Brasileirão Série A

‘Negro de m…’: meia do Fortaleza acusa Battaglia, do Atlético-MG, de racismo

Ofensa teria ocorrido ainda no primeiro tempo do empate entre Atlético e Fortaleza, árbitro registrou na súmula

Além de todos os problemas que vem passando nas últimas semanas, o Atlético-MG pode ter mais um para resolver — esse bem mais grave. Capitão do time nos últimos jogo, o volante Battaglia foi acusado de racismo por Pedro Augusto, meia do Fortaleza. O árbitro registrou a suposta ofensa do argentino na súmula.

No empate entre Atlético e Fortaleza neste domingo (23), quando o Galo perdia por 1 a 0, ainda no primeiro tempo, aconteceu uma confusão aos 34 minutos após uma dividida entre Alisson e Pedro Augusto.

O meia do Fortaleza ficou no chão e Battaglia tentou levantá-lo. Pedro não gostou da atitude do jogador do Atlético e eles começaram a bater boca. Pelas imagens da transmissão do Premiere, dá para ver Pedro xingando o capitão do Atlético, que retruca.

De costas para a câmera, não dá para ver o que Battaglia diz, mas, imediatamente, Pedro Augusto corre em direção ao árbitro e começa a relatar a suposta ofensa do argentino. O dono do apito, Flávio Rodrigues de Souza, não viu o ocorrido, como relatou na súmula.

Informo que aos 34 minutos do primeiro tempo, o jogador de número 28 da equipe visitante, Sr. Pedro Augusto Borges da Costa, veio em minha direção relatando que o seu adversário de número 21, Sr. Rodrigo Andres Battaglia, havia o insultado de “negro de m*rda”. Esclareço que este episódio não foi presenciado, tampouco ouvido pela equipe de arbitragem — relatou o árbitro na súmula da partida.

Uma testemunha… que não se manifestou

No momento da suposta ofensa de Battaglia, o único jogador, além dele e Pedro, próximo ao lance era o também argentino Pochettino, do Fortaleza, que estava apartando a discussão. O camisa 7 do Leão não fez menção de reclamação ou algo do tipo.

A discussão entre os jogadores se estendeu, com Pedro Augusto revoltado e apontando ao árbitro sobre o que Battaglia teria dito. O argentino do Galo, pelo seu lado, demonstrou mais tranquilidade e parece ter feito sinal jurando que não havia feito o que tinha sido acusado.

Após cerca de um minuto e meio, o jogo voltou a rolar e não houve mais relatos de desentendimento, nem mesmo entre os atletas que se tornaram desafetos naquele momento.

Battaglia (capitão) e Pedro Augusto (na frente do Paulinho) próximos em lance na área, já nos minutos finais do jogo (Pedro Souza / Atlético)

Fortaleza repudia Battaglia

Em nota, o Fortaleza repudiou, “de forma veemente”, o ato supostamente cometido por Battaglia, afirmando não haver mais espaço para esse tipo de acontecimento no futebol.

O Fortaleza dá total suporte ao seu atleta, Pedro Augusto, e reitera o repúdio a todo e qualquer ato de xenofobia, racismo e discriminação, sendo tais condutas incompatíveis com os valores e história dos clubes envolvidos — cita parte da nota do Leão

A nota ainda destaca que Fortaleza e Atlético são clubes com boa relação, e espera que Battaglia assuma o que fez e trate o assunto para entender que é algo não mais tolerado.

Atlético apura o caso

A Trivela acionou a assessoria do Atlético, que afirmou que, no momento, estão apurando o ocorrido, já que não há registro do ocorrido nem por parte da arbitragem que, como citado na própria súmula, não presenciou o que ocorreu.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander HeinrickSetorista

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo