Copa do Brasil

Invicto, Zubeldia acredita que São Paulo pode ‘ir por tudo’ nas três competições do ano

Treinador evita elencar prioridade e diz que São Paulo pode brigar por Brasileirão, Libertadores e Copa do Brasil

Luis Zubeldía chegou a citar Alex Ferguson para dizer que evita usar superlativos para falar de sua invencibilidade de oito jogos no comando do São Paulo. O técnico costuma repetir que os jogadores precisam manter os pés no chão a cada entrevista coletiva. A modéstia só some de seu discurso quando o assunto passa a ser suas ambições para o clube em 2024.

Após carimbar a vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil com a vitória por 2 a 0 sobre o Águia de Marabá, nesta quinta-feira (23), no MorumBIS, o treinador afirmou que o São Paulo irá brigar “com tudo” por todas as competições na temporada. O técnico evita elencar prioridades, enquanto segue vivo na Libertadores e no Brasileirão. Mas cabe uma ressalva. O argentino admite que em alguns momentos terá de guardar energias para jogos decisivos.

— É difícil de responder a sua pergunta. Eu creio que o tempo nos dará um panorama muito mais claro, sinto que temos a responsabilidade de estar à altura das três competições. Depois, é certo que determinados momentos do calendário, se tem que inclinar a força do plantel para um objetivo pontual, por estar jogando as fases finais de uma copa. O Brasileirão é um torneio mais extenso. Te permite priorizar uma quartas de final, com a energia dos titulares, postergando um pouco o torneio local. Minha experiência indica que essas equipes têm que ir por tudo até que chegue a situação complicada do calendário. Aí se tomam decisões para que o jogador tenha energia às partidas. De preferência, não gosto de rodar jogadores. Hoje mudei muito, mas não gosto que percam a identidade — disse o treinador.

Técnico faz cobranças até mesmo após vitória

As ambições do treinador também marcaram presença em sua avaliação sobre o desempenho da equipe na vitória sobre o Águia. Zubeldía saiu feliz com o resultado, claro. Mas também fez cobranças para a equipe melhorar a pontaria após ver o São Paulo precisar de 27 finalizações para marcar dois gols na partida.

— Estava vendo as estatísticas. Foram 27 finalizações, cinco chances de gol. Fizemos só dois gols. Tem que seguir trabalhando. Hoje, tínhamos que ter feito mais gols. temos que ir felizes porque ganhamos. Mas é muito importante ter gols. Muito importante. Muito importante. Nem sempre vai gerar 27 finalizações para converter. Tem que fazer gol e não apenas o nove. Não podemos ter tantas finalizações para fazer o gol — ressaltou o comandante.

Por que Zubeldía usou reservas contra o Águia?

Durante a entrevista, o treinador também explicou por que optou por escalar uma formação reserva contra o Águia, mesmo após o adiamento de duas rodadas do Brasileirão lhe garantir uma semana livre para trabalhar. De acordo com o técnico, a estratégia foi de dar minutos a jogadores que pouco atuaram na temporada e ganhar também mais tempo de treinamentos com a equipe considerada titular.

— Com respeito à equipe que colocamos, sinto que é uma etapa onde os que têm mais minutos necessitam treinar sem o estresse do jogo, e os que tinham menos minutos, ou jogadores que tinham minutos, precisava vê-los em partidas oficiais com nossa gente para avaliar o rendimento. Nossa gente não se pergunta se joga Pedro ou Juan. Joga São Paulo, não importa o nome. E tem que ganhar. Essa é a mensagem para os jogadores — disse o argentino.

> Os próximos três jogos do São Paulo:

  • São Paulo x Talleres — Libertadores — quarta-feira, 29 de maio, às 21h30 (horário de Brasília) — Transmissão: TV Globo (TV aberta) e Paramount + (Streaming);
  • São Paulo x Cruzeiro — Brasileirão — domingo, 2 de junho, às 18h30 (horário de Brasília) — Transmissão: Premiere (TV por assinatura);
  • Inter x São Paulo — Brasileirão — quinta-feira, 13 de junho, às 20h (horário de Brasília) — Transmissão: Premiere (TV por assinatura).
Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo