Brasileirão Série A

Rebaixamento do Internacional? Coudet, agora livre dele, diz que nunca se preocupou com isso

Internacional garantiu permanência matemática na Série A com vitória sobre o Cuiabá, mas técnico Eduardo Coudet garantiu que essa nunca foi uma preocupação

Com a vitória por 2 a 0 sobre o Cuiabá, na noite desta quarta-feira (29), na Arena Pantanal, o Internacional garantiu matematicamente a permanência na Série A do Campeonato Brasileiro. Mas o técnico Eduardo Coudet reiterou que a possibilidade de rebaixamento nunca o perturbou, mesmo com a proximidade proporcionada pelo foco na Libertadores, em que chegou na semifinal.

— Sinto que tomamos a decisão certa porque estávamos muito longe no Brasileirão. E vou falar pela minha própria palavra que eu nunca estive preocupado com o rebaixamento, porque sei do grupo que tenho, do trabalho do dia a dia. Estava com tranquilidade de que, quando precisasse, ia dar certo — afirmou Coudet.

Coudet prefere brigar por uma Libertadores do que participar de duas

Além de não poder mais ser alcançado pelo Bahia, primeiro time dentro da zona de rebaixamento, o Inter também confirmou vaga para a Copa Sul-Americana de 2024. É um prêmio de consolação para quem esteve perto de ser finalista da principal competição continental neste ano. Mas Coudet trouxe ponto de vista distinto sobre isso, como forma de defender a campanha realizada.

— Estivemos muito perto na Liberta, não vou cansar de repetir. Então sinto que tomamos a decisão certa, porque não é só a classificação. É brigar pelo título. Porque se você fala para o torcedor o que prefere? Jogar um ano sim e um ano não e brigar e estar iludido de que pode acontecer, ou jogar todos os anos para jogar oitavas de final? Eu acho que prefere a cada dois anos brigar pelo título. Sinto que tomamos a decisão certa porque estávamos muito longe no Brasileirão — comentou o treinador do Inter.

Coudet avalia melhora do Internacional no segundo tempo

Sobre o jogo contra o Cuiabá em si, Coudet avaliou a diferença de desempenho da equipe de um tempo para outro. Após leve superioridade na primeira etapa, o Inter marcou duas vezes na segunda para conquistar a vitória.

— Acho que fizemos algumas movimentações quanto à parte tática. Também o rival correu bastante no primeiro tempo. Tínhamos necessidade de melhorar a troca de passes, quanto a ser simples e dar velocidade. É difícil cobrar ou pedir para os jogadores. Fazia muito calor, de fora sentíamos muito. Mas sim, quando começamos a trocar passes, dar mais amplitude ao time, melhoramos a precisão e a velocidade da troca de passes. Aí nos sentimos mais cômodos, e começamos a manejar o tempo do jogo — pontuou.

Coudet quer Pedro Henrique centralizado, perto do gol

Depois de Enner Valencia abrir o placar, Pedro Henrique entrou em seu lugar na reta final do jogo e, mesmo com pouco tempo em campo, foi bastante participativo. Cabeceou uma bola para fora, uma na trave, e ampliou ao concluir para as redes cruzamento de Maurício. Coudet entende que o posicionamento em que entrou, centralizado no ataque, é o ideal para PH.

Pedro Henrique marcou o segundo gol da vitória colorada em Cuiabá. Foto: Ricardo Duarte/SC Internacional

— Eu falei pessoalmente com o Pedro. […] Acho que a posição em que mais pode nos dar. Sempre falo, tentamos fazer um jogo de compreensão, onde os espaços são mais fechados, e normalmente por fora, não usamos pontas. Às vezes nos adaptamos às características. Mas acho que pode ajudar muito o time, e nesta posição. Tento o convencer desse posicionamento na área. Pelo tempo que tem jogando pelo lado, gosta de sair pelas beiradas, mas ele é muito rápido, forte, e tem um jogo aéreo determinante. Se pergunta para mim se sinto que é a melhor posição? Sim. Com o tempo tento convencer ele e dar as ferramentas para ele jogar e render ali. Sinto que pode ser muito importante ali. Contente por ele ter feito [gol] — comentou Coudet.

Apesar da entorse, Coudet demonstra otimismo sobre Johnny

O treinador colorado também demonstrou otimismo quanto à condição de Johnny, apesar da preocupação por conta da entorse no tornozelo direito sofrida pelo volante. Ele precisou ser substituído aos 16 minutos do segundo tempo.

— Ainda não falei com o doutor. […] Mas estava bem. Foi também um susto, porque o jogador encaixou em cima. Foi um susto, acho, em relação ao que realmente é. Depois vamos avaliar quem está melhor para jogar, mas penso que está bem — comentou.

Internacional volta a campo em menos de 72h

Com o desgaste da partida sob calor de 30º C em Cuiabá, o Internacional viaja direto para São Paulo, onde no sábado, às 18h, volta a campo contra o Corinthians, na NeoQuímica Arena. Coudet destacou a dificuldade dessa sequência, ao mesmo tempo em que valorizou seus atletas.

— Tentar recuperar para sábado. Também está fazendo calor em São Paulo. Temos menos 72h. Ressaltar o esforço que estão fazendo os jogadores — destacou.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho. Formado em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Antes de escrever pela Trivela, esteve na Rádio Grenal e na RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo