Brasileirão Série A

‘Eu gosto mesmo é de ser atropelado’, brinca Felipão sobre trombada após seu Atlético-MG, aí sim, atropelar o Flamengo

Felipão foi derrubado por Rubens na comemoração do segundo gol do Atlético e brincou sobre isso

O Atlético-MG deu um verdadeiro show em pleno Maracanã e aplicou 3 a 0 no Flamengo, ultrapassando o próprio rival na tabela e entrando como nunca na briga pelo título. Com a grande atuação atleticana, o técnico Felipão recheou a coletiva pós-jogo de momentos engraçados. O treinador foi atropelado por Rubens depois do segundo gol do Galo e brincou sobre o fato.

O Atlético abriu 2 a 0 contra o Flamengo logo no início do segundo tempo. O belo gol de Edenilson, em um contra-ataque muito bem armado, ficou em segundo plano quando a câmera cortou para Felipão e o treinador atleticano estava no chão. No replay, foi possível ver o motivo: a euforia de Rubens, que pulou nas costas do treinador.

– Eu vou pegar o Rubens, ele me atropelou, assim como ele teve que atropelar depois para fazer o gol. Tudo bem então se ele me atropelar e fizer um gol, sempre quero ser atropelado. Vamos ver depois nas imagens qual a multa que vão dar para o Rubens — brincou Felipão.

O meia entrou em campo no decorrer da etapa final e fechou a conta em 3 a 0, como citou Felipão, se jogando e atropelando a bola para empurrá-la para as redes. O treinador fez questão de destacar como o ambiente no clube é dos melhores possíveis.

– É o ambiente, a alegria que todos estão sentindo. Eu faço parte dessa equipe e sou companheiro deles. Mostra pra vocês que temos um ambiente muito bom, em que todos se respeitam, mas tem a liberdade da brincadeira. Me deixa orgulhoso poder dizer “É a minha equipe”. Eles se dedicam por eles e um pouco pelo chefe.

Felipão chegou ao Atlético saindo da aposentadoria. Ele estava em um cargo de gestor no Athletico-PR e decidiu voltar para a beira do campo. Questionado sobre isso, ele citou que não gostou muito de ter trabalhado internamente e a praia dele é realmente a beira do campo. Aproveitamento o gancho do jogo e o atropelo, brincou:

O que eu gosto mesmo é ser atropelado.

O desempenho do Atlético e o sonho do título

Depois de ter feito a melhor partida do ano contra o Grêmio, o Atlético repetiu o feito e teve uma atuação espetacular contra o Flamengo. Para Felipão, o time está atuando como atuou nos último sete ou oito jogos, tendo um esquema definido que beneficia as características dos jogadores e do treinador, que gosta de um time vertical.

O que mais chamou atenção no jogo, além da grande atuação, foi a disposição dos jogadores do Atlético em campo, lutando por cada bola como se ela fosse o último prato de comida da Terra. Felipão exaltou o preparo físico do time e o responsável por isso, Cristiano Nunes.

– Os melhores do jogo foram os jogadores da minha equipe. Quem entrou foi muito bem, quem vibrou ali do lado de fora intensamente. O melhor da minha equipe, não só hoje, mas em muitos jogos, tem sido o preparo físico do Cristiano. Ele tem feito um trabalho espetacular.

O elogiado preparado Cristiano Nunes (Pedro Souza / Atlético)

Com o resultado, o Atlético chegou aos 63 pontos, mesma pontuação do próprio Flamengo e se mantém há três pontos do líder Palmeiras. Há duas rodadas do fim, o Galo está vivo na briga pelo título, mas não depende só de si. O importante mesmo no momento é que está garantido na próxima Libertadores e o próximo objetivo, antes de título, é se manter no G4.

– Tomara que a gente faça a nossa parte. A outra parte não é nossa e não podemos prever nada. Vamos fazer o que podemos. Estamos classificados entre os seis primeiros, brigando por uma posição entre os quatro que nos dá uma possibilidade melhor na Libertadores, pois nos coloca em um pote que nos dá adversários mais em condições. Temos que fazer o nosso trabalho e os outros que joguem e vejam o que vão conseguir.

O Atlético tem poucas chances nessa reta final pois, além de tirar três pontos de diferença para o Palmeiras, precisa também queimar um saldo de gols de oito, algo que parece fora da realidade faltando apenas duas rodadas. O time de Felipão não chega com tanta chance nessa reta pois, lá no início da chegada dele, foram nove jogos sem vitória, o que fez o Galo despencar na tabela, e o treinador sabe que isso pode punir.

– Nós lá atrás não fizemos por merecer, quem sabe não vamos receber o castigo agora. Mas estamos orgulhosos da equipe, dos jogadores, do ambiente e que conseguimos dar a volta por cima.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo