Brasileirão Série A

As opções de Felipão para montar um Atlético-MG muito desfalcado

Felipão tem problemas, principalmente no meio e na defesa, para montar o time do Atlético no próximo jogo

O Atlético-MG e o técnico Felipão terão problemas para a próxima rodada do Campeonato Brasileiro. Os desfalques são tantos, principalmente do meio para trás, que pode ser que nem mesmo o treinador esteja disponível para a próxima partida. Mas o clube tem algumas alternativas para suprir as ausências.

O Atlético vai encarar o Athletico-PR no próximo sábado (2), na Ligga Arena, em Curitiba. Para o confronto, é certo que Felipão não vai contar com o zagueiro Maurício Lemos e o volante Battaglia, ambos suspensos. Além disso, Igor Rabello segue de fora por uma lesão.

Outros três jogadores estão em situação de lesão, sendo um deles com um algo a mais. O primeiro é Alan Franco, que entrou na vaga de Otávio no último jogo, mas teve uma entorse no joelho direito detectada após a partida. Ele já iniciou fisioterapia e é dúvida para encarar o Furacão. Já o meia Hyoran foi liberado nesta quarta (30) para realizar a transição física. Ele não atua desde o início do mês, quando teve uma lesão no adutor da coxa. É outro que pode ou não já estar disponível para sábado.

Quem vive situação ainda mais indefinida é Zaracho. O meia foi liberado na segunda (28) para transição física, após tratar lesão na no posterior da coxa. Ou seja, teria mais tempo para treinar e assim ficar à disposição para sábado. No entanto, o pai do jogador faleceu nesta quarta e ele foi liberado para viajar para a Argentina. Por isso, a participação dele contra o Athletico-PR é improvável.

Atlético aguarda o STJD

Além das certezas e dos lesionados, o Atlético precisa esperar decisões do Superior Tribunal de Justiça. Guilherme Arana foi punido pelo STJD com dois jogos de suspensão, pela expulsão contra o Goiás, no dia 17 de julho. Na ocasião, o lateral acertou uma cotovelada no rosto do rival esmeraldino. O Galo entrou com recurso para liberar Arana até o julgamento no pleno do Supremo. Caso não consiga, ele estará fora do jogo em Curitiba.

Outra situação para resolver no STJD envolve o próprio Luiz Felipe Scolari. O treinador havia sido suspenso com dois jogos por reclamações após a derrota alvinegra para o Grêmio. O Galo entrou com recurso e a suspensão caiu para um jogo. Nesta quinta, o pleno do STJD julgará, em última instância final, o caso de Felipão. Caso a suspensão de dois jogos seja mantida, ele estará fora de ação contra o Athletico-PR, seu ex-clube.

Quais as soluções para o Atlético?

Dos titulares do Atlético, são dois desfalques certos: Lemos e Battaglia. Para a vaga deles, o natural são as entradas de Bruno Fuchs e Alan Franco. No entanto, já foi citado que o equatoriano está na fisioterapia e é dúvida. Sendo assim, Edenílson é o mais cotado para iniciar jogando contra o Athletico-PR. Pedrinho, que se mostrou o encaixe perfeito para o time, deve seguir entre os titulares.

Se o Galo não conseguir o efeito suspensivo e Guilherme Arana ficar suspenso, Felipão terá que mudar também a lateral-esquerda. Nesse caso, o jovem Rubens é a opção mais certa. Patrick corre por fora nessa história.

E se Felipão quiser inovar?

Com os desfalques, os prováveis e os jogadores que estão apenas voltando, ou seja, não estão 100%, Felipão pode optar por algumas surpresas no time. A primeira seria a utilização de Rubens em sua posição de origem, como meia. Na base, o jogador foi um exímio “camisa 8”, sendo onipresente no meio campo, tanto na marcação quanto na chegada na área. Ele, inclusive, foi artilheiro do sub-20 atleticano em 2021. Com o jovem centralizado, Otávio se torna um volante fixo defensivamente. Igor Gomes é outro que pode ser testado nessa ideia.

Mas a opção de Rubens como meia pode cair por terra se Arana seguir suspenso pelo STJD, já que ele é a primeira opção para a lateral-esquerda. Por isso, Felipão pode optar por mudar a formação do Atlético. Nesse caso, pensando ser um jogo complicado, fora de casa, contra um forte Athletico-PR, ele pode optar por tirar Pavón e usar quatro meias, lembrando o esquema usado por Coudet no Galo. Com isso, a meiuca atleticana ficaria com Edenílson na direita, Otávio de volante pelo meio, Patrick na esquerda e Pedrinho como meia de criação, deixando assim Paulinho e Hulk como dupla de ataque.

Mudança para três zagueiros

Como o substituto natural de Battaglia corre o risco de também não estar disponível, Felipão pode optar então por mudar a formação do time do Atlético. Ele revelou, após o jogo contra o Bahia, que faz alguns testes com três zagueiros nos treinos:

— A gente treinou nesta semana com três zagueiros, e um deles foi o Bruno Fuchs. Ele vem de lesão, mas as características dele são muito boas pra jogar com três zagueiros, e já jogou até como lateral.

A situação agora é um pouco diferente da que era na época da fala de Felipão. Sem Rabello e Lemos, o Galo conta com apenas três zagueiros à disposição para o jogo: Bruno Fuchs, Jemerson e Réver. Ou seja, se optar por esse esquema, não terá nenhum zagueiro disponível no banco, ou terá que chamar um jovem da base para compor.

A formação com três zagueiros levou Felipão a um de seus maiores feitos na carreira, se não o maior: o título da Copa do Mundo de 2002 com o Brasil. Na ocasião, o treinador tinha Edmilson, Roque Júnior e Lúcio no trio de zaga, com os laterais Roberto Carlos e Cafu ganhando liberdade para atacar.

Esquema ajuda o lateral-esquerdo, independente de quem seja

Com uma formação com três zagueiros, o natural é que os laterais tenham mais liberdade para atacar. Nisso, quem ganharia muito é Guilherme Arana, que tem as características ofensivas como as suas principais. Caso o jogador não possa jogar pela suspensão aplicada pelo STJD, os substitutos dele também seriam beneficiados.

Apesar de ter excelentes números defensivos, como ser um dos líderes em desarmes no Brasileirão, Rubens também tem suas valências ofensivas apuradas, já que surgiu na base como meia. Já Patrick é meia de origem e atuou várias vezes na carreira como um ala pela esquerda, exatamente a função que faria nesse esquema.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo