Brasil

“Fifa, paga minha tarifa”: o futebol na manifestação

A Copa do Mundo é um dos maiores eventos do esporte mundial e é o maior evento do futebol, sem dúvida. Mas a Copa do Mundo não é nossa. Não é do país organizador, não é de quem participa. A Copa do Mundo é da Fifa. Eles fazem questão de dizer isso sempre. Não é Copa do Mundo, é Copa do Mundo Fifa. E muitas pessoas que tomaram as ruas nesta segunda-feira pelo Brasil mostraram que não estão satisfeitas com a situação do país, e isso inclui os enormes gastos para fazer uma Copa do Mundo. Considerando que o protesto em São Paulo tem a ver com a tarifa do ônibus, um dos gritos mais simbólicos que eu ouvi no meio da rua foi: “Ei, Fifa, paga minha tarifa!”.

Há muitas questões sobre as manifestações nas ruas do Brasil ontem. Estive por quatro horas junto com a passeata, pedindo para baixar o preço da tarifa do transporte público em São Paulo. Demoro 1h30, em média, para chegar ao trabalho todos os dias, usando ônibus e metrô. O serviço é ruim, tem piorado com o tempo, mas o preço só aumenta. Todos os dias, há gente nervosa porque o serviço teve problema e ela irá se atrasar, ou porque a lotação é tanta que é impossível entrar. Essa é a causa que fez explodir os protestos e por isso que as pessoas fizeram relação com a Fifa.

As obras de mobilidade urbana prometidas parecem cada vez mais apenas promessas. Algumas vezes durante a manifestação, ouviam-se gritos de “Ei, Fifa, vai tomar no cu”. O foco dos protestos não era a Fifa, mas mostra que as pessoas não estão contentes com a forma como foi conduzido esse processo. Gastos enormes de dinheiro público com estádios, como o Maracanã (mais de R$ 800 milhões) e estádio Mané Garrincha (R$ 1,2 bilhão).  É óbvio que não é algo simples, tirar o dinheiro do estádio e colocar no transporte, saúde e educação. Mas é preciso explicar como a tarifa do transporte só aumenta e o serviço só fica mais caro, enquanto dinheiro é gasto por outras coisas.

“Tá caro ver o Timão”

Torcedor do Corinthians protesta pelo aumento de tudo e contra os governos. Parece justo (Foto: Felipe Lobo/Trivela)

Logo no início da manifestação, me chamou a atenção um corinthiano segurando um cartaz que diz muito sobre o nosso futebol: preço do ônibus e metrô caros, ingresso caro, polícia repressora contra os torcedores e condições ruins. O torcedor manifestou o seu descontentamento e me parece justo.

St. Pauli

Bandeira do St. Pauli (Foto: Felipe Lobo/Trivela)

Outra coisa dos protestos que me chamou a atenção. Na concentração de pessoas ali no Largo da Batata, vi uma pessoa segurando uma bandeira do St. Pauli, clube alemão conhecido por ter uma torcida que se manifesta a favor de diversas causas sociais, como indo contra a homofobia. Quando vi a bandeira, saí correndo atrás da pessoa que estava segurando, que logo depois abaixou. Pedi que ele levantasse novamente para tirar a foto. Ele ainda me disse que conhece pessoas do St. Pauli e que os torcedores farão uma manifestação de apoio.

Bom humor nos protestos

Manifestações sempre tem uma ponta de bom humor em cartazes e gritos dos manifestantes. Desta vez não foi diferente e incluíram até mesmo a corneta da seleção, mas não é só isso. As pessoas fizeram cartazes contra a Fifa, ironizando os altos gastos do governo com o evento, enquanto outros setores continuam com serviços ruins. Vale a pena ver:

Futebol e educação no mesmo cartaz
Futebol e educação no mesmo cartaz
Manifestante ironizam o tal padrão Fifa dos estádios para a Copa
Manifestante ironizam o tal padrão Fifa dos estádios para a Copa
Torcedor brinca com os protestos com cartaz de Hulk fora da seleção
Torcedor brinca com os protestos com cartaz de Hulk fora da seleção

 

Cartaz bem sacado da manifestante pedindo investimentos em educação
Cartaz bem sacado da manifestante pedindo investimentos em educação
Acorda, Fifa!

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que as manifestações são menos importantes que o futebol e que quando a bola rolasse, tudo diminuiria. Bom, o recado foi dado, Fifa. Só nas ruas de São Paulo ontem, certamente mais de 300 mil pessoas foram às ruas (esqueça essas coisas ridículas de 65 mil. Todas avenidas mais importantes de São Paulo foram tomadas de gente, muito mais do que reveillón ou parada gay na Paulista). Esse público é maior que todos os públicos da Copa das Confederações juntos até agora. Se somar com todas as outras cidades no país, é uma lavada. Fifa, preste atenção. O futebol é muito maior que você. Mais do que isso: a sociedade é mais importante do que futebol. E infinitamente mais importante que a Fifa. Aliás, o que importa a Fifa?

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo