Brasileirão Série A

Nove anos depois, Mano Menezes volta ao comando de um Corinthians que sonha com uma final continental

Opção por Mano Menezes mostra uma diretoria presa em um clico há pelo menos 15 anos

Mano Menezes é o novo treinador do Corinthians e com contrato até final de 2025. Essa será a terceira passagem do treinador gaúcho pelo clube paulista. Ele chega ao clube no meio de uma disputa de semifinal da Copa Sul-Americana e já com um clássico diante do campeão São Paulo no próximo sábado (30).

A opção por Mano Menezes foi um plano B da gestão Duilio. Isso porque, após a queda de Luxemburgo, a torcida corinthiana pressionou pela volta de Tite ao Corinthians. O ex-treinador da Seleção Brasileira nas últimas duas Copas do Mundo, porém, parece ter um acerto quase que consolidado com o Flamengo.

Assim como Tite, Mano Menezes também é uma tentativa da diretoria alvinegra de remeter a um passo recente de glórias. Foi Mano que levou o Corinthians do fundo do poço da Série B para a glória de um Campeonato Paulista invicto e o tricampeonato da Copa do Brasil, ambos em 2009.

Mano Menezes teve a sua primeira passagem pelo clube interrompida pela Seleção Brasileira. Ele ainda voltaria ao clube em 2014, quando não repetiu os momentos de glória de outrora. Em 2023, o gaúcho chega muito mais contestado ao clube do que em qualquer momento.

Mano teve sucesso no Cruzeiro e treinou até arquirrival

Fora do Corinthians, Mano treinou outros clubes no Brasil, entre ele o Cruzeiro, onde foi campeão de dois Campeonatos Mineiros de 2018 e 2019 e da Copa do Brasil de 2017 e 2018, esta última conquistada em plena Neo Química Arena. 

Além das passagens no exterior, Mano também teve passagens pelo Bahia e pelo rival Palmeiras, o treinador comandou o rival do Corinthians em 20 jogos: foram 11 vitórias, quatro derrotas e cinco empates, mas seu último clube foi o Internacional, onde trabalhou por quase duas temporadas e levou o clube até a vaga da Libertadores da América. Mano foi demitido depois de uma sequência de resultados ruins, e estava no mercado desde então.

Retorno de Mano mostra que a diretoria continua presa no mesmo ciclo

A opção pela volta de Mano Menezes e até mesmo a tentativa de buscar Tite mostram uma diretoria presa em ciclo de treinadores há pelo menos 15 anos. Ao que parece, a gestão do clube tenta de qualquer forma repetir uma espécie de fórmula, que não vem se provando eficaz. 

A terceira passagem de Mano Menezes é explicada por suas conquistas de um trabalho feito entre 2008-2010. O próprio Tite, de inúmeras glórias entre 2012 e 2015, também teve um final de segunda passagem contestado no clube.

Quando houve uma chance para se reinventar, a diretoria bancou Fábio Carille, profissional advindo dessa mesma linhagem de treinadores. Com ele, o Corinthians voltou a ser campeão nacional, mas não construiu um projeto de futebol sólido, que pudesse ser desenvolvido à longo prazo.

Sem rumo, ainda mais a desastrosa passagem de Cuca e Luxemburgo pelo clube, restou aos dirigentes do Corinthians a tentativa milagrosa de repetir o passado. Para isso, Mano Menezes vai ter de fazer um trabalho muito melhor do que vem fazendo nos últimos clubes que dirigiu.

Oposição eleitoral não concordou com a postura e escolha do treinador 

Há um mês das eleições para presidência, o clima no Parque São Jorge é de divisão. De um lado o grupo que está há pelo menos 15 anos ocupando a cadeira mais importante do Corinthians, o Renovação e Transparência, com o candidato André Negrão, e do lado oposto Augusto Melo, que em 2020, ficou em segundo lugar, perdendo para o atual presidente Duílio Monteiro Alves, mas que tem conseguido mudar alguns pensamentos dentro do clube social do Timão.

Com o pleito chegando, e o anúncio de Mano como novo treinador, Augusto Melo disse em nota que não concorda com a contratação, que a escolha deveria ter sido feita em comum acordo entre os dois candidatos, já que ainda não se sabe quem será eleito, Melo reforçou que sempre deixou claro que o recém-anunciado treinador nunca foi prioridade para ele:

”A Frente Ampla de Oposição, liderada pelo candidato à presidência do Corinthians, Augusto Melo, lamenta mais uma vez a forma como a diretoria do clube conduziu, nos últimos dias, a troca do comando técnico do time masculino de futebol. A menos de dois meses das eleições, qualquer um com mínimo de bom senso entende que a contratação de um treinador, peça fundamental na montagem do planejamento para a próxima temporada, deveria ser delegada ao próximo presidente. Ou, no mínimo, mostrar grandeza para deixar política e vaidade de lado e reunir os candidatos para definir nome de consenso.

Porém, como grandeza, planejamento, competência e bom senso definitivamente são termos que não definem o grupo comandado por Andrés Sanchez e que há 16 anos trata o Corinthians como propriedade pessoal,  somos obrigados a conviver com mais uma aberração administrativa dessa gente. O resultado, todos já sabem, é desastroso e deixa explícita a incompetência dos atuais dirigentes. O Corinthians chega a seu quinto técnico no Campeonato Brasileiro.

Augusto Melo já deixou claro em entrevistas que, embora tenha grande respeito pelo profissional, Mano Menezes não seria sua prioridade para técnico do Corinthians. Ou seja, tanto a diretoria quanto o novo técnico sabiam disso quando aceitaram fazer negócio. “Nosso posicionamento já foi dado. Vamos torcer para que os resultados apareçam em campo. Uma vez vencidas as eleições, vamos agir com todo o respeito ao profissional e analisar o trabalho realizado nesse curto tempo”, afirmou. “A responsabilidade por qualquer consequência desse processo é exclusiva daqueles que fizeram parte dele.”

O que esperar da 3ª temporada de Mano no Corinthians

Mano chega ao Corinthians em uma cenário quase que paradoxal. O time está a um jogo de uma decisão continental e, ao mesmo tempo, segue preocupado com a zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Até para ter um início mais tranquilo de trabalho, treinador sabe que precisará de vitórias no torneio nacional.

Já neste sábado (30), diante do São Paulo, o treinador terá uma grande oportunidade de mostrar a que veio e dar uma resposta rápida ao torcedor corinthiano. Resta saber se em dois dias conseguirá organizar o time minimamente para enfrentar um rival mais consistente – ainda que de ressaca de um título importante.

Após o desafio do Majestoso, Mano Menezes ainda terá pela frente um Fortaleza sólido, guiado por um consistente e duradouro trabalho do técnico argentino Juan Pablo Vojvoda.

Para tornar a missão ainda mais ingrata, o Corinthians não conseguiu construir a vantagem na ida em Itaquera, fato que obrigará Mano a um decisão: montar um time que segure um empate e aposte em Cássio nos pênaltis ou tentar, de alguma forma, agredir os donos da casa em pleno Castelão.

A esperança do torcedor corinthiano, um velho conhecido de Mano, é que o treinador gaúcho já de cara acerte o setor defensivo, característica padrão dos times vitoriosos da carreira do comandante. 

Os números de Mano Menezes no Timão

Em sua terceira passagem pelo clube, Mano Menezes vai se consolidar mais folgadamente na terceira posição de treinadores que mais comandaram o Corinthians em sua história.

Mano Menezes tem 248 jogos pelo Corinthians, atrás apenas de Tite (378) e Oswaldo Brandão (435).

Foto de Jade Gimenez

Jade Gimenez

Jornalista, fascinada por esporte desde a infância, paixão que se tornou profissão. Além do futebol me mantenho por dentro de outras modalidades desde Fórmula 1 até NFL. Trabalhei como repórter em TV e rádio cobrindo partidas de futebol, futsal e basquete.
Botão Voltar ao topo