Brasil

Augusto Melo falou em renovar Corinthians, mas pode trazer diretor que tem dedo no rebaixamento de 2007

Rubens Gomes, o Rubão, dirigiu o futebol do Corinthians em 2007 e é o mais cotado para assumir o cargo diretivo com Augusto Melo

Matematicamente garantido na Série A do Brasileirão e com vaga na próxima edição da Copa Sul-Americana assegurada, o Corinthians está com a cabeça em 2024. Por mais que ainda cumpra tabela na quarta-feira (6) contra o já rebaixado Coritiba no Couto Pereira, pela 38ª e última rodada da competição nacional, o Timão iniciou o planejamento para 2024, quando Augusto Melo tomará posse da presidência do clube. O novo e futuro mandatário, inclusive, parece ter definido um velho conhecido para comandar o futebol masculino em sua gestão: Rubens Gomes, o Rubão.

Segundo o portal Meu Timão, Rubens Gomes foi escolhido para ser o novo diretor de futebol e já participa de reuniões sobre o 2024 alvinegro, tendo encontrado Mano Menezes no CT Joaquim Grava recentemente. Rubão foi o braço direito de Augusto Melo durante o período de campanha eleitoral, trabalhando nos bastidores e sendo importante na articulação de alianças políticas durante o processo.

Mas não é pelo que fez em 2023 que Rubens Gomes é conhecido pela torcida do Corinthians. Em 2007, ele comandou o futebol do clube por um breve período e foi o responsável por contratações que marcaram o ano do rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro. Apesar de rápida, sua passagem durou tempo suficiente para desagradar boa parte dos corintianos.

Responsável por pacotão que não deu certo e expectativa fora da realidade

Em 2 de julho de 2007, quando o Corinthians era o quarto colocado do Brasileirão após oito rodadas, o então presidente Alberto Dualib anunciou Rubens Gomes como diretor de futebol do Corinthians (na época, o cargo era chamado de “vice-presidente de futebol”). Oficialmente, no entanto, Rubão já exercia a função há alguns meses e foi o encarregado de realizar contratações para a disputa do Campeonato Brasileiro depois de uma eliminação precoce no Paulistão.

Foi ele quem negociou o pacotão de reforços vindo do Bragantino, que foi semifinalista no estadual daquele ano. Sob o aval de Nesi Curi, presidente em exercício do Corinthians na ocasião porque Dualib estava na Europa em busca de parceiros comerciais, Rubão trouxe o goleiro Felipe, os zagueiros Cadu e Zelão, o volante Moradei e o atacante Éverton Santos. Além dos cinco que estavam no Massa Bruta, o diretor de futebol ainda foi responsável pelas chegadas dos centroavantes Clodoaldo e Finazzi.

Os muitos reforços não surtiram o efeito esperado, e o Corinthians ficou dez rodadas consecutivas sem vencer no Brasileirão de junho ao início de agosto. Para piorar, Rubens deu uma declaração logo após a sequência negativa que não envelheceu nada bem. Ao fim da 18ª rodada, depois de uma derrota por 2 a 0 para o Vasco em São Januário, o dirigente garantiu que o clube do Parque São Jorge não cairia, depositou sua confiança no elenco que montou e ainda afirmou que o time brigaria pelo título. Na época, o time comandado por Paulo César Carpegiani abria a zona de rebaixamento com 20 pontos, 17 a menos que o líder São Paulo.

— O Corinthians não cai. Eu volto a dizer que o Corinthians vai brigar pelo título. Eu não garanto porque não jogo, mas os que jogam garantiram para mim. Acho o elenco forte. O Corinthians tem elenco para brigar pelo título, só temos que fazer alguns ajustes — garantiu Rubão.

Não foi o que aconteceu. O Corinthians acabou o Brasileirão na 17ª posição com 44 pontos e foi rebaixado pela primeira e até hoje única vez na sua história. Rubens Gomes, por sua vez, deixou o Parque São Jorge dois dias depois da polêmica declaração. Motivado pelo afastamento de Alberto Dualib pelo Conselho Deliberativo do clube, ele pediu diretamente ao presidente interino Clodomil Orsi para deixar o cargo.

Outros diretores da gestão de Augusto Melo

O cargo que Rubão assumirá na diretoria do Corinthians em 2024 é estatutário e o mesmo que exerceu Roberto de Andrade na gestão de Duílio Monteiro Alves entre janeiro de 2021 e março de 2023. Augusto Melo ainda quer um executivo de futebol remunerado e um coordenador para trabalharem no dia a dia e também tomarem as decisões sobre o futebol corintiano.

O ex-zagueiro Chicão já foi confirmado como este coordenador de integração da base para o profissional. Já o desejo da futura gestão para o cargo de executivo de futebol é Rodrigo Caetano, que tem contrato com o Atlético-MG até 2026. Até o momento, quatro diretores foram anunciados por Augusto Melo: Claudinei Alves (futebol de base), Rozallah Santoro (departamento financeir), Sérgio Moura (marketing) e Marco Polo Pinheiro (esportes terrestres).

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo