Brasil

Corinthians é castigado por revelação que valeu R$ 17 mi, mas não rendeu um centavo ao clube

Autor do primeiro gol do Vasco contra o Timão, Lucas Piton nunca teve a sua venda pelo clube alvinegro paga pelos cariocas

Se desgraça pouca é bobagem, a cada rodada o Corinthians está sofrendo mais. Dessa vez, o primeiro gol sofrido pelo Timão na derrota por 2 a 0 para o Vasco da Gama foi marcado por um jogador revelado na base corintiana: Lucas Piton. 

E mais do que a famosa “lei do ex”, a marca de Piton foi um castigo pelos erros de gestão que não vem de hoje na equipe alvinegra. 

Lucas foi vendido ao Vasco no início do ano passado, ainda na gestão Duílio, por 3 milhões de euros (R$ 17 milhões) e a possibilidade de mais 1 milhão de euros (R$ 5,9 milhões) no caso do jogador completar 50 jogos com a camisa cruzmaltina, o que aconteceu.

O valor original do negócio foi o mesmo que a Fiorentina, da Itália, ofereceu para comprar o jogador seis meses antes, em uma proposta que foi recusada pela então administração corintiana. 

O problema é que o Corinthians não recebeu sequer um centavo pela transação até agora, tanto que no mês passado notificou o clube carioca por conta da dívida. 

No fim de 2023, a Elenko Sports, empresa de agenciamento de atletas, também moveu uma ação contra o Vasco justamente pela ausência desse pagamento. 

O que a Elenko tem a ver com isso? 

O clube tem uma dívida de R$ 12,3 milhões com a empresa por conta da ausência de pagamento de comissão em operações referentes a alguns atletas que são clientes da marca. Assim, ficou decidido que a instituição receberia boa parte do valor pago pelo Vasco da Gama na compra de Lucas Piton. 

O combinado é que seriam pagas seis parcelas de 500 mil euros (em torno de R$ 2,5 milhões), três delas na temporada passada e as restantes entre janeiro e maio deste ano. Porém, isso nunca aconteceu. 

Assim, o Timão ficou sem o jogador, sem o dinheiro e segue com a dívida com a Elenko. 

E mesmo que o Vasco pague a empresa de agenciamento, o clube alvinegro verá apenas uma parcela pequena do valor referente a venda de Piton: 500 mil euros (R$ 2,9 milhões na cotação atual). 

Fernando Garcia e Claudinho
Fernando Garcia é um dos resposáveis pela Elenko Sports (Foto: Reprodução)

Piton atua em posição carente no Corinthians

Desde a saída de Lucas Piton, o Corinthians contratou três atletas para a lateral-esquerda: Matheus Bidu, Hugo e Diego Palacios.

O primeiro, foi a grande esperança corintiana quando contratado no início do ano passado. Porém, as atuações dele pelo clube alvinegro não agradaram, tanto que o Timão tem somente 20% dos direitos econômicos do jogador, que pertencia ao Guarani.

Existia a obrigação de pagamento de mais R$ 4 milhões ao Bugre, caso o atleta atuasse por pelo menos 45 minutos em metade dos jogos da temporada passada, o que não aconteceu. 

No início deste ano, a diretoria corintiana chegou a avançar no empréstimo do jogador ao Vitória e ao Goiás, mas a situação não foi concluída porque nenhuma dessas equipes aceitaram pagar o salário integral dos atletas ou pagarem uma taxa para firmarem a cessão temporária. 

Com Bidu em baixa, o Corinthians contratou Hugo no fim de 2023, após o jogador se destacar pelo Goiás durante o Brasileirão. O atleta assinou pré-contrato durante a gestão anterior, liderada pelo ex-presidente Duílio Monteiro Alves, mas foi apresentado nesta temporada, após encerrar o seu contrato com o clube esmeraldino.

No entanto, até aqui, o atleta não se firmou com a camisa corintiana. São 36 jogos, com quatro assistências em nenhum gol marcado. Ele ganhou sequência após Diego Palacios se lesionar ainda em janeiro, mas tem alternado a condição de titular. Tanto que foi Matheus Bidu quem começou jogando na última partida do Corinthians. 

Já o citado Palacios foi contratado como grande esperança corintiana para a posição, já que se tratava de um atleta comumente convocado pela seleção do Equador. O atleta foi adquirido sem custos, pois estava em fim de contrato com o Los Angeles FC, dos Estados Unidos, porém tem sofrido com sucessivas lesões no joelho esquerdo. 

A primeira aconteceu ainda na sua quinta partida pelo clube alvinegro, em janeiro, que o tirou de combate por mais de três meses.

Quando estava em transição para voltar a jogar, em junho, o atleta sofreu um trauma na mesma região durante os treinamentos e exames apontaram uma lesão crônica na cartilagem, fazendo com que o atleta tivesse que passar por uma artroscopia, que o tirará dos gramados muito possivelmente até o fim da temporada. 

Essas situações dão conta de que Lucas Piton fatalmente seria titular do Corinthians caso permanecesse no clube. 

Ele era preparado para assumir a lateral-esquerda corintiana após a aposentadoria de Fábio Santos, que aconteceu no fim do ano passado. No entanto, em 2022, quando começou um sistema de revezamento entre os dois, para poupar o veterano, Lucas teve atuações contestadas e não conseguiu manter o nível técnico no setor, o que fez ele ser liberado quando chegou a proposta vascaína. 

Corinthians ainda tem percentual de Piton

O Timão ainda possui 40% dos direitos econômicos do lateral-esquerdo. Diferentemente da proposta da Fiorentina, que tentou pagar 3 milhões de euros por 100% do jogador, o Vasco se propôs a pagar a mesma quantia por 60% do “passe” do atleta. 

Existia uma cláusula que faria o clube carioca pagar mais 1 milhão de euros quando o lateral completasse 50 partidas com a camisa cruzmaltina, o que aconteceu no início do ano. Mas como nem o valor referente a compra foi quitado, o Corinthians não prosseguiu para receber mais essa quantia.

Foto de Fábio Lázaro

Fábio LázaroSetorista

Nascido em Santos, criado em São Vicente e entregue à São Paulo. Na Trivela desde junho de 2024, como setorista do Corinthians. Passagem pelo Lance! entre fevereiro de 2020 e maio de 2024, onde cobriu Santos e Corinthians. Por lá, também coordenou pautas e estratégias digitais. Atualmente, também é repórter na rádio 9 de Julho, comentarista no programa Esporte por Esporte, da TV Santa Cecília, e narrador freelancer.
Botão Voltar ao topo