Copa do Brasil

Time de Richarlison cai na Copa do Brasil, mas segue realizando sonhos – inclusive do seu próprio pai

Nova Venécia foi derrotado por 2 a 1 contra o Botafogo-SP na Copa do Brasil; pai de Richarlison é presidente e já jogou duas partidas pelo time capixaba

Não é bem novidade que o futebol é capaz de dar grandes oportunidades para jovens pobres possuírem uma vida melhor e acima de tudo, realizar sonhos de infância. Mas no Espírito Santo, os desejos não possuem limite de tempo e de idade. Na noite da última terça-feira (20), Antônio Marcos de Andrade, pai do atacante Richarlison, do Tottenham, acompanhou o Nova Venécia disputar a Copa do Brasil de 2024, no Estádio José Olímpio da Rocha, na cidade de Águia Branca.

Mesmo com a derrota de virada por 2 a 1 contra o Botafogo-SP e a eliminação ainda na primeira fase do torneio, o Nova Venécia conta com curiosas histórias envolvendo o atacante, que atua na Premier League. Fundado em 2021, o clube tem Richarlison, natural da cidade de Nova Venécia, como seu principal embaixador, e o pai do atleta como presidente desde a fundação, conforme lembrou o Última Divisão no Twitter.

Mesmo com apenas 3 anos de idade, o clube capixaba mostra que veio para ficar. Essa foi a segunda edição da Copa do Brasil que o Nova Venécia disputou, sendo a primeira em 2022. No seu primeiro ano disputando competições profissionais, o clube foi campeão da Copa Espírito Santo e também campeão da Série B do Capixabão. No estadual, inclusive, Antônio pôde realizar o seu próprio sonho de criança: atuar como atleta profissional. À época com 45 anos, o presidente do clube atuou em duas partidas, por apenas alguns minutos. Mesmo

– Estou muito feliz. Como presidente do clube, só tenho a agradecer primeiramente a Deus, ao meu filho (Richarlison) – que é o embaixador do Nova Venécia – a direção e a toda essa equipe, que em tão pouco tempo se tornou uma verdadeira família. Agradeço também pela oportunidade de estar participando do grupo. Estou realizando um sonho que tenho desde criança agora, aos 45 anos. Sonho que tive o prazer de ver o Richarlison realizar. Ser jogador profissional, participar, estar ali no dia a dia junto com os outros jogadores, sentindo o calor dos treinos, nos jogos, sentir a emoção da vitória, a pressão da derrota, enfim. Agora com o objetivo alcançado, vamos em busca do título -, disse ele no fim da campanha, em entrevista ao GE.

Trabalho promissor

E aos poucos, seu trabalho nos bastidores foi mostrando resultado. No ano passado, o Nova Venécia foi o vice-campeão, perdendo o título inclusive para o Real Noroeste, time que Richarlison despontou antes de se transferir para o América-MG. Neste ano, a campanha é um pouco mais preocupante. O time está apenas na sétima colocação, com 8 pontos. Foi apenas uma vitória, 5 empates e uma derrota. A esperança é que após o disputado jogo contra o Botafogo-SP, a equipe foque exclusivamente no campeonato estadual, e finalmente chegue como um dos principais postulantes ao inédito título, seja pelo investimento de Richarlison, seja pela administração de Antônio.

Apoio não falta do filho de seu Antônio. Além de sempre postar em suas redes sociais conteúdos relacionados ao clube de sua cidade, Richarlison também já foi visto várias vezes visitando o centro de treinamento do Nova Venécia. Ele já deixou claro em diversas ocasiões que seu objetivo é ajudar a realizar sonhos de jovens que, assim como ele, também são naturais da cidade de 50 mil habitantes, que fica a 254 km da capital Vitória. Em entrevista ao jornal O Globo, o atacante explicou como funciona seu trabalho como embaixador do clube de sua cidade e quais serão os seus planos envolvendo sua carreira e o Nova Venécia.

– Eu participo das ações de marketing com patrocinadores e emprestei minhas redes sociais para o clube divulgar o que for importante para o trabalho. Eu também sempre posto alguma coisa relacionada aos jogos, às conquistas. Estou sempre à disposição deles para alavancar esse projeto ainda mais. Sou torcedor mesmo, quando o horário não bate com os dos meus jogos aqui, sempre assisto e participo.

– Seria perfeito encerrar (minha carreira) por lá, na minha cidade, onde tudo começou para mim. Quem sabe? Falta muito ainda, a gente nunca sabe como será o caminho até lá, mas jogar no Zenorzão lotado seria fantástico.

Foto de Vanderson Pimentel

Vanderson Pimentel

Jornalista formado em 2013, e apaixonado por futebol desde a infância. Em redações, também passou por Estadão e UOL.
Botão Voltar ao topo