Brasil

Diferença no desempenho como mandante e visitante pode explicar oscilação do Flamengo

Rubro-Negro é o melhor mandante de 2024 entre clubes da Série A, mas fica no meio da tabela quando sai do Maracanã

Vencer e convencer. Essa é a uma premissa que o Flamengo tem conseguido fazer bem diante da sua torcida no Maracanã, mas os pecados desse time costumam aparecer mais longe dos seus domínios. O aproveitamento do Rubro-Negro dentro e fora de casa podem explicar um pouco mais sobre a oscilação que acompanha a equipe desde o início de abril.

Enquanto o Flamengo joga bem em casa, peca fora. Tite até tentou explicar um pouco mais sobre o assunto na coletiva após a vitória sobre o Millonarios, que garantiu a classificação na Libertadores, mas os números apontam outro cenário. A Trivela explica.

Melhor do Brasil como mandante

O Campeonato Carioca ajudou bastante, mas o mérito do Flamengo como mandante é inegável. Já são 15 jogos nesses moldes em 2024, com incríveis 13 vitórias, um empate e apenas uma derrota, para o Botafogo, pelo Brasileirão. Foram três meses de invencibilidade para iniciar a temporada, e mais um sem perder depois do revés no clássico.

O aproveitamento de quase 90% impressiona, mas o melhor está no saldo de gols. Enquanto o Flamengo tem média superior a dois tentos por partida, sofre apenas 0,27. A diferença total do Rubro-Negro é de 29 gols positivos e está entre as melhores dos clubes da Série A, ao lado de Athletico Paranaense e Bahia.

O Flamengo costuma ir bem quando jogo diante da sua torcida (Foto: Thiago Ribeiro/AGIF/Sipa USA) – Photo by Icon Sport

Meio da tabela como visitante

Quando sai do Maracanã, contudo, o Flamengo enfrenta problemas. Não é como se o Rubro-Negro fosse o pior visitante entre os clubes da Série A, mas a campanha nem se compara a de mandante. No momento, Tite e companhia ocupam a nona posição no ranking.

A média de gols marcados despencou para 1,27, enquanto os gols sofridos aumentaram para um a cada duas partidas. São 14 jogos nesses moldes, com seis vitórias, seis empates e duas derrotas, e diferença de tentos em dez positivos. Nesse momento, o Flamengo está atrás de clubes como Cuiabá e Atlético-GO no ranking. Os números são do blog Espião Estatístico.

Explicações de Tite em contraste com números

Perguntado por três vezes sobre esse período de oscilação, Tite explicou que o jogo é feito de nuances. Se no Maracanã o apoio é total, e o gramado está bem melhor do que em fases anteriores, esses fatores acabam jogando contra longe dos seus domínios. Os exemplos citados variaram entre Libertadores e Copa do Brasil, tendo a volta contra o Amazonas como base para o argumento.

— Às vezes, a gente pontua isso e muitas pessoas acham que é desculpa, mas não. É complicado jogar num gramado diferente, calor, enfim, linha baixa. E aqui é diferente. O carinho da torcida empurra a gente, é como ele falou, vai ficar repetitivo aqui — analisou.

É claro que os fatores citados atrapalham, mas também é possível identificar uma queda brusca na proficiência ofensiva do Flamengo longe de seus domínios. A média de finalizações ao gol, no alvo e gols esperados (xG) é bem menor do que no Maracanã, por exemplo.

Se quiser almejar grandes feitos em 2024, o Flamengo vai precisar começar a equilibrar o seu desempenho dentro e fora de casa. Em torneios de formato mata-mata, erros assim podem custar caro. Tite e companhia estão classificados para as oitavas de final tanto da Copa do Brasil quanto da Libertadores, e ocupam a terceira posição do Brasileirão.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

Jornalista formado pela PUC-Rio. Da final da Libertadores a Série A2 do Carioca. Copa do Mundo e Olimpíada na bagagem. Passou por Coluna do Fla e Lance antes de chegar à Trivela, onde apura e escreve sobre o Flamengo desde 2023.
Botão Voltar ao topo