Brasileirão Série A

Tite explica situação inusitada, enquanto Pedro troca gols por vitórias do Flamengo

Atacante e treinador foram os únicos a falarem com a imprensa na noite deste sábado (6), depois do empate em 1 a 1 diante do Cuiabá

Quem esperava um pós-jogo repleto de respostas, se enganou. O empate entre Flamengo e Cuiabá terminou com poucas falas sobre o resultado, a maioria de Tite. Entre os atletas, só Pedro falou com a imprensa, já que a zona mista acabou sendo cancelada. A Trivela estava em cima do lance e conta todos os detalhes do Maracanã.

Tite, pelo menos, conseguiu explicar um pouco mais sobre a saída de Lorran e Werton, jogadores que já tinham vindo do banco de reservas. Pedro ainda demonstrou todo o amor pelo Flamengo, ao frisar que trocaria o gol marcado por uma vitória sobre o Cuiabá.

O que Tite disse durante a coletiva?

  • Elogiou a atuação do goleiro Walter, do Cuiabá;
  • Analisou a alteração inusitada de Lorran e Werton;
  • Voltou a criticar o calendário do Campeonato Brasileiro;
  • Explicou o que faltou ao Flamengo para vencer o Cuiabá.

Por que tirar jogadores que já vieram do banco?

O jogo se apresentou, tentamos usar dois pivôs, substituímos os meninos para criar as alternativas que precisámos e fica aqui o respaldo aos meninos, o Lorran e o Werton. Queria trabalhar em cima da projeção. Busquei um jogador de articulação para dar mais volume. Como eu tenho o Lorran junto com o Gerson, que são dois articuladores, eles se procuram, a ideia foi tê-los. Depois, montamos uma estratégia para furar o bloco médio e baixo deles (Cuiabá). Tínhamos que fazer o movimento no último terço.

O comandante ainda fez questão de criticar, novamente, o calendário imposto ao Brasileirão. De acordo com Tite, falta fôlego ao Flamengo em meio a sequência pesada de jogos.

— É difícil não falar da questão do calendário. A gente faz a análise do adversário e não tem como treinar para esse jogo. Você coloca no vídeo e tenta fazer com que as coisas cheguem na hora. Foi o terceiro jogo seguido em menos de 72h. Não conseguimos manter a regularidade para colocar a gente na cara do gol, de ter uma finalização mais limpa. Temos que reconhecer que, do outro lado, o Walter estava num dia iluminado — explicou.

Tite está irritado com a falta de descanso do Flamengo durante a Copa América (Foto: Dhavid Normando/Código 19/Gazeta Press)

Pedro faz escolha nobre

Ainda no campo de jogo, o autor do gol foi o único jogador do Flamengo a falar com a imprensa. Pedro viu um Rubro-Negro com pouca eficiência e presença de área em partida que precisava muito desse fator, diante de uma equipe fechada como o Cuiabá. O artilheiro ainda fez uma escolha altruísta e curiosa.

— Jogo muito difícil. Uma equipe fechada, acredito que a gente precisava ter mais presença dentro da área. Infelizmente a gente ainda tomou um gol cedo, dificultou mais ainda, eles recuaram muito cedo. Não faltou entrega, nosso time tentou o máximo para buscar a virada, mas não deu. Marquei um belo gol, mas trocaria pela vitória hoje — finalizou.

Pedro marcou o único gol do Flamengo contra o Cuiabá (Foto: Dhavid Normando/Código 19/Gazeta Press)

O próximo desafio do Flamengo será pelo Campeonato Brasileiro, na quinta-feira (11), quando Tite e companhia enfrentarão o Fortaleza, pela 16ª rodada. A bola rola a partir das 20h (de Brasília), no Maracanã.

Veja outros pontos abordados na coletiva

O que faltou para o Flamengo vencer?

— Quando você busca o gol, o emocional também conta. O próximo lance é o mais importante. Vai nessa construção. Mas isso não pode ser circunstancial, tem que ser pensada, articulada. Falei da finesse, do detalhe técnico. Do bom domínio, do bom passe, de abrir o campo. Teve alguns fatores que influenciaram.

Escolhas no time titular

— Todos os atletas podem (entrar mais vezes). As vezes, nós nominamos um. Mas tem outros. O Werton entrou bem contra o Cruzeiro. As vezes quer um jogador de flanco, outro de articulação. Dentro das lógicas e das características, nós procuramos ideias.

Mais sobre o calendário

— Vou falar um pouco pessoal. Eu fui dormir ontem. O primeiro dia depois do jogo (contra o Atlético-MG) você não descansa, tem a energia. Eu não sei se, o Bruno Henrique estando limpo, ele consegue sair do contato e não machucar. Mas quando há jogos excessivos a propensão de um atleta machucar é muito maior. Fica o registro. Se o sindicato dos atletas colocou que 66 horas é o tempo mínimo (entre uma partida e outra), eles estão errados também. Estou colocando na condicional. Eu não sei se isso pode ter influenciado a ele ter se machucado.

Lorran oscilando

— Maturidade. Tempo jogado. Isso só se consegue jogando. E treino. O cara tem uma semana inteira para trabalhar, orientar como ele faz a pressão… Nós ficamos nessa loucura de um jogo atrás do outro. Assim como a equipe oscila, o garoto vai oscilar também.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

Jornalista formado pela PUC-Rio. Da final da Libertadores a Série A2 do Carioca. Copa do Mundo e Olimpíada na bagagem. Passou por Coluna do Fla e Lance antes de chegar à Trivela, onde apura e escreve sobre o Flamengo desde 2023.
Botão Voltar ao topo