Brasileirão Série A

Brincadeiras, alfinetadas, legado e futuro: Suárez dá última entrevista coletiva pelo Grêmio

Após marcar o gol da vitória em sua despedida da Arena do Grêmio, Luis Suárez concedeu sua última entrevista coletiva pelo Tricolor Gaúcho

Para completar uma noite marcada por homenagens, gol da vitória e despedida da Arena do Grêmio, Luis Suárez concedeu sua última entrevista coletiva como jogador gremista neste domingo (3). Bem-humorado, o centroavante brincou sobre o ‘DVD' de Renato Portaluppi, agradeceu à torcida, fez um balanço da temporada, falou de legado e projetou o futuro.

Suárez chegou ao lotado auditório da Arena do Grêmio acompanhado pelo presidente Alberto Guerra, pelo vice-presidente de futebol Antônio Brum, pelo executivo de futebol Luís Vagner Vivian e pelo técnico Renato Portaluppi. Guerra entregou uma placa e uma camiseta com letras douradas em homeagem ao centroavante. Renato, brincalhão como sempre, deu ao centroavante seu famoso ‘DVD'.

Suárez brinca sobre o DVD de Renato

Na entrevista coletiva, Suárez entrou na onda e falou mais de uma vez sobre o DVD do treinador. Inicialmente, contando bastidor de um dos treinamentos do Grêmio na temporada.

Suárez recebe DVD de Renato. Foto: Nícolas Wagner/Trivela

— Eu estava cobrando faltas um dia, cobrei três ou quatro, e fiz dois gols. Perguntei se ele batia falta, ele disse ‘depois te mostro meu DVD' — revelou.

No momento mais engraçado da coletiva, o centroavante também brincou sobre o DVD quando o pediram para deixar uma mensagem aos jovens jogadores do elenco gremista.

— Que Renato mostre meu DVD deste ano — riu.

Mas Suárez também falou sério do treinador. Elogiou o trabalho do dia a dia, afirmando que se comprovou o que um colega de Seleção Uruguaia havia lhe dito quando estava chegando ao Grêmio.

— Eu sinceramente o conhecia por nome, pelo que havia sido como jogador, mas não sabia como era no dia a dia. Falei com Arrascaeta, e o que ele disse se confirmou. Um treinador muito próximo dos jogadores, gosta de dar confiança. Gosta de trabalhar sério, porque tem gente que diz que não — elogiou El Pistolero.

Suárez alfineta quem duvidava dele no Grêmio

Ao avaliar sua temporada no Grêmio, Suárez utilizou muito a palavra desafio. Citou o fato deste ser o ano com o maior número de jogos na sua carreira (53) para resumir o quanto o futebol brasileiro é difícil e desgastante. Mas ressaltou que conseguiu se provar, e calar os críticos.

— Não é fácil apostar um jogador como eu, com 36 para 37 anos, como disseram. Apostaram muito em um jogador que não sabiam como iria estar. Mas foi um desafio lindo, e por isso tomei a decisão. Muitos duvidavam, porque estava gordo, por causa do joelho. Mas é mais uma demonstração de que Luis Suárez gosta de desafios — afirmou.

Essas ‘alfinetadas' também foram dadas a quem duvidava de suas dores no joelho, e a quem duvidava do Grêmio, que em ano de retorno da Série B do Campeonato Brasileiro conseguiu vaga para a Libertadores. Suárez fez questão de exaltar os companheiros de time, e a torcida. Disse que o clube é maior do que qualquer personagem, e que será um torcedor a mais daqui para a frente.

— O Grêmio voltar a jogar a Libertadores é lindo. E vou me sentir participante. A dor que sinto no dia a dia é muita. E tenho que pensar no Luis Suárez ser humano. Tenho uma carreira muito extensa, e acho que tenho direito de fazer escolhas, de desfrutar da minha esposa, dos meus filhos. Serei um gremista a mais, torcendo pelo Grêmio — disse.

Suárez quer ‘descansar' e ‘desfrutar' com a família

Suárez não quis abrir o jogo sobre futuro, ainda que o acerto com o Inter Miami já seja de conhecimento público. Destacou mais de uma vez que quer descansar e desfrutar com sua família, e que não poderia atuar mais uma temporada no Brasil.

— São decisões que se toma, e com quase 37 anos ganhei o direito de decidir. Não é por ter dinheiro. Vou ficar com a consciência tranquila. Não podia mentir ao clube, roubar o clube. Para mim era fácil ficar mais um ano e jogar uma, duas ou três partidas no mês. O clube disse que poderia. Mas eu não poderia deixar ser assim. Porque sou profissional 24h por dia — ressaltou Suárez.

Esse profissionalismo é o que o centroavante quer deixar de legado. E a ‘cabeça dura', segundo o próprio, é o que o move para seguir se desafiando. Será o balizador para o que virá pela frente, após merecidas férias.

— Amo esta profissão. Mas também é difícil me levantar cada manhã com dor. Minha mulher pergunta cada vez que levanto da cama. É muito difícil para mim. Mas sou muito cabeça dura. Não sei o que vai ser. Necessito descansar, desfrutar, pensar bem o que vou fazer. É difícil dizer basta. O jogador do futebol não está preparado para isso. Terminou o Mundial no ano passado e pensei que tinha acabado a Seleção. Mas voltei, porque sou cabeça dura. Por ser cabeça dura, desfrutei do futebol — concluiu.

Suárez pelo Grêmio

  • 53 jogos
  • 27 gols
  • 17 assistências
Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho. Formado em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Antes de escrever pela Trivela, esteve na Rádio Grenal e na RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo