Brasil

Gerson se inspira no ‘querido’ Filipe Luís para consolidar liderança no Flamengo

Capitão do time, o Coringa será fundamental para liderar o time em período de muitos desfalques por conta da Copa América

Gerson é homem de confiança de Tite desde a chegada do treinador. Seja como volante, meia, ou até mesmo ponta direita, posição que lhe rende muitos frutos na temporada, o jogador faz jus ao apelido de Coringa para ajudar muito o Flamengo em campo. O papel dele em 2024, contudo, vai muito além do que se vê dentro das quatro linhas.

Capitão e referência técnica, Gerson assumiu um papel de liderança interessante no clube. Agora, em período complicado de baixas e problemas para Tite, por conta da Copa América, a missão passa a ser ainda mais importante. Para atacá-la da melhor maneira possível, o jogador recorre a um velho amigo, e a Trivela pode contar um pouco mais dessa história.

Referência técnica e líder

Não é segredo que Gerson está assumindo um papel diferente em 2024. Se em anos anteriores ele funcionava como uma referência técnica dentro de campo, a atual temporada mostra um Coringa muito mais ligado fora de campo. A faixa de capitão não é por acaso para quem acompanha o dia a dia do Flamengo.

O volante é voz ativa no vestiário, como exemplificado pelo discurso importante na goleada sobre o Vasco. A reportagem apurou, inclusive, que Gerson tem falado em praticamente todos os jogos, terminando em vitória ou em derrota. A estabilidade como líder chegou.

O camisa 8 é uma referência muito importante para os mais jovens. Gerson não é formado nas categorias de base do Flamengo, mas nasceu e foi criado no Rio de Janeiro, algo que o ajuda a entender melhor a situação da garotada. Lorran, por exemplo, está próximo do Coringa. O fato do volante ser torcedor do clube, que é o caso da mais parte dessa geração, também ajuda.

Lorran recebeu de Gerson e marcou o segundo do Flamengo contra o Corinthians, em tarde de festa no Maracanã (Foto: Divulgação/CRF)

O exemplo fora de campo se transmite dentro dele, ainda por tudo que Gerson passou em 2024. Foram dois meses afastado por conta de uma cirurgia nos rins e, quando retornou, o volante foi alvo de críticas em protestos da torcida.

Desde que Tite o colocou na ponta direita, contudo, o Coringa mudou da água para o vinho: são cinco participações em gol nos 19 jogos disputados no ano, além de liderar estatísticas de distância e passe.

Conselhos do querido

Para entender melhor esse papel de liderança, Gerson recorreu a Filipe Luís, uma voz ativa silenciosa no vestiário do Flamengo. O lateral esquerdo se aposentou dos gramados na última temporada, mas segue no clube como treinador do sub-17. A convivência não diminuiu, e nem os conselhos.

Filipe Luís já explicitou o carinho por Gerson em diversas entrevistas. Mesmo com a diferença de idade, os dois cultivam amizade desde 2019, quando os dois chegaram praticamente juntos ao Flamengo. A dupla conquistou títulos importantes com a camisa rubro-negra, como a Libertadores e o Campeonato Brasileiro.

Outras lideranças que ficam

O Coringa é fundamental, mas não a única liderança do Flamengo no vestiário. Arrascaeta, por exemplo, já desempenhou a condição de capitão nesta temporada, mas a Copa América o afasta dos serviços no Ninho do Urubu.

Além do maestro, Tite também não poderá contar com De La Cruz, Pulgar, Varela e Viña, todos convocados. Por isso a importância de Gerson.

Para ajudar o volante, outros líderes surgem, como é o caso de David Luiz, Fabrício Bruno, Bruno Henrique e até mesmo Gabigol, que tenta recuperar o bom relacionamento com o vestiário. Esse é um momento que pode fazer com que o Flamengo encaixe de vez.

O primeiro desafio com os desfalques da Copa América será na próxima quinta-feira (13), diante do Grêmio, pelo Campeonato Brasileiro. A partida acontecerá a partir das 20h (de Brasília), no Maracanã.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

Jornalista formado pela PUC-Rio. Da final da Libertadores a Série A2 do Carioca. Copa do Mundo e Olimpíada na bagagem. Passou por Coluna do Fla e Lance antes de chegar à Trivela, onde apura e escreve sobre o Flamengo desde 2023.
Botão Voltar ao topo