Brasileirão Série A

Improdutivo, Arthur Gomes não justifica vaga cativa no time do Cruzeiro

Após estrear bem, rendimento de Arthur Gomes despencou, mas oportunidades não diminuíram no Cruzeiro

Uma das contratações mais caras do Cruzeiro em 2023 — custou cerca de R$ 16 milhões junto ao Sporting, de Portugal, o ponta Arthur Gomes não vem justificando o investimento em seu futebol e tem acumulado partidas improdutivas pela Raposa. Ainda assim, apesar de não vir bem, o camisa 19 segue como titular da equipe, com “regalias” que nem Bruno Rodrigues, o mais efetivo do ataque, possui.

Desde que chegou ao Cruzeiro, na janela de transferências do meio do ano, Arthur Gomes disputou 13 jogos — cinco deles com Pepa, um com Fernando Seabra e sete com Zé Ricardo —, marcando dois gols e dando uma assistência. As duas bolas na rede aconteceram na estreia do jogador, no dia 29 de julho, contra o Athletico-PR. A assistência foi mais recente, no jogo contra o Bahia, quando ele passou para Marlon cruzar, mas o lateral contou com a contribuição do goleiro Marcos Felipe para fazer o gol.

Os números do jogador são ruins, assim como sua contribuição para o combalido setor ofensivo celeste, que sofre para marcar na temporada. Ainda assim, Arthur Gomes parece ter vaga cativa no time. Desde sua chegada, o jogador foi reserva em apenas duas partidas, contra o Fluminense — quando entrou no intervalo —, e contra o Flamengo — não sendo utilizado por já estar com dois amarelos. Apesar disso, Zé Ricardo nega que haja insistência com o atleta.

— Não é insistência. É a entrega daquilo que foi feito durante a semana. Hoje o Arthur fez um papel tático que ajudou muito a equipe a marcar a saída de três do São Paulo, com o Rafinha — disse o treinador, em coletiva após a derrota do Cruzeiro para o São Paulo, no Morumbi, nessa quinta-feira (2).

Arthur Gomes x Bruno Rodrigues

Além de jogar frequentemente, o jogador parece ter a preferência dos treinadores em relação a Bruno Rodrigues, jogador da mesma posição, mas que frequentemente perde a “queda de braço” com o colega de ataque. Tanto Bruno como Zé Ricardo já admitiram que o camisa 9 não gosta de atuar centralizado no ataque, preferindo jogar pelo lado esquerdo.

— O Bruno realmente gosta de jogar pelo lado esquerdo, mas a gente ainda está com o Rafael Papagaio voltando (de lesão), sem um ritmo ideal, próxima partida ele tá fora novamente, porque tomou o terceiro cartão amarelo, e a gente tem que usar daquilo que temos dentro do nosso plantel — disse Zé Ricardo após partida contra o São Paulo.

Apesar disso, na ausência de centroavantes de ofício, normalmente é Bruno Rodrigues quem é deslocado para a posição de falso 9. Recentemente, Bruno e Arthur têm se revezado mais na função, mas, ainda assim, Rodrigues aparece mais neste espaço do campo. Isso seria algo normal, visto que ele possui uma melhor finalização, mas se torna questionável quando se nota que o camisa 9 é o mais efetivo jogador do time em 2023 atuando pela esquerda.

Com isso, a impressão que fica é que o principal nome do ataque do Cruzeiro é sacrificado numa posição que não gosta de jogar e onde não joga tão bem quanto em sua função original, para que outro, que rende pouco, atue em seu espaço favorito.

Outra observação que reforça esse ponto é que desde que Arthur Gomes chegou, Bruno Rodrigues foi reserva mais vezes que o camisa 19.

Números da dupla no Cruzeiro

Se levarmos em conta o desempenho da dupla desde que Arthur estreou, para que não haja uma falsa simetria, já que o ex-Sporting não jogou o Campeonato Mineiro e Copa do Brasil, os números ficam assim:

  • Bruno Rodrigues: 11 jogos (seis como titular), dois gols, uma assistência – 0,27 de média de participações diretas em gol por jogo
  • Arthur Gomes: 13 jogos (doze como titular), dois gols, uma assistência – 0,23 de média de participações diretas em gol por jogo

Analisando o desempenho da dupla, é possível notar que nenhum deles acumulou números expressivos. Mas é preciso citar que Bruno Rodrigues tem a melhor média de participações diretas em gol, mesmo tendo começado como reserva em quase metade dos jogos, enquanto Arthur iniciou no banco somente um deles. Isso sem contar com o fato do camisa 19 frequentemente jogar onde se sente confortável, ao contrário do 9.

Ainda que ambos estejam devendo, o status de Arthur Gomes no time do Cruzeiro é injustificável, situação que é acentuada se comparada com o de Bruno Rodrigues. Resta esperar para ver se, com a recuperação plena de Rafael Elias — que não pega o Inter por estar suspenso —, o camisa 40 assume a titularidade e deixa apenas uma posição vaga para Arthur e Bruno, com a expectativa de que o camisa 9, que entregou muito mais no ano, seja o nome da posição.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa é mineiro, formado em Jornalismo na UFOP, em 2019. Passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas, antes de se tornar setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo