Brasileirão Série A

De repente, metade do elenco está voando, e Palmeiras já vê liderança de perto

Time de Abel Ferreira tem uma legião de atletas vivendo seus melhores momentos no ano ao mesmo tempo

Faz quatro jogos que o Palmeiras passa por uma série de ressurreições. Vários atletas que vinham tendo anos irregulares chegaram aos seus melhores desempenhos ao mesmo tempo no Campeonato Brasileiro.

A vitória por 3 a 1 contra o Juventude, neste domingo (23), no Allianz Parque, a quinta seguida do time no torneio, marcou o auge desse fenômeno. Weverton, Zé Rafael, Gabriel Menino e Raphael Veiga: todos foram nada menos que ótimos contra a equipe gaúcha.

Para coroar a lista, a partida que levou o time aos 22 pontos, a um do líder Flamengo, teve também a volta de Dudu. Aos 20 do 2º tempo, logo depois de o Palmeiras fazer seu segundo no jogo (de Estêvão), o camisa 7 entrou em campo.

O Allianz Parque, que gritava o seu nome, veio abaixo, para usar um termo clichê. Com o Baixola, o Palmeiras criou ainda mais chances. Não necessariamente por causa dele, mas pelo menos três para ele. Todo mundo queria ver Dudu balançando a rede.

Dudu chegou a bater a gol. Mas assim como para correr, deu claramente para ver que o camisa 7 ainda está longe de seu melhor também para arrematar.

Duas linhas próximas

O final festivo contrasta um pouco com as dificuldades encontradas pelo time na primeira etapa. O misto do Palmeiras, com Vanderlan, Fabinho e Flaco, teve muito volume. Mas, na hora de finalizar, esbarrava em uma defesa muito fechada e na irritante cera do Juventude.

Não é modo de falar: os atletas do Juventude, desde o primeiro minuto, em especial o goleiro Gabriel, retardaram muito as cobranças de infrações e tiros de meta. Além de se jogarem no chão a todo momento.

Roger Machado armou seu Juventude com as duas últimas linhas muito recuadas. A equipe da serra gaúcha chegou a se defender com nove jogadores em sua área em lances de bola rolando.

Mesmo assim. Flaco, Veiga, Menino e Zé Rafael tiveram boas oportunidades. E toda vez que o bola caía no pé de Estêvão, o Juventude sofria. Nem mesmo a marcação dobrada conseguia brecar o futuro jogador do Chelsea.

Em algumas escapadas, Weverton também teve de trabalhar. O goleiro parece ter voltado à sua melhor forma.

Gol no início mudou jogo

O segundo tempo apontava para um cenário parecido — inclusive no que diz respeito à cera. Mas, logo aos 3, em uma jogada simples, de lateral cobrado para o fundo, Veiga dominou solto e cruzou. Flaco subiu sozinho e fez 1 a 0.

O Juventude até empatou, aos 19, num gol de lateral batido na área, que não assustou o Allianz Parque. Onze minutos mais tarde, Estêvão desempatou a partida. Cansado de ser marcado implacavelmente pela direita, o camisa 41 foi se esconder na esquerda.

E, no primeiro lance pelo lado invertido, Veiga, mais uma vez, cruzou com perfeição. No meio do caminho, Flaco ainda resvalou de cabeça. Estêvão matou no peito, ajeitou e bateu cruzado: 2 a 1.

Com a comemoração do gol misturada a pedidos pela entrada de Dudu, o estádio virou um caldeirão, que atordoou o Juventude. E, aos 36, Mayke fez o terceiro, com um cruzamento de Zé Rafael.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo