Brasileirão Série A

É impossível entender o que Abel queria desse Palmeiras que apanhou do Fortaleza

Alviverde entrou com um time desfigurado e perdeu com deméritos para o Leão do Pici

Na semana em que se tornou o técnico mais longevo da história do Palmeiras de modo ininterrupto, Abel Ferreira teve uma noite de forasteiro na Arena Castelão.

Eram cinco vitória seguidas, com pelo menos quatro jogos muito bons — Vasco, Atlético-MG, Red Bull Bragantino e Juventude. O Palmeiras tinha encontrado um time e um jeito de jogar. A ponta do campeonato estava logo ali.

E sim, há jogadores cansados e um Dérbi na próxima rodada. Uma gestão de elenco precisava ser feita. Mesmo assim, não deu para entender o que o técnico Abel Ferreira queria da bizarra escalação que perdeu por 3 a 0 do Fortaleza nesta quarta-feira (26):

Weverton, Marcos Rocha, Naves, Murilo e Piquerez; Aníbal Moreno, Zé Rafael e Gabriel Menino; Mayke, Rony e Caio Paulista

Quatro laterais: Mayke e Rocha de um lado, Caio Paulista e Piquerez do outro. Gabriel Menino de armador. Mayke e Caio como pontas.

Palmeiras teve volume

O Palmeiras até teve volume no primeiro tempo. Gabriel Menino teve uma boa chance na entrada da área, que o goleiro João Ricardo salvou.

Mas um erro de Naves, que vinha sendo impecável e estava invicto pelo Verdão, começou a dar vantagem ao Fortaleza. E um erro bobo, numa virada de jogo interceptada. Pikachu encontrou Lucero, com um lançamento perfeito. O argentino entortou Murilo e fez 1 a 0, com um chute no ângulo.

E logo, ainda no 1º tempo, um time que já havia sido escalado errado ficou ainda pior. Gabriel Menino, que era quem armava o jogo, sentiu um desconforto estomacal. Em seu lugar, entrou Flaco López. Como meia. Foi dele o melhor chute do time, nos acréscimos.

Mexidas e tudo errado

Ao menos, a alucinação de Flaco armador durou pouco. Para segunda etapa, Abel sacou Naves para a entrada de Veiga. Sim, os quatro laterais seguiam em campo, três deles improvisados.

Se ia dar certo, nem deu para saber. Porque com 3 minutos do 2º tempo, Lucero acertou o ângulo de Weverton para fazer o segundo: 2 a 0.

Por falar em (não) dar certo, Abel ainda viu Rony e Aníbal Moreno receberem cartões amarelos e ficarem suspensos para encarar o Corinthians. Pouco depois, Murilo sentiu a coxa esquerda e também deixou o campo, forçando a estreia de Vitor Reis, de 18 anos.

Marcas que caem

Eventualmente, Estêvão e Dudu entrariam, e o Palmeiras ganharia uma cara menos estranha. Não sem antes levar o terceiro gol, em uma jogada bem construída pelo lado esquerdo do campo.

Raphael Veiga ainda exigiu uma defesaça de João Ricardo cobrando falta. Rony, vindo pela esquerda, e Dudu, batendo com o pé esquerdo, também incomodaram. Mas só incomodaram.

Depois de seis jogos, o Palmeiras ficou no zero. Depois de dez, voltou a perder. E depois de 42, voltou a sofrer três gols.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata LimaSetorista

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo