Brasileirão Série A

‘Fizemos mal muitas coisas’: Milito lamenta desastre defensivo do Atlético-MG em goleada

Atlético sofreu quatro gols pelo segundo jogo seguido, dessa vez, por conta de uma defesa que não soube defender, como explicou Milito

O Atlético-MG foi batido pelo Vitória por 4 a 2 nesta quinta-feira (20), o segundo jogo seguido do time sofrendo quatro gols. Diferente do último, quando a expulsão de Hulk condicionou o jogo e o placar, o que fez a diferença foi o desastre defensivo do time atleticano, que não conseguiu marcar de jeito nenhum, como disse Milito.

O Atlético estava muito desfalcado, sem seus artilheiros Hulk e Paulinho, por exemplo, e, mais uma vez, teve muitas modificações no time. Essas várias mudanças, que não são só de peças, mas também jogadores trocando de posição e função, parecem ter afetado o time defensivamente.

Contra o Vitória, o Atlético sofreu para marcar basicamente todos os ataques em que o adversário conseguiu passar do meio-campo com a bola dominada. Para Milito, esse foi o principal problema do time.

— Concedemos quatro gols que considero que podíamos ter feito melhor. Não pudemos defender melhor. Isso foi a chave do jogo. Claramente tínhamos a intenção de jogar outra partida. Fizemos o gol e nos colocamos no jogo com o empate. Tivemos algumas situações claras para o 2 a 1, mas não convertemos. Foi uma partida que nos custou muito controlar as transições do Vitória — explicou Milito.

Para ganhar, tem que fazer muitas coisas boas, independente do adversário. Hoje fizemos mal muitas coisas. Por isso tomamos quatro gols — Gabriel Milito

Para o treinador, muito desse problema defensivo também tem a ver com o ataque, já que o Galo teve dificuldades para definir as jogadas ofensivas, o que fazia a bola voltar para o Vitória, que explorava os contra-ataques, pegando a defesa atleticana desprevenida e bagunçada.

— Considero que o ataque e a defesa vão juntos. Quando ataca e ataca bem, finaliza as ações, é uma das maneiras para não gerar contra-ataques. Nossos ataques, alguns terminaram em finalizações, mas outros não, e não conseguimos segurar esses contra-ataques como habitualmente fazemos. Os jogadores rivais tiveram muito tempo para receber a bola e atacar. Eles faziam a gente recuar 50/60 metros até a nossa área, e depois, tampouco conseguimos defendê-la — destacou o argentino.

Eu gosto de atacar, mas, para isso, temos que controlar melhor os contra-ataques, e a melhor maneira de controlar isso é finalizando as ações do ataque. Sei que não vamos conseguir em todas, mas, se não finalizamos, temos que marcar melhor para não receber contra-ataques. Isso hoje não fizemos bem. E também não defendemos bem a nossa área — Gabriel Milito.

Como se recuperar? Jogando o ‘futebol sagrado’

Com duas goleadas seguidas, sofrendo quatro gols em casa, o Atlético não terá muito tempo para lamentar, já que volta a campo já no domingo (23), contra o Fortaleza. Para tentar se recuperar neste jogo, Milito acredita na força dos jogadores que tem.

— Tenho certeza que, todos juntos, vamos melhorar e ganhar. Agora, nas adversidades, mais juntos do que nunca. É redobrar os esforços. Não há desculpas. Somos profissionais, temos que nos recuperar rapidamente e jogar o próximo jogo como uma mentalidade de querer ganhar a partida, demonstrando isso e fazendo isso — disse o treinador.

Sobretudo, é aprender para não voltar a repetir os erros de hoje — Milito

O treinador afirmou que, com calma, será feita uma análise profunda do que é necessário corrigir para melhorar. Ele entende que o Galo precisa voltar a ser contundente nas duas áreas. No ataque, finalizar as jogadas como antes, e na defesa conseguir evitar as tentativas dos adversários.

Contra o Vitória, Milito viu um Atlético que não soube definir os ataques e muito menos marcar na defesa, pecando assim nas duas áreas mais cruciais do campo. Mas ele crê que são capazes de retomar isso, como era feito na sua chegada.

— Perdemos isso nos últimos jogos, mas tenho a confiança de que vamos recuperá-los. Agora temos que jogar o futebol sagrado, de jogar com orgulho, a vergonha de ter perdido. Isso te dá potencial, e necessitamos disso o quanto antes — afirmou.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander HeinrickSetorista

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo