Libertadores

Classificação veio, mas mostra desleixo do Flamengo com a fase de grupos da Libertadores

Rubro-Negro era amplo favorito a se classificar em primeiro, mas acabou ficando atrás do Bolívar

O Flamengo confirmou a classificação às oitavas de final da Libertadores com uma vitória convincente no Maracanã, a segunda consecutiva. Derrotar Bolívar e Millonarios na reta final estava nos planos, mas o contexto de necessidade escancarou uma realidade no clube: o desleixo com a fase de grupos. Custou caro em 2023 e pode acontecer o mesmo nesta temporada.

Tite e companhia devem, sim, comemorar a classificação, afinal, o objetivo foi cumprido, mas a maneira com que aconteceu pode trazer problemas. A segunda colocação, em um grupo que a liderança era plenamente acessível, dá ao Flamengo uma dificuldade desnecessária no mata-mata.

Como ficou o Grupo E ao fim das seis rodadas?

O dever de casa foi feito, mas acabou não sendo o suficiente para a liderança. O Flamengo terminou a fase de grupos com 10 pontos e sonhou na rodada derradeira. Contudo, o Bolívar também soube usar o Hernando Siles como arma para acabar com a história do Palestino nesta edição da Libertadores. De quebra, ainda passou em primeiro às oitavas.

O único resultado que interessava ao Flamengo era a vitória dos chilenos em La Paz. Nesse caso, o Rubro-Negro ficaria na frente do Bolívar no saldo de gols, que precisaria não perder de goleada para se manter entre os classificados do Grupo E. O cenário não se concretizou.

  1. Bolívar – 13 pontos (+4 de saldo)
  2. Flamengo – 10 pontos (+7 de saldo)
  3. Palestino – 7 pontos (-5 de saldo)
  4. Millonarios – 3 pontos (-6 de saldo)

Caminho mais tortuoso para começar o mata-mata

Apesar da justa comemoração pela classificação, o Flamengo precisa virar rapidamente a chave e pensar que o objetivo final não foi atingido. O segundo lugar no Grupo E repete a campanha do ano passado, quando os comandados de Jorge Sampaoli terminaram atrás do Racing. Tal feito acabou custando muito caro para o Rubro-Negro.

A eliminação para o Olimpia mostrou que o fator casa no mata-mata é importantíssimo. Os paraguaios souberam fazer o Defensores Del Chaco tremer para empurrar o time em classificação que parecia improvável. Nem o poderoso Flamengo, de folha salarial superior a qualquer time na América do Sul, pôde conter a avalanche.

A eliminação na Libertadores do ano passado foi bem traumática para o Flamengo (Foto: Divulgação/Olimpia)

O Rubro-Negro também teve problemas na outra vez em que passou na segunda posição. Em 2018, o Flamengo ficou atrás do River Plate e acabou eliminado pelo Cruzeiro, mesmo vencendo no Mineirão. Para encontrar uma boa lembrança é preciso retornar aos tempos do Império do Amor, quando Adriano e Vágner Love desbancaram o Corinthians no Pacaembu, em 2010.

Além da questão da mística, o Flamengo também pode enfrentar rivais de muito mais peso estando no pote 2. Nesse momento, o pote 1 é composto por equipes como Palmeiras, Atlético-MG, Fluminense e River Plate. É possível enfrentar clubes de menor expressão, como o próprio Bolívar, o The Strongest, ou o Júnior Barranquilla, mas, nesse momento, isso é considerado improvável.

Independente de quem vier, o Flamengo terá páreo duro já nas oitavas da Libertadores (Foto: Thiago Ribeiro/AGIF/Sipa USA) – Photo by Icon Sport

Quando será o sorteio das oitavas de final da Libertadores?

A Conmebol preparou a cerimônia para a próxima segunda-feira (3), em Luque, no Paraguai. O horário ainda não foi definido, mas é bem provável que seja na parte da noite. O sorteio terá um formato um pouco diferente, já que o grupo do Grêmio, afetado pela tragédia com as chuvas no Rio Grande do Sul, ainda não está nem perto de terminar.

As oitavas de final da Libertadores serão disputadas nos dias 14 e 21 de agosto, bem depois do fim da Copa América. Até lá, todos os confrontos atrasados já terão sido disputados.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

Jornalista formado pela PUC-Rio. Da final da Libertadores a Série A2 do Carioca. Copa do Mundo e Olimpíada na bagagem. Passou por Coluna do Fla e Lance antes de chegar à Trivela, onde apura e escreve sobre o Flamengo desde 2023.
Botão Voltar ao topo