendo sempre como opções e deixando o meio-campo mais à vontade para armar. O resultado veio contra o Botafogo, e a vitória só não apareceu diante do Vasco porque Gabigol, que entrou tão bem, desperdiçou uma penalidade no fim. O saldo, no entanto, foi muito mais positivo do que os quatro pontos conquistados.

Tite e Gerson pedem calma

Apesar dos obstáculos, Tite se manteve fiel à caminhada e confirmou que voltará a utilizar o esquema com quatro meias. Ainda que as opções do ataque sejam interessantes, o meio-campo será o coração do Flamengo em 2024, com Pulgar, Gerson, Arrascaeta e De La Cruz. Por isso, a opinião do comandante é a seguinte: “Em terra de imediatismo, quem tem paciência é rei”.

Quem corroborou com o discurso de Tite, usado depois do jogo contra o Vasco, foi Gerson. O capitão do Flamengo falou com a imprensa após a vitória sobre o Botafogo e confirmou que o encaixe ainda está em produção. A principal questão parece mesmo ser a adaptação de Nicolás De La Cruz, reforço de peso do Rubro-Negro para 2024.

— Demanda tempo isso. Jogador (De la Cruz) que vem de um futebol diferente, o argentino. Vamos tentando nos entender. Acho que ele jogou alguns minutos com o Arrascaeta mesmo sendo da mesma seleção. Então não é que eles jogavam constantemente. A gente vai tentando se entender ali e se encaixar o mais rápido possível — disse.

O próximo desafio, em que o esquema poderá ser aperfeiçoado, acontecerá neste sábado (10), no Maracanã. O Flamengo enfrentará o Volta Redonda a partir das 16h (de Brasília), em jogo atrasado da terceira rodada da Taça Guanabara.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

É repórter na cobertura do Flamengo há três anos, com passagens por Lance e Coluna do Fla. Fã de Charlie Brown Jr e enxadrista. Viver pra ser melhor também é um jeito de levar a vida!
Botão Voltar ao topo