Brasileirão Série A

Como presidente do Fluminense explicou queda de Diniz e o que ele espera de seu substituto

Presidente concedeu coletiva de mais de duas horas para falar sobre saída do treinador, demitido na segunda (24)

Mário Bittencourt atendeu a um desejo da torcida e concedeu entrevista coletiva no CT Carlos Castilho nesta terça-feira (25). Embora tenha falado por mais de duas horas, foi o que o presidente do Fluminense não disse que chamou a atenção.

A começar pelo rosto abatido pelo dia difícil que viveu com a demissão de Fernando Diniz, na segunda (24), Mário estava diferente. O mandatário não gosta de mudanças de comando, mas se viu obrigado a remediar de maneira amarga o que não dava certo até aqui.

Nos exatos 138 minutos de conversa com a imprensa, o presidente tricolor falou sobre a demissão, a rescisão de Diniz e a queda de rendimento do Fluminense. Confirmou a sequência com Marcão, mas fugiu ao seu estilo e deu menos respostas do que de costume.

O que Mário não disse sobre Diniz no Fluminense

A expressão triste não era à toa. Embora tenha tomado a decisão que achou mais correta em demitir Fernando Diniz, Mário Bittencourt não ficou satisfeito com isso. Pelo contrário.

— A minha noite foi muito ruim porque eu teria que tirar o treinador que me deu o título. O mais difícil não foi porque ele é meu amigo, foi porque eu ia mandar embora o treinador que deu o maior título ao clube — afirmou.

Mário Bittencourt renovou o contrato de Fernando Diniz e o demitiu poucos dias depois - Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC
Mário Bittencourt renovou o contrato de Fernando Diniz até o fim de 2025 – Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC

O mandatário foi um dos mais emocionados na despedida do treinador, com quem criou excelente relação. Isso ficou claro quando chamou a saída de “até logo”.

As respostas mais longas que o normal tentavam tirar o peso dos jogadores. Mário demonstra preocupação com o momento da equipe, embora tenha confiança em Marcão, no trabalho do departamento de futebol e na recuperação no Brasileirão.

Fluminense confia em Marcão para substituir Diniz

A confiança no treinador que assume é um dos pilares da decisão. Quando sentiu que o trabalho de Diniz tinha batido no teto, Mário e os diretores Fred e Paulo Angioni concordaram: a melhor opção era uma solução caseira.

Uma das ideias de manter o Marcão são as peças que ele já conhece. Se ele quiser jogar de outra forma, ele conhece as outras peças.

— Não significa que vai dar certo sempre, mas a gente tem que minimizar as chances de dar errado. Marcão conhece os 35 jogadores — opinou.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Marcão oliveira (@marcaom5)

Se repetir os 53% de aproveitamento que tem à frente do Fluminense, Marcão terá mais uma boa passagem para sua coleção.

— Até hoje não pensamos, não conversamos com treinador nenhum porque não trabalhamos assim. A tendência é que o Marcão siga até o fim. A ideia principal é dar tranquilidade e confiança para trabalhar — afirmou.

Fluminense deve ter mudanças no elenco

Ainda que tenha evitado dar detalhes, Mário Bittencourt e a cúpula de futebol pretendem fazer mudanças no elenco.

Fluminense tem a expectativa de negociar André na janela de transferências - Foto: Icon sport
Fluminense tem a expectativa de negociar André na janela de transferências – Foto: Icon sport

O departamento de scout busca atacantes e zagueiros no mercado da bola. Já contando com a saída de André, o Flu provavelmente também tentará contratar um volante.

— Esse ano a tendência é a venda do André — admitiu Mário.

Com apenas cinco dias restantes em seu contrato, Marlon segue com situação indefinida. Outros jogadores podem deixar o clube.

— Ficamos numa situação de que eles podem sair ou não. Aí, eu preciso avaliar se busco um jogador que pode ou não sair. Isso imaginando uma possível saída. Estamos sempre olhando o mercado. Todo mundo faz isso. Mas temos que esperar o baralho mexer. A gente toma decisões de acordo com os fatos — disse.

Foto de Caio Blois

Caio BloisSetorista

Jornalista pela UFRJ, pós-graduado em Comunicação pela Universidad de Navarra-ESP e mestre em Gestão do Desporto pela Universidade de Lisboa-POR. Antes da Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo